A pesquisa quanti-ação como ferramenta para o ensino de estatística na Educação Básica

Luciane Souza Velasque, Alexandre Sousa Silva, Maria Tereza Serrano Barbosa

Resumo


A inclusão de uma Unidade temática denominada Estatística e Probabilidade no BNCC do Ensino Fundamental exige reflexões e experimentos a respeito de como abordar os conteúdos e habilidades propostos. Neste artigo serão apresentados os resultados de uma pesquisa quanti-ação realizada em uma Escola Municipal da rede pública da cidade do Rio de Janeiro. Todas as etapas da pesquisa foram desenvolvidas pelos estudantes do sétimo ano, que participaram ativamente da escolha do tema, coleta e análise dos dados, finalizando com a apresentação dos resultados. Nesta pesquisa foram coletados dados sobre consumo de álcool em 532 estudantes do ensino fundamental matriculados na escola. O objetivo deste artigo é apresentar uma proposta para desenvolver habilidades estatísticas por meio de desenvolvimento de uma pesquisa. Os resultados demonstraram como é viável e transformador, para estudantes e professores, desenvolverem em conjunto uma pesquisa com tema de interesse dos alunos que passe por todas as etapas de um ciclo investigativo.


Palavras-chave


Educação Estatística; Pesquisa quanti-ação; BNCC; Letramento estatístico

Texto completo:

PDF/A

Referências


Abe (2015). Reflexões a respeito dos conteúdos de probabilidade e estatística na escola no Brasil – uma proposta. Recuperado em: http://www.redeabe.org.br/site/webroot/files/REFLEXOES%20CONTEUDOS%20DEB%20E%20ESTAT%20NA%20ESCOLA%20NO%20BRASIL%20DocFinal.pdf.

Barbosa, M.T.S.; Ross, S.D.O; Silva, A.S.; Velasque, L. S.; Simões, B. F. T.; Cunha, M. B. ; Tuttman, M. T. (2016) . A mudança de visão sobre a Lei de cotas em uma Universidade pública: evidências a partir de uma nova abordagem de pesquisa- quanti-ação In: Anais do 22o Simpósio Nacional de probabilidade e Estatística, p. 46, Porto Alegre.

Batanero, C.; Diaz, C. (2004) .El papel de los proyectos em la ensenanza y aprendizaje de la estatística. in: ROYO, J.P. (ed) Aspectos didáticos de las matemáticas Zaragoza (Espanha) ICE, 2004, p.125-164.

Brasil (2017). Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/>. Acesso em: 31 mar. 2019.

Campos C. R.; Jacobini, O, R.; Wodewotzki, M. L. L.; Ferreira, D. H. L. (2004). Educação Estatística no Contexto da Educação Crítica. Boletim de Educação Matemática - BOLEMA, n. 39, v. 24, 473- 494.

Campos, C.R.; Wodewotzki, M.L.L.; Jacobini, O.R. (2013). Educação Estatística: teoria e prática em ambientes de modelagem matemática. In Coleção Tendências em Educação Matemática. Autêntica Editora. 2ª ed..São Paulo.

Cazorla, I. M.; Utsumi, M. C.(2010). Reflexões sobre o ensino de estatística na eduação básica. In: Cazorla, I. ; Santana, E. (Org.). Do Tratamento da Informação ao Letramento Estatístico. Via Litterarum, ( p. 9-19). Itabuna.

Chick, H. L. (2003). Transnumeration and the art of data representation. In L. Bragg, C. Campbell, G. Herbert, & J. Mousley (Eds.), Mathematics Education Research: Innovation, Networking, Opportunity. (Proceedings of the 26th annual conference of the Mathematics Education Research Group of Australasia, Geelong, pp. 207-214). Merga.

Coutinho, C.Q.S.(2017) Transnumeração: o uso do Geogebra na transformação de representações dos dados. Unión: Revista Iberoamericana de Educación Matemática (v. 49), p. 11-25.

Costa, A.; Nacarato, A. A. (2011). Estocástica na Formação do Professor de Matemática: percepções de professores e de formadores. Boletim de Educação Matemática 24(39):367-386.

Lopes, A. E. C.(2008). Reflexões teórico-metodológicas para a Educação Estatística. In: Lopes, C. E.; Curi, E. (Org.). Pesquisa em Educação Matemática: um encontro entre a teoria e a prática. São Carlos: Pedro e João Editores,.p. 67-86.

Lopes C. E. (2013). Educação Estatística no Curso de Licenciatura em Matemática Bolema, Rio Claro (SP), 2013, v. 27, n. 47, p. 901-915, dez.

Gal, I. Statistical Literacy: Meanings, Components, Responsibilities. (2004) In: In: Ben-Zvi, D.; Garfield, J. (Eds.). The Challenge of Developing Statistical Literacy, Reasoning and Thinking. Dordrecht, The Netherlands: Kluwer Academic Publishers, p. 47- 78.

Garfield, J.(2002). The Challenge of Developing Statistical Reasoning. Journal of Statistics Education, v. 10, n. 3.

Santos, C. R. (2005).O tratamento da informação: currículos prescritos, formação de professores e implementação na sala de aula. 139 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Silva, S. A. , Barbosa, M. T. S., Simões, B. F. T., Velasque, L., Cunha, M. B. , Ribeiro; Ross, S. D. (2015) Método ativo de aprendizagem de estatística: uma experiência nos cursos da UNIRIO In: IASE 2015 Satellite Paper. Recuperado de https://iase-web.org/documents/papers/sat2015/IASE2015%20Satellite%2062_SOUSADASILVA.pdf

Tripp, D. (2005). Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação & Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 443-466, set./dez

Thiollent, M. (2009). Metodologia da Pesquisa-ação. 17ª. ed.: Cortez, 132p. São Paulo.

Wild, C. J.; Pfannkuch, M. (1999). Statistical Thinking in Empirical Enquiry. International Statistical Review, v. 67, n.3, p. 223-265.




DOI: https://doi.org/10.5007/1981-1322.2019.e62828

Indexadores, diretórios e base de dados:

                                                                     

 

REVEMAT: R. Eletr. Educ. Mat., UFSC/MTM/PPGECT, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 1981-1322.
 
 

 Licença Creative Commons
Está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.