Disciplina de estatística na matriz curricular dos cursos de licenciatura em Matemática no Brasil

Márcio Urel Rodrigues, Luciano Duarte Silva

Resumo


Nesta pesquisa objetivamos compreender como as disciplinas de Estatística estão estruturadas na Matriz Curricular dos cursos de Licenciatura em Matemática em atividade no Brasil. Para alcançar tal objetivo, realizamos uma pesquisa qualitativa na modalidade documental, por meio da análise de 190 Projetos Pedagógicos de Cursos (PPCs) de Licenciatura em Matemática de todas as regiões geográficas do Brasil. Como referencial teórico, recorremos a diversos pesquisadores que abordam a importância da Formação Estatística nas Licenciatura em Matemática para preparar os futuros professores de Matemática para a atuação na Educação Básica. Para analisar os dados, utilizamos alguns procedimentos da Análise de Conteúdo na perspectiva elucidada por Bardin (1977), a qual nos proporcionou constituir quatro Categorias de Análise que representam os aspectos centrais da pesquisa: (i) Estatística Descritiva; (ii) Estatística Inferencial; (iii) Análise Combinatória e Probabilidade; (iv) Ensino de Estatística na Educação Básica. Essas categorias de análise foram interpretadas por meio de um movimento dialógico entre os dados, o referencial teórico, o objetivo da pesquisa, bem como as nossas percepções. A análise interpretativa dessas categorias nos permitiu compreender que apesar de existirem disciplinas de conhecimentos de Estatística em 97% das matrizes curriculares dos PPCs de licenciatura em Matemática no Brasil, elas privilegiam a abordagem conceitual em detrimento de uma abordagem mais relacionada ao conhecimento pedagógico dos conteúdos de Estatística que os futuros professores trabalharão nas escolas da Educação Básica. Assim sendo, os resultados da presente pesquisa apontam para a necessidade de uma readequação das disciplinas de Estatística pelos Núcleos Docentes Estruturantes (NDE’s) convergente para à futura prática docente dos licenciados em Matemática no ensino fundamental e médio

Palavras-chave


Estatística; Licenciatura em Matemática; Projetos pedagógicos de cursos; Análise de conteúdo

Texto completo:

PDF/A

Referências


Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

Bernardes, O. (1987). Para uma abordagem do conceito de probabilidade. Educação & Matemática, Lisboa, n. 3.

Cazorla, I. M. et al. (2008). A leitura e interpretação de gráficos e tabelas no ensino fundamental e médio. Anais do 2º SIPEMAT. Recife, PE.

Correa, S. M. B. B. (2003). Probabilidade e Estatística. 2. ed. Belo Horizonte: PUC Minas Virtual, 116 p.

Costa, A. (2007). A educação estatística na formação do professor de matemática. 153 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade São Francisco, Itatiba, SP.

Costa, W. N. G.; Pamplona, A. S. (2011). Entrecruzando Fronteiras: a Educação Estatística na formação de Professores de Matemática. Bolema, Rio Claro, SP, v. 24, n. 40, p. 897-911.

Creswell, J. W. (2007). Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Tradução: Luciana de Oliveira da Rocha. 3. ed. Porto Alegre: Artmed.

Damin, W.; Junior, G. S.; Pereira, R. S. G. (2016). Educação Estatística e os Currículos das Licenciaturas em Matemática. Vivências, v. 12, n. 22, p. 263-273.

Gatti, B. A. (2002) A construção da pesquisa em educação no Brasil. Brasília: Plano.

Gil, A. C. (2002). Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas.

Lopes, C. E.; Coutinho, C.; Almouloud, S. A. (Org.). (2010). Estudos e reflexões em Educação Estatística. Campinas, SP: Mercado de Letras.

Lopes, C. E. (2013). Educação Estatística no curso de licenciatura em matemática. Bolema, v. 27, n. 47, p. 901-915, 2013.

Lopes, C. E. (2008). O ensino de probabilidade e estatística na educação básica e a formação de professores. Caderno Cedes, Campinas, SP, v. 28, n. 74, p. 57-73.

Pinheiro, C. A. M; Sá, P. F. (2010). Uma Proposta de Ensino de Análise Combinatória. Belém: SBEM-PA, (Coleção Educação Matemática da Amazônia, v. 2).

Santos, C. R. (2005). O tratamento da informação: Currículos prescritos, formação de professores e implementação em sala de aula. Dissertação (Mestrado Profissional) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Silva, L. B. (2014). A Estatística e a Probabilidade nos Currículos dos Cursos de Licenciatura em Matemática no Brasil. 129 f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática e Tecnológica) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE.

Silva, M. A. (2011). A Presença da Estatística e da Probabilidade no Currículo Prescrito de Cursos de Licenciatura em Matemática: uma análise do possível descompasso entre as orientações curriculares para a Educação Básica e a formação inicial do professor de Matemática. Bolema, Rio Claro, SP, v. 24, n. 40, p. 747-764.

Viali, L. (2008). O ensino de Estatística e Probabilidade nos cursos de Licenciatura em Matemática. XVIII SINAPE (Simpósio Nacional de Probabilidade e Estatística). São Pedro/SP.

Viali, L.; Cury, H. N. (2011). Professores de matemática em formação continuada: uma análise de erros em conteúdos de Probabilidade. EM TEIA – Revista de Educação Matemática e Tecnológica Ibero-Americana, v. 1, n. 1.




DOI: https://doi.org/10.5007/1981-1322.2019.e62829

Indexadores, diretórios e base de dados:

                                                                     

 

REVEMAT: R. Eletr. Educ. Mat., UFSC/MTM/PPGECT, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 1981-1322.
 
 

 Licença Creative Commons
Está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.