Nas entrelinhas da pesquisa em Psicologia da Educação Matemática e a formação inicial de professores

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1981-1322.2020.e65710

Palavras-chave:

Psicologia da educação matemática, Formação de professores, Implicações metodológicas

Resumo

O artigo objetiva discutir contribuições da pesquisa em Psicologia da Educação Matemática e suas potencialidades quando esta tem como foco a formação inicial de professores dos anos iniciais. Para tanto, apresentaremos as ações que estão sendo desenvolvidas no projeto de pesquisa "Implicações da prática investigativa na mudança de atitude e crença de autoeficácia em relação à Matemática no curso de Pedagogia". A primeira ação, consiste no mapeamento de teses e dissertações que correlacionem o conceito de "atitude" com a formação de professores. A segunda, pretende compreender em que medida a pesquisa de trabalho de conclusão de curso (TCC) contribui para a constituição da identidade de professoras em seus primeiros anos de docência. Centrada em uma abordagem qualitativa, a produção de dados se deu no contexto de dois planos de trabalho do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC/CNPq/UFMS). Os resultados deste estudo trazem indícios de que há poucos estudos em Psicologia da Educação que tenham como foco o conceito de atitude e formação de professores. Também há indícios da contribuição do desenvolvimento do TCC na área de Educação Matemática para ampliação do repertório didático-pedagógico, como também para a superação das dificuldades decorrentes dos ritos de iniciação.



Biografia do Autor

Klinger Teodoro Ciríaco, Universidade Federal de São Carlos - UFSCar, Departamento de Teorias e Práticas Pedagógicas.

Pós-Doutor em Psicologia da Educação Matemática pelo Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência da UNESP, Câmpus Bauru. Professor Adjunto do Departamento de Teorias e Práticas Pedagógicas da Universidade Federal de São Carlos - UFSCar, São Carlos-SP; Docente Permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática do Instituto de Matemática da UFMS atuando na linha de pesquisa "Formação de Professores e Currículo". 

Ana Carolina Faustino, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS, Câmpus Naviraí.

Doutora em Educação Matemática pela UNESP, Rio Claro-SP; Professora Adjunta da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS, Câmpus Naviraí.

Cíntia Raquel Ferreira Mercado de Almeida, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS, Instituto de Matemática (INMA), Campo Grande.

Mestranda em Educação Matemática pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS, Instituto de Matemática (INMA), Campo Grande; Licenciada em Pedagogia pela UFMS, Câmpus Naviraí.

Fernando Schlindwein Santino, Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - FCT/UNESP, Presidente Prudente-SP.

Mestrando em Educação pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - FCT/UNESP, Presidente Prudente-SP. Licenciado em Pedagogia pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS, Câmpus Naviraí.

Referências

Almeida, C. R. F. M. de & Ciríaco, K. T. (2018). A produção do conhecimento de grupos de pesquisas brasileiros acerca de atitudes em relação à Matemática. Educação Matemática Debate, v. 2, p. 144-170. Recuperado de https://www.researchgate.net/publication/334665879_A_producao_do_conhecimento_de_grupos_de_pesquisas_brasileiros_acerca_de_atitudes_em_relacao_a_Matematica

Almeida, C. R. F. M. de. (2018). Atitude em relação à Matemática: o que dizem os estudos de dois grupos de pesquisa brasileiros? 29 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Pedagogia). Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campus Naviraí.

Ardiles, R. N. de. (2007). Um estudo sobre concepções, crenças e atitudes dos professores em relação à Matemática. Dissertação (Mestrado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP.

Borba, V, M, de L. & COSTA, A. P. da. (2013). Uma análise sobre a permanência e a desistência de licenciandos em Matemática no centro de formação de professores da Universidade Federal de Campina Grande. In ANAIS do XI Encontro Nacional de Educação Matemática – Issn 2178 – 034X. Recuperado de http://sbem.iuri0094.hospedagemdesites.ws/anais/XIENEM/pdf/2791_1901_ID.pdf

Brito, M. (1996). Um estudo sobre as atitudes em relação à Matemática em estudantes de 1 e 2 graus. Campinas, SP. 398 f. Tese (Livre Docência) na área de Aprendizagem do Departamento de Psicologia Educacional da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas, Unicamp, Campinas.

Cavalcanti, J. D. B. (2011). Diálogos entre psicologia e educação matemática: possibilidades de cooperação entre CCS e CFP. Revista integrativa em saúde e educação – revise, 2 (2):2179-6572, [1-14]. Recuperado de https://www.researchgate.net/publication/330113245_Dialogos_entre_Psicologia_e_Educacao_Matematica_possibilidades_de_cooperacao_entre_CCS_e_CFP_Dialogue_between_Psychology_and_Mathematics_Education_Opportunities_of_Cooperation_between_CCS_and_CFP

Ciríaco, K. T. (2016). Professoras iniciantes e o aprender a ensinar Matemática em um grupo colaborativo. 334 f. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – FCT/UNESP, Presidente Prudente-SP.

Ciríaco, K. T. (2017). A pesquisa em Educação Matemática na licenciatura em Pedagogia: Implicações na mudança de atitude e crença de autoeficácia das estudantes. 99 f. Relatório (Pós-doutorado em Educação para Ciência – ênfase em Psicologia da Educação Matemática). Faculdade de Ciências da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – FC/UNESP, Bauru-SP.

Costa, A. P. da & Monteiro, A. F. (2015). Afetividade na educação matemática: uma análise das produções científicas. In: II Congresso Nacional de Educação – CONEDU – Campina Grande. PB, p. 1-11. Recuperado de http://www.editorarealize.com.br/revistas/conedu/trabalhos/TRABALHO_EV045_MD1_SA8_ID5931_13082015224859.pdf

Curi, E. (2004). Formação de professores polivalentes: uma análise de conhecimentos para ensinar Matemática e de crenças e atitudes que interferem na constituição desses conhecimentos. 278 f. Tese (Doutorado em Educação Matemática). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. PUC/SP.

Dobarro, V. R. (2007). Solução de problemas e tipos de mente matemática: relações com as atitudes e crenças de auto-eficácia. 229 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas. Campinas.

Falcão, J. da R. (2002). Psicologia e Educação Matemática. Educação em revista, Belo Horizonte, n 36 [online]. n. 36, p. 205-221. Recuperado de http://educa.fcc.org.br/pdf/edur/n36/n36a12.pdf

Gonçalez, M, H, C, de C. (1995). Atitudes (des) favoráveis com relação à Matemática. Campinas, SP. 147 f. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Estadual de Campinas.

Magina, S. (2011). A pesquisa na sala de aula de matemática das séries iniciais do ensino fundamental. Contribuições teóricas da psicologia. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, n. Especial 1, p. 63-75. Recuperado de https://revistas.ufpr.br/educar/article/viewFile/22596/14836

Meira, L; Shliemann, A; Carraher, D; Spinillo, A. & Falcão, J, da R. (1994). Estudos em Psicologia da Educação matemática. Em aberto, Brasília, ano 14, n. 62, abr/jun. Recuperado de http://emaberto.inep.gov.br/index.php/emaberto/article/view/1971

Mello, T. A. (2008). Argumentação e metacognição na solução de problemas aritméticos de divisão. 338 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas. Campinas.

Moro, M. L. F. (2015). Metodologia da pesquisa em Psicologia da Educação Matemática: O quê? Por que? Como? Perspectivas da Educação Matemática. Volume 8, Número Temático – Issn 2359-2842. Recuperado de http://seer.ufms.br/index.php/pedmat/article/view/1432/960

Motta, K. C. M. de P. (2008). A família, o desenvolvimento das atitudes em relação a matemática e a crença de auto-eficácia. 191 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas. Campinas.

Neves, J. A. dos S. (2018). Contribuições da pesquisa em Educação Matemática para a crença de autoeficácia de egressas da licenciatura em Pedagogia. 30 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Pedagogia). Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campus Naviraí.

Silva, M. V. da. (2001). Variáveis atitudinais e o baixo desempenho em matemática de alunos de 5ª a 8ª série do ensino fundamental. 230f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas. Campinas

Silva, M. da. (2018). Psicologia da Educação Matemática: levantamento de teses e dissertações no campo da educação infantil (1998-2018). 28 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Pedagogia). Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campus Naviraí.

Tardif, M. (2002). Saberes docentes e formação profissional. 5. ed. Petrópolis: Vozes.

Utsumi, M. C. (2000). Atitudes e habilidades envolvidas na solução de problemas algébricos: um estudo sobre o gênero, a estabilidade das atitudes e alguns componentes da habilidade matemática. 246 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas. Campinas.

Viana, O. A. & Brito, M. R. F. de. (2006). O componente espacial da habilidade matemática de alunos do Ensino Médio. In: I Simpósio Internacional de Pesquisa em Educação Matemática, 2006. Anais do I SIPEMAT – Pesquisa em Educação: um olhar ampliado sobre a sala de aula. Recife: UFPE, p. 1-10.

Zortêa, G. A. P. (2018). Conhecimentos "de" e "sobre" geometria de duas professoras iniciantes no contexto de um grupo colaborativo. 152 f. Dissertação (Mestrado em Ensino e Processos Formativos) – Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira.

Downloads

Publicado

2020-03-06

Edição

Seção

Artigos