Primeira olimpíada brasileira de matemática dos anos iniciais – OBMEP: uma análise dos resultados obtidos pelos alunos e das percepções dos professores sobre o instrumento aplicado

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1981-1322.2020.e66169

Palavras-chave:

Olimpíadas de matemática, Percepções professores, Desempenho dos alunos

Resumo

O presente estudo, parte de uma pesquisa de Pós doutorado, analisa a participação dos estudantes de 4º e 5º anos na 1ª Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas – Nível A e as percepções dos seus professores sobre a avaliação aplicada. A pesquisa foi elaborada por meio de respostas oriundas de questionários respondidos por 92 professores e gestores das escolas públicas do Vale dos Sinos, Paranhana e Caí sobre o desempenho dos seus alunos nas provas e a compreensão destes envolvidas sobre o instrumento aplicado. De acordo com resultados obtidos, as questões com maior porcentagem de alunos que cometeram erros, referem-se principalmente aos conteúdos das unidades temáticas de álgebra, grandezas e medidas; para metade dos professores, as questões apresentaram um grau de dificuldade superior das que são trabalhadas em aula; de forma expressiva os educadores apresentam dificuldade de trabalho em sala de aula com questões de Geometria e álgebra e destacam que nas escolas não deixam trabalhar estes conteúdos, porque pedem para priorizar as quatro operações.

Biografia do Autor

Cláudio Cristiano Liell, ULBRA Faculdade Anhanguera Caxias do Sul Faculdade Murialdo Faculdade Cenecista Farroupilha

PROFESSOR UNIVERSITÁRIO

DOUTOR EM ENSINO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS

PÓS-DOUTOR EM ENSINO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS

lattes: http://lattes.cnpq.br/4279414201838984

Arno Bayer, ULBRA-PPGECIM http://lattes.cnpq.br/5125527979563280

Doutor em Ciências da Educação

Professor do programa PPGECIM ULBRA

Referências

Alves, W. J. S. (2010). O impacto da Olimpíada de Matemática em alunos da escola pública. (Dissertação Mestrado em Ensino de Matemática). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Bachelard, G. A. (1996). Formação do Espírito Científico: contribuição para uma psicanálise do conhecimento. Rio de Janeiro: Editora Contraponto.

Biondi, R. L., Vasconcellos, L., & Menezes-Filho, N. A. (2009). Avaliando o impacto da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP) no desempenho de matemática nas avaliações educacionais. In Anais. Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Econometria. Recuperado de http://bibliotecadigital.fgv.br/ocs/index.php/sbe/EBE09/paper/view/1092/315.

Burigo, E. Z. (1989). Movimento da Matemática Moderna no Brasil: Estudo da Ação e do Pensamento de Educadores Matemáticos nos Anos 60. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Cedro, W.L. (2008). O motivo e a atividade do professor de Matemática uma perspectiva histórico-cultural. (Tese de Doutorado em Educação). Faculdade de Educação, USP, São Paulo.

Cocco, E. M.. (2013). OBMEP e avaliação em larga escala no município de Frederico Westphalen: discussões e encaminhamentos. (Dissertação de mestrado). Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai, Frederico Westphalen.

DANTE, L.R. (1998). Didática da Resolução de Problemas de Matemática. 2. ed. São Paulo:Ática.

Lins, R. C. (2004). Matemática, monstros, significados e educação matemática. In: Bicudo, M.A.V.; Borba, M. C. B. (Orgs.). (2004), Educação matemática: pesquisa em movimento. (pp. 92-120). São Paulo: Cortez.

Maciel, M. M. G. (2008). A criação de um grupo de estudos segundo Fundamentos da Educação da Matemática Crítica: uma proposta de Educação Inclusiva. (Dissertação de Mestrado em Educação Matemática). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Moreira, H., & Caleffe, L. G. (2008). Metodologia da pesquisa para o professor pesquisador. 2. ed., Rio de Janeiro: Lamparina.

Nacarato, A. M.; Mengali, B. L. da S.; Passos, C. L. B. (2009). A matemática nos anos iniciais do ensino fundamental: Tecendo fios do ensinar e do aprender. Belo Horizonte: Autêntica.

OBMEP. Banco de Questões. Disponível em: http://www.obmep.org.br/banco.htm. Acesso em: 05 de maio de 2014.

Pavanello, R. M.; Lopes, S. E.; Araujo, N. S. R. (2011). Leitura e interpretação de enunciados de problemas escolares de matemática por alunos do ensino fundamental regular e educação de jovens e adultos (EJA). Educar em Revista, 27, 126-140. dói:https://doi.org/10.1590/S0104-40602011000400009

Sá, K. K. (2009). A Olimpíada Brasileira de Física em Goiás Enquanto Ferramenta para a Alfabetização Científica: Tradução de Uma Educação não Formal. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Goiás, Goiás.

Sudbrack, E. M.; Cocco, E. M. (2013). Olimpíada de Matemática das escolas públicas e avaliação em larga escala: contribuições à qualidade educativa. Pleiade , v. 12, 55-71.

Turner, N. D. (1985) A historical sketch of olympiads: U.s.a. and international. College Mathematics Journal, v. 16, 330–335.

Weisz, T. & Sanchez, A. (2002). O diálogo entre o ensino e a aprendizagem. São Paulo: Ática.

Zabala, A. (1998). A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Editora Artes Médicas Sul Ltda.

Zuffi, E. M.; Onuchic, L. R. (2007) O Ensino-Aprendizagem de Matemática Através da Resolução de Problemas e os Processos Cognitivos Superiores. Unión-Revista Iberoamericana de educação Matemática, V. 11, 79-97.

Downloads

Publicado

2020-08-28

Edição

Seção

Artigos