A utilização das tecnologias digitais na formação inicial de professores de Matemática: compreensões, desafios e possibilidades

Autores

  • Daniele Amaral Fonseca Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde da Universidade Federal do Rio Grande – FURG.
  • Daniel da Silva Silveira Universidade Federal do Rio Grande - FURG Professor Adjunto da Universidade Federal do Rio Grande – FURG, na área de Educação Matemática e Cálculo Diferencial e Integral no Instituto de Matemática, Estatística e Física – IMEF, Rio Grande, RS, Brasil. http://orcid.org/0000-0002-1195-2117
  • Celiane Costa Machado Professora Associada da Universidade Federal do Rio Grande – FURG, lotada no Instituto de Matemática, Estatística e Física – IMEF, Rio Grande, RS, Brasil.
  • Elaine Corrêa Pereira Pós-Doutora pela Universidade Eduardo Mondlane (UEM), Moçambique. Professora Associada da Universidade Federal do Rio Grande – FURG, na área de Álgebra, Análise e Matemática Discreta no Instituto de Matemática, Estatística e Física – IMEF https://orcid.org/0000-0002-3779-1403

DOI:

https://doi.org/10.5007/1981-1322.2020.e70560

Palavras-chave:

Cibercultura, Ensino de matemática, Formação inicial de professores

Resumo

O objetivo desse artigo foi compreender os enlaces entre a prática pedagógica e a cibercultura, pelo uso das tecnologias digitais no ensino de Matemática no contexto da formação inicial de professores. Isso foi discutido por meio de autores que estudam a concepção de Cibercultura e de outros que refletem sobre a formação de professores de matemática imbricada à utilização das tecnologias digitais. Assim, o caminho metodológico foi estruturado em duas etapas, sendo a primeira através da análise de produções científicas nos Anais do Encontro Nacional de Educação Matemática, e a segunda etapa, ocorreu pelo planejamento e desenvolvimento de uma prática pedagógica com o uso de tecnologias digitais em uma disciplina de laboratório, do curso de Licenciatura em Matemática, de uma Universidade Federal. A análise realizada possibilitou evidenciar que o uso recorrente das tecnologias digitais pode gerar possibilidades para o ensino de Matemática, assim como, o dar-se conta do licenciando em relação ao seu processo de aprender, sobre suas dificuldades, seus desafios, sua atenção consciente e seu processo de ir e vir para descobrir como fazer algo. Ademais, o uso pedagógico das tecnologias digitais na formação inicial de professores de Matemática, precisa ser adequada as práticas, aos contextos e aos sujeitos, com a intenção de contemplar pelas interações à construção do conhecimento. Destarte, podemos concluir com este trabalho que se a formação de professores de Matemática for ancorada em uma perspectiva que opera a tecnologia digital como uma forma de agir, viver e compreender esse operar no seu fazer profissional, poderá significar a importância e potencializar a apropriação dessas ferramentas tecnológicas nas atividades do dia a dia, o que poderá também transformar a cibercultura no espaço educativo.

Biografia do Autor

Daniele Amaral Fonseca, Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde da Universidade Federal do Rio Grande – FURG.

Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde da Universidade Federal do Rio Grande – FURG. Licenciada em Matemática pela FURG.

Daniel da Silva Silveira, Universidade Federal do Rio Grande - FURG Professor Adjunto da Universidade Federal do Rio Grande – FURG, na área de Educação Matemática e Cálculo Diferencial e Integral no Instituto de Matemática, Estatística e Física – IMEF, Rio Grande, RS, Brasil.

Licenciado em Matemática pela Universidade Federal do Rio Grande - FURG.

Doutor em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde

Professor do Instituto de Matemática, Estatística e Física - IMEF

Celiane Costa Machado, Professora Associada da Universidade Federal do Rio Grande – FURG, lotada no Instituto de Matemática, Estatística e Física – IMEF, Rio Grande, RS, Brasil.

Doutora em Matemática Aplicada pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS. Professora Associada da Universidade Federal do Rio Grande – FURG, lotada no Instituto de Matemática, Estatística e Física – IMEF

Elaine Corrêa Pereira, Pós-Doutora pela Universidade Eduardo Mondlane (UEM), Moçambique. Professora Associada da Universidade Federal do Rio Grande – FURG, na área de Álgebra, Análise e Matemática Discreta no Instituto de Matemática, Estatística e Física – IMEF

Pós-Doutora pela Universidade Eduardo Mondlane (UEM), Moçambique. Professora Associada da Universidade Federal do Rio Grande – FURG, na área de Álgebra, Análise e Matemática Discreta no Instituto de Matemática, Estatística e Física – IMEF

Referências

Alcantara, L. A. G., & Dullius, M. M. (2016, julho). Formação continuada de professores para a utilização das tecnologias nas aulas de matemática: ancorada na prática e apoiada no mentoring. In Anais do XII Encontro Nacional de Educação Matemática (pp. 1-13). São Paulo. Recuperado de http://www.sbembrasil.org.br/enem2016/anais/pdf/4958_2305_ID.pdf

Bicudo, M. A. V. (2003). A formação do professor: um olhar fenomenológico. In M. A. V. Bicudo (Ed.) Formação de Professores? Da incerteza a compreensão. (pp. 19-46). Bauru: EDUSC.

Bicudo, M. A. V. (2005). O professor de matemática nas escolas de 1º. e 2º. graus. In M. A. V. Bicudo. (Ed.), Educação Matemática. (pp. 45-57). São Paulo: Centauro.

Castro, A. L. (2016, julho). A formação de professores de matemática para uso das tecnologias digitais e o currículo da era digital. In Anais do XII Encontro Nacional de Educação Matemática (pp. 1-12). São Paulo. Recuperado de http://www.sbembrasil.org.br/enem2016/anais/pdf/6796_3527_ID.pdf

Castro Filho, J. A., FREIRE, R. S. & MAIA, D. L. (2016). Formação docente na era da cibercultura. Revista Tecnologias na Educação, (16), 1-21. Recuperado de http://tecedu.pro.br/wp-content/uploads/2016/09/Art9-Formação-Docente-na-era-da-Cibercultura-.pdf

Fiorentini, D., & LORENZATO, S. (2006). Investigação em educação matemática: percursos teóricos e metodológicos. Campinas: Autores Associados.

Jordane, A., Ribeiro, E., & Badke, W. (2016, julho). Entendimentos de futuros professores de matemática acerca das tecnologias digitais na educação matemática. In Anais do XII Encontro Nacional de Educação Matemática (pp. 1-12). São Paulo. Recuperado de http://www.sbembrasil.org.br/enem2016/anais/pdf/6511_2768_ID.pdf

Kawasaki, T. F. (2008). Tecnologias na sala de aula de matemática: resistência e mudanças na formação continuada de professores (Tese de Doutorado em Conhecimento e Inclusão Social). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Kenski, V. M. (2007). Educação e tecnologias: o novo ritmo da informação. Campinas: Papirus.

Lefèvre, F., & Lefèvre, A. M. C. (2005). O discurso do sujeito coletivo: um novo enfoque em pesquisa qualitativa (desdobramentos). Caxias do Sul: Educs.

Lemos, A. (2010). Cibercultura: tecnologia e vida social na cultura contemporânea. Porto Alegre: Sulina.

Lemos, A., & Lévy, P. (2010). O futuro da internet: em direção a uma ciberdemocracia planetária. São Paulo: Paulus.

Lévy, P. (1999). Cibercultura. São Paulo: Editora 34.

Lopes, R. P., & Fürkotter, M. (2016, julho). Ensino com tecnologia em curso de licenciatura em matemática e seu impacto sobre o futuro professor. In Anais do XII Encontro Nacional de Educação Matemática (pp. 1-12). São Paulo. Recuperado de http://www.sbem.com.br/enem2016/anais/pdf/6620_3153_ID.pdf

Maturana, H. (1993). Uma nova concepção de aprendizagem. Revista Dois Pontos, 2 (15), 28-35. Recuperado de https://philpapers.org/rec/MATUNC

Maturana, H. (2002). Emoções e linguagem na educação e na política. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Maturana, H. (2014). Cognição, ciência e vida cotidiana. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Maturana, H., & Varela, F. (2001). A árvore do conhecimento: as bases biológicas da compreensão humana. São Paulo: Palas Athena.

Maturana, H., & Verden-Zöller, G. (2004). Amar e brincar: fundamentos esquecidos do humano do patriarcado à democracia. São Paulo: Palas Athena.

Nóvoa, A. (2007). Desafios do trabalho do professor no mundo contemporâneo. São Paulo: Sinpro-SP.

Pizzato, M. C., & Moreira, M. A. (2011, novembro). A perspectiva epistemológica de Humberto Maturana e suas contribuições para a Didática das Ciências. In Anais do VII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências (pp. 1-13). Florianópolis. Recuperado de http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/viiienpec/resumos/R1320-1.pdf

Resolução CNE/CP nº 2/2015, de 1º de julho de 2015. (2015). Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Brasília, DF. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=121201-rcp002-15&category_slug=agosto-2019-pdf&Itemid=30192

Silva, A. L. S. (2013, julho). Expectativas sobre a formação de professores com habilidades em tecnologias em um curso de licenciatura. In Anais do XI Encontro Nacional de Educação Matemática (pp. 1-14). Curitiba. Recuperado de http://sbem.iuri0094.hospedagemdesites.ws/anais/XIENEM/pdf/2506_1605_ID.pdf

Silveira, D. S. (2017). Redes de conversação em uma cultura digital: um modo de pensar, agir e compreender o ensino de Matemática na educação superior (Tese de Doutorado em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde). Universidade Federal do Rio Grande – FURG, Rio Grande.

Silveira, D. S., Laurino, D. P., & Novello, T. P. (2017). Experiências do ensinar e do aprender matemática ao operar as tecnologias digitais na educação superior. Revista Eletrônica de Educação Matemática, 12 (2), 67-81. Recuperado de https://periodicos.ufsc.br/index.php/revemat/article/view/1981-1322.2017v12n2p67/36372

Tardif, M. (2007). Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes.

Tardif, M., & Lessard, C. (2005). O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Petrópolis: Vozes.

Vieira, E. R., & Costa, N. M.L. (2016, julho). Ensino de geometria com tecnologia digital: experiências possíveis em um processo formativo. In Anais do XII Encontro Nacional de Educação Matemática (pp. 1-12). São Paulo. Recuperado de http://www.sbem.com.br/enem2016/anais/pdf/5390_3374_ID.pdf

Downloads

Publicado

2020-08-28

Edição

Seção

Artigos