Objetos e processos: aspectos complementares na multiplicação de número inteiros negativos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1981-1322.2020.e70984

Palavras-chave:

Educação matemática, Complementaridade, Experimentos mentais

Resumo

Este texto é um pequeno extrato da pesquisa teórica em andamento cujo tema é: “A semiótica e os experimentos mentais no ensino e na aprendizagem em matemática”. Nosso objetivo é apresentar uma discussão sobre a distinção que pode ser feita entre processos e objetos no campo da matemática, respectivamente no seu ensino. Esta é uma pesquisa que buscou fundamentar, por meio de estudos em livros textos e artigos, a ideia de que possa existir uma ação no ensino de matemática, em especial, no ensino da multiplicação de números negativos, que transforma objetos em processos e vice-versa. Parte deste empreendimento foi desenvolvida por meio de experimentos mentais que são formas que o sujeito tem de colocar seus próprios pensamentos como objeto de consideração, por meio de uma representação, ancorados na dinâmica do raciocínio diagramático e aportados num sistema de representação consistente. 

Biografia do Autor

Willian José da Cruz, Professor da Universidade Federal de Juiz de Fora. Departamento de Matemática

Professor adjunto da Universidade Federal de Juiz de Fora, atuo no programa de pós-graduação em Educação Matemática na mesma instituição. Sou doutor em Educação Matemática pela UNIAN e mestre em Educação Matemática pela UFJF.

Referências

Costa. N. C. A. (2008) Introdução aos fundamentos da matemática. São Paulo:Hucitec.

Cruz, W. J. (2018). Experimentos Mentais na Educação Matemática: uma analogia com provas matemáticas formais. Curitiba: Appris.

Cruz, W. J. (2019). O raciocínio diagramático e os experimentos mentais numa perspectiva semiótica. Brasília: Educação Matemática em Revista, v. 24, n. 62, p. 6-28.

D’ Ambrosio. (2008). Educação Matemática: da teoria a prática. Campinas-SP: Papirus. 16ª ed.

Einstein, A. Infeld, L. (1879 – 1955). A evolução da física. Trad: REBUÁ, Giasone. Rio de Janeiro (2008): Zahar.

Frege, J. G. (1884). Fundamentos da aritmética: Uma investigação lógico-matemática sobre o conceito de número. Traduzido do original alemão Die Grundlagen der Arithmetik — Eine logisch mathematische Untersuchung über den Begriff der Zahl, Breslau.

Freire, P. (2019). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra. 59ª ed.

Hersh, R. (1997). What is mathematics, really? Oxford: University Press, Inc.

Otte, M. (1991). Construtivismo e os objetos da Teoria Matemática. Rio Claro – SP: Bolema, v. 6, n. 7.

Peirce, C. S. (1979). CP = Collected Papers of Charles Sanders Peirce, Volumes I-VI, ed. by Charles Hartshorne and Paul Weiß, Cambridge, Mass. (Harvard UP) 1931-1935, Volumes VII-VIII, ed. by Arthur W. Burks, Cambridge, Mass. (Harvard UP) 1958 (quoted by no. of volume and paragraph). NEM = New Elements of Mathematics. Harvard UP.

Putnam, W. H. (1975). What is mathematical truth? Havard University: Historia Mathematica 2.

Silva, J. J. (2007). Filosofia Matemática. São Paulo: Editora UNESP.

Silva, M. R. (1972). A evolução do pensamento científico. São Paulo: HUCITEC.

Skovsmose, O. (2014). Um convite à educação matemática crítica. Campinas, SP: Papirus.

Downloads

Publicado

2020-07-21

Edição

Seção

Artigos