A possibilidade da constituição do ser matemático no agir comunicativo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1981-1322.2020.e71039

Palavras-chave:

Aula de matemática, Relações interpessoais, Agir comunicativo, Ser matemático

Resumo

Na forma de uma reflexão filosófica, nosso objetivo, neste artigo, é fazer um comparativo entre duas situações hipotéticas de uma aula de matemática, diante de um suposto problema de matemática proposto aos alunos. A primeira situação hipotética é a mais corriqueira e muito difundida entre nós; ela apresenta traços de uma aula tradicional, em que as soluções são dadas, predominantemente, pelo professor, o qual talvez desconsidere o trabalho matemático da maioria dos alunos. Uma herança de um modelo pedagógico que predominou no ensino da matemática durante muito tempo e que ainda assim apresenta alguns de seus traços. A segunda situação hipotética representa uma outra possibilidade, uma aula centrada no agir comunicativo onde os alunos interagem uns com os outros e, cooperativamente, buscam uma solução para um problema; situação oposta à primeira, em que os atos de fala não são mais predominantemente os do professor, passando a serem considerados todos os atores no entorno da comunicação; Portanto, um encontro distinto do tradicional em que os alunos adquirem a possibilidade de se constituírem em um ser matemático, uns para os outros, alunos para outros alunos, alunos para o seu professor. As duas situações comparadas neste texto, embora de maneira hipotética, idealizada, exemplificativa, refletem distintas representações de nosso fazer pedagógico e permitem uma reflexão sobre nossas relações interpessoais estabelecidas. Estamos de acordo com a segunda situação, pois entendemos que a constituição do ser matemático adquire grande possibilidade se aproximada do agir comunicativo.

Biografia do Autor

Fernando Siqueira da Silva, Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA)

Doutorando em Educação em Ciências (Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA). Mestre em Educação (Universidade de Caxias do Sul - UCS). Licenciado em Matemática (Universidade de Caxias do Sul - UCS).

E-mail: fernandosiqueiradasilva@gmail.com

Lattes: http://lattes.cnpq.br/9038722474686103

ORCID: https://orcid.org/0000-0003-2634-2247

Gabriel Sausen Feil, Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA)

Professor Associado da Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA), atuando no Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Indústria Criativa (PPGCIC) e no Curso de Comunicação Social - Publicidade e Propaganda.

E-mail: gabriel.sausen.feil@gmail.com

Lattes: http://lattes.cnpq.br/9538837034658614

ORCID:  https://orcid.org/0000-0003-3546-6874

Referências

Aragão, L. M. C. (1997). Razão comunicativa e teoria social crítica em Jürgen Habermas. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.

Bannell, R. I. (2006). Habermas & a Educação. Coleção Pensadores & a Educação. Belo Horizonte: Autentica.

Brasil. Ministério da Educação. (1998). Parâmetros curriculares nacionais: matemática. Brasília, DF. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/introducao.pdf

Chevallard, Y., Bosch, M. & Gascón, J. (2001). Estudar Matemáticas: O elo perdido entre o ensino e a aprendizagem. Porto Alegre: Artmed.

Chevallard, Y. (2005). La transposición didática: Del Saber Sábio Al Saber Enseñado. Buenos Aires: Aique.

Devlin, K. (2006). O gene da matemática. Rio de Janeiro: Record.

Echeverría, M. D. P. P. (1998). A solução de problemas em matemática. In: J. I. Pozo. (org). A solução de problemas: aprender a resolver, resolver para aprender. (pp.44-65). Porto Alegre: Artemed.

Habermas, J. (1988). La lógica de las Ciencias sociales. Madrid: Tecnos.

Habermas, J. (1990a). O discurso filosófico da modernidade. Lisboa: Dom Quixote.

Habermas, J. (1990b). Pensamento pós-metafísico: estudos filosóficos. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.

Houaiss, A. & Villar, M. S. (2009). Dicionário Houaiss de Língua Portuguesa. Elaborado pelo Instituto Antônio Houaiss de Lexicografia e Banco de Dados da Língua Portuguesa S/C Ltda. Rio de Janeiro: Objetiva.

Knijnik, G. (1996). Exclusão e Resistência: Educação Matemática e Legitimidade Cultural. Porto Alegre: Artes Médicas.

Macedo, E. F. (1993). Pensando a escola e o currículo à luz da teoria de J. Habermas. Em Aberto. Recuperado de http://rbepold.inep.gov.br/index.php/emaberto/article/view/1889

Pinent, C. E. C. (2000). O descrédito da razão universal: alternativa de Habermas. Caxias do Sul: EDUCS.

Pinent, C. E. C. (2004). Sobre os mundos de Habermas e sua ação comunicativa. Revista da ADPPUCRS. Recuperado de https://www.yumpu.com/pt/document/read/14784730/sobre-os-mundos-de-habermas-e-sua-acao-comunicativa

Polya, G. (1978). A arte de resolver problemas. Rio de Janeiro: Interciência.

Saviani, D. (2008). Educação e democracia: teorias da educação, curvatura da vara, onze tese sobre educação política. São Paulo: Editores Associados.

Silva, V. E. V. (2005). O pensamento lógico-matemático, 30 anos após o debate entre Piaget e Chomsky. Anped. Recuperado de http://www.ufrrj.br/emanped/paginas/conteudo_producoes/docs_28/pensamento.pdf

Simão, L. M. (2000). Desequilíbrio e co-regulação em situação de ensino-aprendizagem: Analise segundo conceito de ação comunicativa. Psicologia: Reflexão e Crítica. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-79722000000100005&script=sci_abstract&tlng=pt

Downloads

Publicado

2020-08-28

Edição

Seção

Artigos