Os primeiros anos de docência do professor de matemática

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1981-1322.2020.e73218

Palavras-chave:

Formação do professor de matemática, Início de carreira, Dificuldades

Resumo

Este artigo resulta de uma pesquisa de mestrado e tem como objetivo identificar as principais dificuldades vivenciadas por professores de matemática nos anos inicias da carreira docente. Realizamos a investigação mediante abordagem qualitativa. Para a coleta dos dados utilizamos a entrevista semiestruturada realizada com 6 professores de matemática de três escolas públicas, que vivenciam os três primeiros anos de profissão. Os dados obtidos possibilitam fazer reflexões sobre as questões que caracterizam as principais dificuldades enfrentadas pelo professor de matemática em início de carreira. Entre as dificuldades mais recorrentes estão o aspecto formal da (in)disciplina na sala de aula, a relação com os demais professores e com a gestão da escola e a surpresa com a realidade escolar encontrada, uma vez que a escola idealizada é bastante distinta da realidade encontrada.

Biografia do Autor

Daiana Estrela Ferreira Barbosa, UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA

Possui Licenciatura Plena em Matemática pela Universidade Estadual da Paraíba (2012) e Mestrado em Ensino de Ciências e Educação Matemática pela Universidade Estadual da Paraíba (2018). Tem experiência na área de Matemática, com ênfase em Educação Matemática, atuando principalmente nos seguintes temas: Ensino de Matemática e Formação de Professor. Link para currículo lattes:  http://lattes.cnpq.br/8533267292498956

Pedro Lucio Barboza, Universidade Estadual da Paraíba

Possui graduação em Licenciatura Plena em Matemática pela Universidade Estadual da Paraíba (1978), Especialização em Metodologia das Ciências Pela UEPB (1994), Mestrado em Educação pela Universidade Federal da Paraíba (1995) e Doutorado em Ensino, Filosofia e História das Ciências pela UFBA (2011). Professor concursado da UEPB, atualmente é professor Associado D. Pesquisa principalmente os seguintes temas: discurso do professor, linguagem, interações discursivas e aprendizagem na sala de aula de matemática. Tem experiência em formação de professores e gestão escolar. Link para currículo lattes: http://lattes.cnpq.br/1399033210518957

Referências

Alves, M. A.; & Tatsch, K. J. S. (2017). Epistemologia, história e ensino da matemática: reflexões sobre formação e aprendizagem significativa. Rencima, v.8, n.3, p.78-93. Recuperado de: http://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/index.php/rencima/article/view/1258/897

Albuquerque, L. C.; & Gontijo, C. H. (2013). A complexidade da formação do professor de matemática e suas implicações para a prática docente. Espaço Pedagógico, v. 20, n. 1, Passo Fundo, p. 76-87, jan./jun. Recuperado de: https://repositorio.unb.br/bitstream/10482/14022/1/ARTIGO_ComplexidadeForma%c3%a7%c3%a3oProfessor.pdf

Barbosa, D. E. F.; Barboza, P. L. (2019). A formação do professor de matemática: buscando caminhos para superar as dificuldades no início da carreira. Research, Society and Development, v. 8, n. 3. DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v8i3.794

Ciríaco, K. T.; Morelatti, M. R. M.; & Ponte, J. P. (2016). Professoras iniciantes em grupo colaborativo: contributos da reflexão ao ensino de geometria. Zetetiké, Campinas, SP, v.24, n. 2, maio/ago. p. 249-268. Recuperado de: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8646521/13421

Colombo Júnior, P. D. (2009, novembro). Professor em início de carreira: crenças e conflitos. In Anais do VII Enpec – Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Recuperado de: http://posgrad.fae.ufmg.br/posgrad/viienpec/pdfs/207.pdf

Clareto, S. M.; & Silva, A. A. (2016). Quanto de Inusitado Guarda uma Sala de Aula de Matemática? Aprendizagens e erro. Bolema, Rio Claro (SP), v. 30, n. 56, p. 926 – 938. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1980-4415v30n56a04

Crescenti, E. P. (2008). A formação inicial do professor de matemática: aprendizagem da geometria e atuação docente. Práxis Educativa, Ponta Grossa, PR, v. 3, n. 1, p. 81 – 94. Recuperado de: https://www.revistas2.uepg.br/index.php/praxiseducativa/article/view/345/354

Carvalho, M. P.; & Pietropaolo, R. C. (2017). Primeiras atuações dos futuros professores de matemática – expectativa dos estudantes. RPEM, Campo Mourão (PR), v. 6, nº 11, p. 46-75. Recuperado de: http://www.fecilcam.br/revista/index.php/rpem/article/viewFile/1487/pdf_223

Fiorentini, D.; & Crecci, V. (2013). Desenvolvimento profissional docente: um termo guarda--chuva ou um novo sentido à formação? Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação de Professores, v. 5, nº 8, p. 11-23. Recuperado de: https://revformacaodocente.com.br/index.php/rbpfp/article/view/74/64

Fiorentini, D.; & Lorenzato, S. (2012). Investigação em educação matemática: percursos teóricos e metodológicos. 3ª ed. Campinas (SP): Autores Associados.

Fontana, R. C. (2000). Trabalho e subjetividade. Nos rituais da iniciação, a constituição de ser professora. Cadernos Cedes, vol. 20, n. 50. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-32622000000100008

Gatti, B. A.; & Barreto, E. S. de S. (2009). Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília: UNESCO.

Huberman, M. (1995). O ciclo de vida profissional dos professores. In: Nóvoa, A. (Org.). Vidas de professores. (pp. 33-61). Porto: Porto Editora.

Hermann, W.; Passos, M. M.; Silva, E. S.; & Arruda, S. M. (2016). As percepções de estudantes de uma licenciatura em matemática a respeito dos processos formativos vivenciados durante o curso. Revista Paranaense de Educação Matemática, Campo Mourão (PR), v. 5, nº 8, p. 237-256. Recuperado de: http://www.fecilcam.br/revista/index.php/rpem/article/viewFile/1233/pdf_173

Lima, A. L.; & Belmar, C. C. (2016, julho). Dificuldades apresentadas por professores de matemática em início de carreira: um estudo exploratório. In Anais do X Encontro Nacional de Educação Matemática – ENEM, São Paulo – SP. Recuperado de: http://www.sbem.com.br/enem2016/anais/pdf/4582_2860_ID.pdf

Lüdke, M.; & André, M. E. D. A. (1986). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU.

Morin, E. (2002). Os sete saberes necessários à educação do futuro. 6ª ed. São Paulo: Cortez.

Oliveira, H. M. A. P. (2004). Construção da identidade profissional de professores de matemática em início de carreira. (Tese de Doutorado em Educação) – Universidade de Lisboa, Lisboa.

Pereira, C. C. M. (2015). O início de carreira de duas professoras dos anos iniciais do ensino fundamental e o ensino de matemática. RPEM, Campo Mourão (PR), v. 4, n. 6, p. 177-198. Recuperado de: http://www.fecilcam.br/revista/index.php/rpem/article/viewFile/938/pdf_115

Perin, A. P. (2011). Vivências de professores de matemática em início de carreira. Educ. Matem. Pesq., São Paulo, v.13, n.2, pp.243-251. Recuperado de: https://revistas.pucsp.br/emp/article/viewFile/5316/4976

Proença, M. C. (2019). Análise da compreensão sobre formação de professores desenvolvida por pós-graduandos da área de ensino de matemática. EM TEIA – Revista de Educação Matemática e Tecnológica Iberoamericana, vol. 10, nº 2. Recuperado de: https://periodicos.ufpe.br/revistas/emteia/article/view/239529/pdf

Pires, C. M. C.; & Berenger, M. (2009). O fenômeno do mal estar do professor de matemática. REVEMAT - Revista Eletrônica de Educação Matemática. V4.7, p.78-89. Recuperado de: http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/2010/artigos_teses/2010/Matematica/artigo_pires_beranger.pdf

Paganini, E. L. (2012, julho). Superando (in)seguranças no início de carreira docente. In Anais do IX ANPED SUL – Seminário de Pesquisa em Educação da região Sul. Recuperado de: http://www.ucs.br/etc/conferencias/index.php/anpedsul/9anpedsul/paper/viewFile/208/487

Santos B.S.; Stobaüs, C. D.; & Mosquera J. J. M. (2007). Processos Motivacionais em Contextos Educativos. Educação, Porto Alegre: PUCRS, n. especial, p.297-306. Recuperado de: https://www.researchgate.net/publication/277214015_Processos_motivacionais_em_contextos_educativos

Santos, L. C.; Costa, D. E.; & Gonçalves, T. O. (2017). Uma reflexão acerca dos conhecimentos e saberes necessários para a formação inicial do professor de matemática. Educ. Matem. Pesq., São Paulo, v.19, n.2, 265-290. DOI: https://doi.org/10.23925/1983-3156.2017v19i2p265-290

Tardif, M. (2002). Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis (RJ): Editora Vozes.

Vasconcelos, C. S. (2003). Para onde vai o professor? Resgate do professor como sujeito de transformação. 10.ed. São Paulo: Libertad.

Downloads

Publicado

2020-07-21

Edição

Seção

Artigos