Prática como componente curricular na licenciatura em matemática de Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1981-1322.2020.e73287

Palavras-chave:

Prática como componente curricular, Licenciatura em matemática, Formação de professores

Resumo

 

Este estudo teve o objetivo de compreender a interpretação dada à Prática como Componente Curricular (PCC) por professores da Licenciatura em Matemática de Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia (IF) e por professores iniciantes exercendo a docência na região Sudeste do Brasil. A relevância da pesquisa reside na necessidade de compreender as diversas interpretações que têm despontado em relação às 400 horas de Prática como Componente Curricular estabelecidas nas Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) para a formação de professores. O referencial teórico em que nos embasamos teve como foco as concepções para a formação de professores de Cochran-Smith e Lytle. Com uma abordagem qualitativa de pesquisa, realizamos entrevistas no segundo semestre de 2018 com 12 professores, nove formadores do IF e três professores iniciantes, egressos da Licenciatura em Matemática destes institutos. Para a análise dos dados, utilizamos os pressupostos da análise de conteúdo de Bardin. Nos resultados da pesquisa salientamos que a interpretação da Prática como Componente Curricular dos sujeitos entrevistados se direcionou para as perspectivas de conhecimento para a prática, conhecimento na prática, conhecimento da prática e prática como instrumentalização técnica.

Biografia do Autor

Lucas Diego Antunes Barbosa, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Norte de Minas Gerais

Professsor do do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Norte de Minas Gerais-Campus Salinas. Doutor em Educação Matemática pela PUC-SP.

link do lates:

http://lattes.cnpq.br/3551290663100630

Barbara Lutaif Bianchini, PUC-SP

Professora do programa de Estudos pós-graduados em Educação Matemática

link lates: http://lattes.cnpq.br/2660310999149810

Referências

Ball, D. L.; Forzani, F. M. (2009). The Work of Teaching and the Challenge for Teacher Education. Journal of Teacher Education, v. 60, n. 5, p. 497-511.

Ball, D. L.; Thames, M. H.; Phelps, G.(2004). Content Knowledge for Teaching: What Makes It Special? Journal of Teacher Education, v. 59, n. 5, p. 389-497.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. (2004). Lisboa: Edições 70.

Bogdan, R. & Biklen, S. (1994). Investigação qualitativa em educação. Tradução Maria João Alvarez, Sara Bahia dos Santos e Telmo Mourinho Baptista. Porto: Porto Editora.

Borini, R. B. M. C. (2017). A Prática como Componente Curricular em um curso de licenciatura em Matemática da UTFPR: uma análise na perspectiva da teoria da atividade. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e em Matemática) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Brasil. Resolução CNE/CP 1/2002. 2002.(2017). Disponível em: portal.mec.gov.br. Acesso em: 15 jun.

Campos, M. Z. (2006). A Prática nos cursos de Licenciatura: reestruturação curricular da formação inicial. Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Cochran-Smith, M. & Lytle, S. L. (1999). Relationships of knowledge of practice: teacher learning in communities. Review of Research in Education, n. 24, p. 249-305.

Figueiredo, S. A. de. (2015). Formação inicial de professores e a integração da Prática como componente curricular na disciplina de matemática elementar. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Programa de pós-graduação em Educação Matemática Universidade Anhanguera de São Paulo, São Paulo.

Gatti, B. A.; Nunes, M. M. R. (2009). Formação de professores para o ensino fundamental: estudo de currículos das licenciaturas em pedagogia, língua portuguesa, matemática e ciências biológicas. São Paulo: FCC/DPE.

Gatti, B. A. (2010). Formação de professores do Brasil: características e problemas. Revista Educação e Sociedade. Campinas, v. 31, n. 113, p. 1355-1379.

Gatti, B. A. et al. (2019). Professores do Brasil: novos cenários de formação. Brasília: UNESCO.

Ludke, M. & André. M. E.D.A. (1986) Pesquisa em Educação: Abordagens qualitativas. São Paulo: EPU.

Marcatto, F. S. F.(2012). A Prática como componente curricular em projetos pedagógicos de cursos de licenciatura em matemática. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Rio Claro.

Moraes, R. (1999). Análise de conteúdo. Revista Educação. Porto Alegre, v. 22, n. 37, p. 7-32.

Moreira, P. C. (2012). 3+1 (In) Variantes: Reflexões sobre as possibilidades de uma nova estrutura curricular na Licenciatura em Matemática. Bolema. Rio Claro (Sp), v. 26, n. 44, p.1137-1150, dez.

Neto, S. de S. & Silva, V. P. da. (2014). Prática como Componente Curricular: questões e reflexões. Revista Diálogo Educacional. Curitiba, v. 14, n. 43, p. 889-909, set./dez.

Nogueira, K. F. P. (2012). A Prática como Componente Curricular nos cursos de Licenciatura em Matemática: entendimentos e alternativas para sua incorporação e desenvolvimento. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande.

Pereira, P. S. (2005). A concepção de prática na visão dos licenciandos em Matemática. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Rio Claro.

Pimenta, S. G. & Lima, M. S. L. (2006). Estágio e Docência: diferentes concepções. Revista Poíesis -Volume 3, Números 3 e 4, pp.5-24.

Pimenta, S. G. (1995). O Estágio na formação de professores: unidade entre teoria e prática. Caderno pesquisa. São Paulo, n. 94, p.58-73, ago. 1995.

Roldão, M. do C. (2014). Currículo, didáticas e formação de professores: a triangulação esquecida? In: OLIVEIRA, M. R. (org.). Professor: formação, saberes e problemas. Porto: Porto.

Rocha, H. N. B. (2016). A Prática como Componente Curricular na formação inicial do professor de matemática: um olhar na perspectiva da legislação brasileira. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciência e Matemática) – Universidade Federal do Paraná, Paraná.

Sarro, L. C. de S. (2014). A Prática como componente curricular da licenciatura em matemática: sugestões de professores da Educação Básica. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Educação – Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba.

Silva, M. R. L. da. (2016). A Prática como Componente Curricular via Projeto Integrado de Prática Educativa (PIPE) no ensino de Estatística na universidade: implementação e implicações na formação inicial do professor de Matemática. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Unesp, Rio Claro, São Paulo.

Silva, M. R. L. (2011). Formação de professores nos IFETs: a política educacional e a literatura educacional recente. Disponível em: http://connepi.ifal.edu.br/ocs/anais/conteúdo/anais/files/conferences/1/schedConfs/1/papers/108/public/108-4536-1-PB.pdf. Acesso em: 23 mar. 2017.

Shulman, L. S. (1986). Those who understand: knowledge growth in teaching. Educational Researcher, v. 15, n. 2, p. 4-14.

Shulman, L. S. (1987). Knowledge and Teaching: Foundations of the New Reform. Havard educational review, v. 57, n. 1, p. 22.

Tardif, M. (2014). Saberes docentes e formação profissional. 17. ed. Petrópolis, RJ: Vozes.

Downloads

Publicado

2020-10-05

Edição

Seção

Artigos