Ambientes de aprendizagens versus aprendizagem significativa: uma análise de práticas desenvolvidas na formação de professores de matemática em Benguela-Angola

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1981-1322.2020.e73871

Palavras-chave:

Ambientes de aprendizagem, Aprendizagem significativa, Prática pedagógica, Orientador/supervisor

Resumo

Os ambientes de aprendizagem constituem contextos de interação entre o professor e alunos, e alunos entre si, quando adequadamente concebido pelo professor. O envolvimento dos alunos na realização das tarefas marca a essência dos ambientes de aprendizagem, animado pelo diálogo, mediado pelo professor, que procura explorar e desenvolver as capacidades dos alunos para conjecturar, argumentar, concluir, validar, avaliar, a partir dos quais constrói e assimila novos significados, tornando a aprendizagem consciente e significativa. No entanto, a sua criação depende do modo como o professor os concebe, podendo favorecer ou desfavorecer o desenvolvimento da aprendizagem significativa. No entanto, a ação do professor em sala de aula pode ser o reflexo das aprendizagens decorrentes da formação, no qual, as experiências do formador, sobretudo na fase de práticas influenciam as práticas profissionais dos futuros professores. Assim, olhando para a formação de professores de Matemática, sobretudo, na fase da prática pedagógica, se formula a seguinte questão: as experiências transmitidas aos futuros professores na realização da prática pedagógica, asseguram a implementação pelos futuros profissionais de ações que promovam a aprendizagem significativa nos seus alunos? Pretende-se perceber se as práticas formativas desenvolvidas propiciam o desenvolvimento da aprendizagem significativa e se podem constituir experiências para os futuros professores na realização da atividade profissional. O estudo seguiu a abordagem qualitativa de natureza descritiva e interpretativa, cujos resultados mostram o desenvolvimento de um ensino centrado na memorização, enquadrado no modelo tradicional de ensino e aprendizagem, em detrimento da aprendizagem significativa.

Biografia do Autor

Alberto Domingos Jacinto Quitembo, Instituto Superior de Ciências de Educação (ISCED) da Universidade Katyavala Bwila (UKB) em Benguela

Alberto Domingos Jacinto Quitembo, Doutorado em Ciências de Educação opção Didáctica da Matemática, docente do Departamento de Ciências Exactas do Instituto Superior de Ciências de Educação da Universidade Katyavala Bwila em Benguela.

Área de interesse: Formação de professores, prática pedagógica, didáctica da matemática

 

Referências

Alarcão, I. (1994). Ser professor reflexivo. In I. Alarcão (Org). Formação reflexiva de professores. Estratégias de supervisão, (pp. 171-189). Porto: Porto Editora.

Alarcão, I (1989). Para uma revalorização da didáctica. Aprender, 7, 5-8

Alarcão, I e Roldão, M. C. (2008). Supervisão. Um contexto de desenvolvimento profissional dos professores. Portugal: Edições Pedago.

APM (1988). Renovação do Currículo de Matemática. Lisboa: APM

Ausubel, D. P. (1982). A aprendizagem significativa: a teoria de David Ausubel. São Paulo: Moraes.

Bogdan, R. & Biklen, S. (1994). Investigação Qualitativa em Educação. Uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora

Hewson, P. W. (2001). Ensino para mudança conceptual. In: Revista de Educação, Vol. X, nº 2. Departamento de educação da FCUL. Lisboa

Ferreira, J. S. e Valente, W. R (2020). Miguel Aguayo e as mudanças no saber profissional do professor que ensina aritmética. REVEMAT, v.15, (p. 01-18). https://doi.org/10.5007/1981-1322.2020.e66753

Libâneo, J. C. (1998). Organização e Gestão das Escolas - Teoria e Prática. Goiânia: Alternativa.

Klausen, L. S. (2003). Aprendizagem significativa: Um desafio. Disponível em: https://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf. Acesso em 20 de Março 2019.

Mendes, F., Santarosa, M. C. P. e Camargo, M. (2020). Proposta de uma unidade de ensino potencialmente significativa sobre a teoria de conjuntos. REVEMAT, v. 15 (n. 1) p. 01-23. doi.org/10.5007/1981-1322.2020.e66040

Moreira, M. A. (2010) O que é afinal aprendizagem significativa? Recuperado de http://moreira.if.ufrgs.br/oqueeafinal.pdf

Moreira, M. A. (2006). A teoria da aprendizagem significativa e sua implementação em sala de aula. Brasília: Editora Universidade de Brasília

Moreira, M. A. (2012). Unidades de Ensino Potencialmente Significativas – UEPS. Textos de Apoio ao Professor de Física. Recuperado de: http://www.if.ufrgs.br/public/tapf/moreira_v23_n2.pdf

NCTM (1884). Normas profissionais para o ensino da Matemática. Lisboa: APM e IIE (Original em inglês, publicado em 1989)

Oliveira, A. S. (2002). Formação de professores e criatividade. Amazónida, nº 2, (1), (pp. 109 – 121)

Paula, G. M. C. & Bida, G. L. (2008). A importância da aprendizagem significativa. Recuperado de http//diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/1779-8.pdf

Ponte, J. P.; Januário, C.; Ferreira, I. C. & Cruz, I (2000). Por uma formação inicial de professores de qualidade. Recuperado de: www.meioclique.com/CRUP/Documentos%20PDF/forminicalqualidade.pff

Ponte, J. P. (1994). Apresentação. In Normas profissionais para o ensino da Matemática. Lisboa: APM e IIE

Ponte, J. P. (1994a). O desenvolvimento profissional do professor de Matemática. Revista Educação e Matemática, nº 31. (pp 9 – 12). APM

Ponte, J. P.(1986). Investigação, dinamização pedagógica e formação de professores: três tarefas para a renovação da Educação Matemática. In: Actas do Profmat86. pp 15-45. Portalegre.

Ponte, J. P., Boavida, A. M., Graça, M. & Abrantes, P. (1997). Didáctica da Matemática. Ministério da Educação: Departamento do ensino secundário. Lisboa, 2ª Edição

Ponte, J. P. (1999). Didácticas específicas e construção do conhecimento profissional. In Acta do IV Congresso da SPCE. Investigar e formar em educação. pp 59-72. Porto: SPCE

Precatado, A., Lopes, A.V., Baeta, A., Loureiro, C., Ferreira, E., Guimarães, H.M.,…, & Abrantes, P. (1998). Matemática 2001 – Recomendações para o Ensino e Aprendizagem da Matemática. Lisboa: APM & IIE

Quitembo, A. D. J. (2010). A formação de professores de Matemática no Instituto Superior de Ciências de Educação em Benguela – Angola. Um estudo sobre o seu desenvolvimento. Lisboa: APM. Colecção Teses.

Rogers, C. R. (2001). Tornar-se pessoa. 5. Ed São Paulo: Martins

Santos, J. C. F. (2008). Aprendizagem Significativa: modalidades de aprendizagem e o papel do professor. Porto Alegre: Mediação.

Serrazina, L. (2002). A formação para o ensino da Matemática na educação pré - escolar e no 1º ciclo do ensino básico. Porto: Porto Editora

Vale, M. I. P. (2000). Didáctica da Matemática e formação inicial de professores num contexto de resolução de problemas e de Materiais manipuláveis. Lisboa: APM

Valente, W. R. (2017). Os saberes para ensinar matemática e a profissionalização do educador matemático. Revista Diálogo Educacional, v.17,(51), pp. 207-222.

Downloads

Publicado

2020-07-21

Edição

Seção

Artigos