As clássicas escolas filosóficas da matemática e o processo de ensinar: olhares de professores em formação continuada

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1981-1322.2020.e73723

Palavras-chave:

Escolas filosóficas de matemática, Formação docente, Práticas de ensino da matemática

Resumo

A complexidade das atividades de ensino e aprendizagem, de qualquer que seja a área do conhecimento, exige que se tenha um mínimo de clareza a respeito do objeto de estudo, para que se busque formas compatíveis de ensinar com o conceito que se tem desse objeto, e que conduzam aos objetivos pedagógicos estabelecidos, contribuindo à aprendizagem desejada. É, portanto, pertinente para o ensino de Matemática uma reflexão sobre seus fundamentos e sua trajetória histórica, visto que essa concepção traz reflexos importantes à maneira de ensiná-la. Apesar de essencial, essa reflexão pode não ser trivial ao professorado. Este artigo se dedica a expor olhares de professores em formação continuada sobre a pertinência deste tema à formação docente, com base nos dados obtidos com a realização de um seminário sobre as escolas filosóficas da Matemática à luz da revisão bibliográfica sobre suas principais características e reflexos no processo de ensinar.

Biografia do Autor

Vanessa Lucena Camargo de Almeida Klaus, Universidade Estadual do Oeste do Paraná.

Doutoranda do Programa de Pós Graduação em Educação em Ciências e Educação Matemática na Universidade Estadual do Oeste do Paraná, campus de Cascavel - Pr.

Marcia Regina Kaminski, Universidade do Oeste do Paraná - Unioeste

Doutoranda do Programa de Pós Graduação em Educação em Ciências e Educação Matemática na Universidade Estadual do Oeste do Paraná, campus de Cascavel - Pr.

Victor Hugo Ricco Bone Antunes, Universidade do Oeste do Paraná - Unioeste

Mestrando do Programa de Pós Graduação em Educação em Ciências e Educação Matemática na Universidade Estadual do Oeste do Paraná, campus de Cascavel - Pr.

Clodis Boscarioli, Universidade do Oeste do Paraná - Unioeste

Doutor em Engenharia Elétrica. Orientador no Programa de Pós Graduação em Educação em Ciências e Educação Matemática na Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, Brasil

Tiago Emanuel Klüber, Universidade do Oeste do Paraná - Unioeste

Doutor em Educação Cientifica e Tecnológica. Coordenador e orientador no Programa de Pós Graduação em Educação em Ciências e Educação Matemática na Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, Brasil

Referências

Ávila, G. (2000). Cantor e a teoria de Conjuntos. Revista do Professor de Matemática, n. 43, pp. 6-14. Recuperado de https://bit.ly/2XKo285.

Beyer K., W. O. (2001). Algunos aspectos epistemológicos de la Matemática: Es la matemática um linguage? Educere, Venezuela, v. 5, n. 14, pp. 236-240, jul.-set.

Bianconi, R. (2006). Lógicas construtivas: Intuicionismo, uma introdução. (Desenvolvimento de material didático ou instrucional – Apostila). Recuperado de https://bit.ly/2JkuCca.

Brand, J., Brooker, J., & Versvik, M. (2013). Kahoot. Recuperado de https://kahoot.com/welcomeback/.

Chateaubriand, O. (2007). Lógica e conhecimento. Analytica, Rio de Janeiro, v. 2, n. 1, pp. 1-40.

Eleutério, L. F. (2014, novembro). Aulas de Matemática: que filosofia? In Anais do VIII EBPEM (pp. 1-10, n. 2), Campina Grande: UEPB. Recuperado de https://bit.ly/2FNgqaN.

Filatro, A., & Cairo, S. (2015). Produção de Conteúdos Educacionais: Design instrucional, tecnologia, gestão, educação e comunicação. São Paulo: Saraiva.

Ferreirós, J. (2002). O surgimento da abordagem conjuntista em matemática. Revista Brasileira de História da Matemática, v. 2, n. 4, pp. 141-154, out. Recuperado de https://bit.ly/398K1sH.

Lannes, W. (2009). A incompletude além da matemática: impactos culturais do teorema de Gödel no Século XX (Tese de Doutorado em História). Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Belo Horizonte. Recuperado de https://bit.ly/3h2rKA2.

Loureiro, D. Z., & Klüber, T. E. (2015, março). As escolas do Formalismo, Logicismo e Intuicionismo: Um olhar para o Ensino de Matemática. In Anais do XIV CIAEM-IACME, Chiapas, México. Recuperado de https://bit.ly/2YnZgbb.

Marques, J. O. A. (1992). Waismman, Ramsey, Wittgenstein e o axioma da redutibilidade. Cadernos de História e Filosofia da Ciência. Campinas, v. 2, n. 1, pp. 5-48, jun. Recuperado de https://bit.ly/2ZFrCAo.

Mondini, F. (2008). O Logicismo, o Formalismo e o Intuicionismo e seus Diferentes Modos de Pensar a Matemática. In Anais do EBRAPEM, 2008, Rio Claro: PPGEM, pp. 1-10. Recuperado de https://bit.ly/2NffJ0c.

Mutti, G. S. L., Matioli, C. E. R., Peron, L. D. C., & Klüber, T. E. (2019). O logicismo, intuicionismo e formalismo nas licenciaturas em Matemática das universidades públicas paranaenses. Educação Matemática Pesquisa: Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação Matemática, v. 21, n. 2. Recuperado de https://bit.ly/3b9dZvX.

Silva, J. J. (2003). O segundo problema de Hilbert. Revista Brasileira de História da Matemática, v. 3, n. 5, pp. 29-37. Recuperado de https://bit.ly/2XfQ5Ib.

Silva, J. J. (2007). Filosofias da Matemática. São Paulo: UNESP, 2007. Recuperado de https://bit.ly/3fy4oBX.

Snapper, E. (1984). As três crises da Matemática: o logicismo, o intuicionismo, e o formalismo. Revista Humanidades, v. II, n. 8, pp. 85-93.

Downloads

Publicado

2020-10-20

Edição

Seção

Artigos