Avaliando o "PISA" Matemática

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1981-1322.2021.e76093

Palavras-chave:

Matemática no PISA, Educação Matemátic, PISA

Resumo

Este texto é movido por uma dupla intenção: analisar/problematizar o Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (PISA), proposto pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Partimos de uma perspectiva que o entende como um dispositivo implicado na constituição dos “grandes mapas e projetos” para uma certa configuração da educação brasileira. Cabe ressaltar que este artigo trata somente das habilidades matemáticas refletidas pelo PISA, bem como tece considerações sobre especificidades dessa linguagem no processo de avaliação citado, no qual imergem alunos de várias redes educacionais e com realidades distanciadas.A metodologia adotada se configura em uma pesquisa bibliográfica, realizada em  documentos oficiais e outros, relacionados ao tema abordado. Ao final, pretende-se indicar que o Pisa, embora busque colaborar com alguns aspectos do ensino de matemática, têm o poder de desconsiderar elementos específicos de uma cultura, descartando conhecimentos historicamente e culturalmente instituídos e seu desenvolvimento apresenta, ainda, uma falibilidade.

Biografia do Autor

Tarliz Liao, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Professor e pesquisador do DID/UNIRIO
Líder do GEPETEC/CNPQ

Marcelo Souza Motta, UTFPR INTEDUC UTFPR

Professor adjunto da UTFPR, coordenador da Especialização em Inovação e Tecnologias na Educação (INTEDUC) e membro do corpo docente do Programa de Pós-graduação em Formação Científica, Educacional e Tecnológica (PPGFCET)

Cláudia de Oliveira Fernandes, DID UNIRIO

Profª da graduação e pós-graduação em Educação da UNIRIOCoordenadora de Avaliação em Educação - LIPEAD/UNIRIO
Coordenadora do GEPAC/CNPq

Referências

Alyrio, R. D. (2009) Métodos e técnicas de pesquisa em administração. Volume único. - Rio de Janeiro: Fundação CECIERJ.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Ministério da Educação e Cultura. (2018). Pisa 2018 revela baixo desempenho escolar em leitura, matemática e ciências no Brasil. Recuperado de http://portal.inep.gov.br/artigo/-/asset_publisher/B4AQV9zFY7Bv/content/pisa-2018-revela-baixo-desempenho-escolar-em-leitura-matematica-e-ciencias-no-brasil/21206

BRASIL. (1997). Parâmetros curriculares Nacionais. Brasília: MEC/SEF.

Boccato, V. R. C. (2006); Metodologia da pesquisa bibliográfica na área odontológica e o artigo científico como forma de comunicação. Rev. Odontol. Univ. Cidade São Paulo, São Paulo, v. 18, 265-274.

Carvalho, J. M. Currículos, multidão e políticas de narratividades. (2013). In A.: Ferraço, & Carvalho (Orgs.), Currículos, pesquisas, conhecimentos e produção de subjetividades. (pp. 183-202). Petrópolis, RJ.

Costa, E. & Afonso, N. (2009). Os instrumentos de regulação baseados no conhecimento: o caso do programme for international student assessment (PISA). Educação & Sociedade. Campinas, v. 30, n. 109, 1037-1055.

Fernandes, C. de O. (2015). Uma breve análise das políticas de avaliação e sua relação coma organização escolar por ciclos: resultados de pesquisa. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, 17-33.

Foucault, M. (2000). História da sexualidade I: A vontade de saber. 13ª edição. V. II. Digital source.

Foucault, M.(2005). Em defesa da sociedade. São Paulo: Martins Fontes

Freitas, L. C. (2016). Três teses sobre as reformas empresariais da educação: perdendo a ingenuidade. Cad. Cedes, Campinas, v. 36, n. 99, 137-153.

Gallo, S. (2003). Deleuze & a educação. Autêntica.

Jakobi, A., & Martens, K. (2010). Introduction: the OECD as anactor in internationalpolitics. In A. Martens & Jakobi (Eds.). Mechanisms of OECD Governance: international incentives for nationalpolicy-making?. Oxford: Oxford University. (pp. 51-67)

Klein, R. (2011). Uma re-análise dos resultados do PISA: problemas de comparabilidade. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 19, n. 73, 717-742.

Liao, T. (2014). A elaboração e instituição do currículo mínimo de matemática no Rio de Janeiro (Tese de doutorado no Programa de Pós Graduação em Educação). Universidade Federal do Espírito Santo, Espírito Santo.

Ó, Jorge Ramos do. (2019) Fazer a Mão: Por uma escrita inventiva na universidade. Edição: Edições do Saguão. Wook.

OCDE - Organization for Economic Co-operation and Development. (2007). Sciences competencies for tomorrows world: PISA 2006. Paris: France

PISA: Programme for International Student Assessment - Programa Internacional de Avaliação de Alunos. Sítio eletrônico do Instituto Federal Fluminense. (2012). Recuperado de http://portal1.iff.edu.br/pesquisa-e-inovacao/escritorio-de-cooperacao-internacional/cursos-e-certificacoes/pisa-programa-internacional-de-avaliacao.pdf

Rodrigues, C. S. de L. & Fernandes, C. de O. (2017). Governança educacional global e a gênese dos testes das habilidades socioemocionais. Est. Aval. Educ., São Paulo, v. 28, n. 67, 214-235.

Senra, N. de C. (1996). Governamentalidade, a invenção política das estatísticas. Informare: Cadernos do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação. V. 2.

Senra, N. de C. (2005). O Saber e o Poder das Estatísticas: uma história das relações dos estaticistas com os estados nacionais e com as ciências. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE.

Simola, H. (2005).The Finnish miracle of PISA: historical and sociological remarks on teaching and teacher education.Comparative Education. Finland. v. 41, n. 4, 455–470.

Traversini, C. S. & Bello, S. E. L. (2010) Saber estatístico e sua curricularização para o governamento de todos e de cada um. Bolema - Boletim de Educação Matemática, Rio Claro, v. 24, 855-871.

Downloads

Publicado

2021-03-09

Edição

Seção

Artigos