O perfil das produções científicas da revemat: uma análise através das redes de coautoria

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1981-1322.2021.e76162

Palavras-chave:

Redes de Coautoria, Educação Matemática, Gephi, REVEMAT

Resumo

A análise de redes de coautoria tem sido amplamente utilizada para descrever as interações entre autores, as trocas de experiência, o fluxo de informações e a difusão de conhecimento sobre um determinado tema. Considerando a importância que a REVEMAT tem para o cenário das pesquisas que envolvem a matemática, tanto no âmbito nacional como no internacional, este artigo tem como objetivo fazer uma análise das produções publicadas nesta revista considerando a perspectiva das redes de coautoria. Para a realização desta pesquisa optou-se por um estudo exploratório de caráter qualitativo com dados coletados na REVEMAT (388 artigos e 629 autores). Como resultado, são apresentados os autores que mais contribuem nas publicações desta revista, os grupos de coautoria que mais se destacam nesta rede de colaboração, como também os temas mais discutidos nestas publicações e a conjuntura sobre a difusão de conhecimento proporcionada por este periódico.

Biografia do Autor

William de Souza Santos, Instituto Federal da Paraíba

Doutor em Modelagem Computacional de Sistemas Cognitivos.

Referências

Alejandro, V. A. O., & Norman, A. G. (2005). Manual introdutório à análise de redes sociais: medidas de centralidade. Universidade Autônoma Del Estado de México, Centro de Capacitacion y Evaluacion para El desarrollo Rural SC.

Alves, B. H., Pavanelli, M. A., & Oliveira, E. F. T. D. (2014). Rede de coautoria institucional em Ciência da Informação: uma comparação entre indicadores de rede e os conceitos CAPES. Em Questão, 73-87. Recuperado de https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/114937/ISSN18085245-2014-20-03-73-87.pdf?sequence=1

Brocardo, Joana; Da Ponte, João Pedro; Oliveira, Hélia. Investigações matemáticas na sala de aula. Autêntica Editora, 2003.

Bufrem, Leilah Santiago; Gabriel Junior, Rene Faustino; Sorribas, Tidra Viana. Redes sociais na pesquisa científica da área de ciência da informação. DataGramaZero-Revista de Informação, v. 12, n. 3, 2011. Disponível em: http://www.academia.edu/download/48605972/03.01.05_-_2011_-_DataGramaZero_v.12_n.3.pdf.

De Matos, Eloiza Aparecida Silva Ávila; De Souza, Rodrigo Diego. Os coletivos de pensamento na formação de professores de Biologia. Revista Espaço Pedagógico, v. 25, n. 2, p. 241-260, 2018. Recuperado de http://seer.upf.br/index.php/rep/article/view/8158

Dias, P. S. M., Mattos, A. C. G., & Cunha, L. (2010). Redes como espaços de interação: convergência de mídias e tecnologias na constituição de grupos de pesquisa. Encontro Nacional de Didática e Pratica de Ensino, 15, 1-12. Recuperado de http://www.ufjf.br/grupar/files/2011/05/REDES-COMO-ESPAÇO-DE-INTERAÇÃO-convergência-de-m%C3%ADdias-e-tecnologias-na-constituiçãode-grupos-de-pesquisa.pdf

Engel, T., & Tolfo, D. (2009). Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Fiorentini, Dario et al. Rumos da pesquisa brasileira em educação matemática: o caso da produção científica em cursos de pós-graduação. 1994. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/253750.

Fleck, L. Gênese e desenvolvimento de um fato científico. Belo Horizonte: Fabrefactum. 2010.

Glänzel, W.; Schubert, A. (2003). Analyzing scientific networks through co-authorship. Nordic Journal of Psychiatry, v. 57, n. 5, p. 393-394.

Gonçalves, V. (2011). Colaboração científica em rede: caracterização dos pesquisadores integrantes do grupo de elite para formação da área de ciência da informação do Brasil. 2011. Recuperado de http://acervodigital.ufpr.br/handle/1884/25552

Koseoglu, M. A. (2016). Growth and structure of authorship and co-authorship network in the strategic management realm: Evidence from the Strategic Management Journal. Business Research Quarterly. Ankara, p. 153-170. Recuperado de http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S2340943616300019

Lorenzetti, Leonir; Muenchen, Cristiane; Slongo, Iône Inês Pinsson. A epistemologia de Fleck como referência para a pesquisa em educação em ciências no Brasil. ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, v. 11, p. 1-9, 2017. Recuperado de http://abrapecnet.org.br/enpec/xi-enpec/anais/resumos/R0314-1.pdf

Minayo, M. C. D. S., Deslandes, S. F., Cruz Neto, O., & Gomes, R. (2001). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. In Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Recuperado de http://www.ufrgs.br/cursopgdr/downloadsSerie/derad005.pdf

Newman, M. E. (2004). Coauthorship networks and patterns of scientific collaboration. Proceedings of the national academy of sciences, 101(suppl 1), 5200-5205. Recuperado de https://www.pnas.org/content/pnas/101/suppl 1/5200.full.pdf

Olmeda-Gómez, C., Perianes-Rodríguez, A., & Ovalle-Perandones, M. A. (2008). Estructura de las redes de colaboración científica entre las universidades españolas. Recuperado de http://e-archivo.uc3m.es/bitstream/handle/10016/10053/estructura olmeda RSID 2008.pdf?sequence=1

Downloads

Publicado

2021-03-09

Edição

Seção

Artigos