Os estilos de pensamento dos referenciais em investigação-ação de dissertações e teses brasileiras sobre a formação inicial de professores de Matemática

Autores

  • Angélica Gasperi Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha (IFFar), Campus Santa Rosa, RS.
  • Rúbia Emmel Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha (IFFar) https://orcid.org/0000-0002-4701-8959

DOI:

https://doi.org/10.5007/1981-1322.2020.e84202

Resumo

Esta pesquisa teve o objetivo geral de: compreender as contribuições dos autores das pesquisas de dissertações e teses produzidas no país sobre a formação inicial ou continuada de professores de Matemática e a investigação-ação, na constituição de estilos e coletivos de pensamento que caracterizam a pesquisa do tema, presentes na base de dados analisada. Caracterizou-se pela abordagem qualitativa, teve como tipologia a pesquisa documental, na qual apresentou a análise de referenciais teóricos da investigação-ação identificados nas dissertações e teses brasileiras, disponíveis em meio eletrônico na Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações (BDTD) do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT). Delimitaram-se as buscas nos termos: formação de professores em Matemática e investigação-ação, e foram identificadas pesquisas nos anos de 2010 a 2020. A base de dados indicou um quantitativo de quarenta e duas pesquisas, que foram analisadas por meio da Análise de conteúdo. Assim, foi possível identificar 19 autores-referências, com destaque para a frequência da obra “Metodologia da Pesquisa-Ação” do autor Thiollent (1985), citado em 18/42 pesquisas analisadas. Deste modo, destaca-se a importância de seguir pesquisando e utilizando a investigação-ação para a realização de pesquisas na formação/constituição docente em Matemática.

Biografia do Autor

Rúbia Emmel, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha (IFFar)

Doutora em Educação nas Ciências (Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ) Professora de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico no Instituto Federal Farroupilha (IFFar), Campus Santa Rosa, Santa Rosa, Brasil/Professora colaboradora do quadro permanente no Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências, Mestrado (Universidade Federal Fronteira Sul - UFFS), Campus Cerro Largo, Cerro Largo, Brasil.

Referências

Araújo, M. C. P. de. et al. (2009) Enfoque CTS na pesquisa em educação em ciências: extensão e disseminação. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte, v. 9, (n. 3). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/3996

Barbier, R. (2007) A pesquisa-ação. Tradução: LucieDidio. Brasília: Plano. Série Pesquisa em Educação, v.1.

Bardin, L. (1977) Análise de conteúdo. Tradução: L. de A. Reto & A. Pinheiro. Lisboa: Edições 70.

Bertoni, D. (2007) Um estudo dos estilos de pensamento biológico sobre o fenômeno da vida. 2007, 183 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Contreras, J. D. (1994, abr.) La investigación en la acción. Cuadernos de Pedagogia. Madrid: Morata, v. 1, (n. 224), p. 7-31.

Emmel, R. (2011) “Estado da arte” e coletivos de pensamento da pesquisa sobre o livro didático no Brasil. 2011, 101 f. Dissertação (Mestrado em Educação nas Ciências). Ijuí: Unijuí.

Emmel, R., Pansera-de-Araujo, M. C. & Güllich, R. I. C. (2018) A prática de ensino na formação inicial de professores em ciências biológicas: investigação-formação-ação, currículo e livro didático da educação básica. Tecné, Episteme y Didaxis: ted (revista de la facultad de ciencia y tecnología), v. Especial, p. 1-10.

Emmel, R. & Pansera-de-Araújo, M. C. (2016) A investigação formação-ação na prática de ensino da licenciatura de ciências biológicas: uma reflexão sore a elaboração e desenvolvimento do currículo. Revista de Ensino de Biologia da Associação Brasileira de Ensino de Biologia (SBEnBio), Niterói, v. 9, p. 651-662.

Engel. I. (2000) G. Pesquisa-ação. Educar. Curitiba, n. 16, p. 181-191.

Fiorentini, D. (2010) Pesquisar práticas colaborativas ou pesquisar colaborativamente? In: Borba, M. de C. & Araújo, J. de L. (Org.) Pesquisa qualitativa em educação matemática. Belo Horizonte: Autêntica, p. 47-76.

Fiorentini, D. et al. (2002, dez.) Formação de professores que ensinam Matemática: um balanço de 25 anos da pesquisa brasileira. Educação em Revista, Belo Horizonte, (n. 36), p. 137-176.

Fiorentini, D. & Lorenzato, S. (2007) Investigação em educação matemática: percursos teóricos e metodológicos. Campinas: Autores Associados.

Fleck, L. (1986) La gênesis y desarrollo de um hecho científico. Tradução: Luis Meana. Madrid: Alianza Editorial.

Franco, M. A. S. (2005, set/dez) Pedagogia da pesquisa-ação. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, (n. 3), p. 483-502.

Gonçalves, F. P., Marques, C. A. & Delizoicov, D. (2007) O desenvolvimento profissional dos formadores de professores de química: contribuições epistemológicas. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte, v. 7, (n. 3). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/4033

Güllich, R. I. C. (2012) O livro didático, o professor e o ensino de ciências: um processo de investigação-formação-ação. 2012, 263 f. Tese (Doutorado em Educação nas Ciências). Ijuí: Unijuí.

Kreuz, K. K. & Leite, F. A. (2020) Recontextualização de discursos curriculares: um olhar a partir da epistemologia Fleckiana. Revista de estudios teóricos y epistemológicos en política educativa, Ponta Grossa, v. 5, p. 1-14. Recuperado de https://revistas2.uepg.br/index.php/retepe/issue/view/732

Leite, F. A. (2016) Desenvolvimento do coletivo de pensamento da área de ensino de ciências da natureza e suas tecnologias em processos de formação de professores. 2016. 203 f. Tese (Doutorado em Educação nas Ciências). Ijuí: Unijuí.

Lorenzetti, L. (2007) Educação ambiental e epistemologia em Fleck. In: 30ª Reunião anual da ANPED, 2007, Caxambu. Anais... Caxambu, p. 1-19. Recuperado de http://30reuniao.anped.org.br/trabalhos/GT22-2843--Int.pdf

Lüdke, M. & André, M. E. D. A. (2001) Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: Epu.

Lunardi, L. & Emmel, R. (2021) Os coletivos e os estilos de pensamento em pesquisas brasileiras sobre investigação-ação. Educar Mais. Pelotas, v. 5, (n. 2), p. 317- 331. Recuperado de https://periodicos.ifsul.edu.br/index.php/educarmais/article/view/2139

Muenchen, C. (2010) A disseminação dos três momentos pedagógicos: um estudo sobre práticas docentes na região de Santa Maria/RS. 2009, 137 f. Tese (Doutorado em Educação Científica e Tecnológica). Florianópolis: UFSC.

Nascimento, T. G. (2005, dez.) Contribuições da análise do discurso e da epistemologia de Fleck para a compreensão das divulgação científica e sua introdução em aulas de ciências. Ensaio: Pesquisa em educação em ciências. Belo Horizonte, v. 7, (n. 2), p. 141-153. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/ensaio/issue/view/521

Parreiras, M. M. M. (2006) Ludwik Fleck e a historiografia da ciência diagnóstico de um estilo de pensamento segundo as ciências da vida. 2006, 204 f. Dissertação (Mestrado em História). Belo Horizonte: UFMG.

Scheid, N. M. J. (2006) A contribuição da história da biologia na formação inicial de professores de Ciências Biológicas. 2006, 215 f. Tese (Doutorado em Educação Científica e Tecnológica). Florianópolis: UFSC.

Slongo, I. I. P. & Delizoicov, D. (2006) Um panorama da produção acadêmica em ensino de biologia desenvolvida em programas nacionais de pós-graduação. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v. 11, (n. 3), p. 323-341. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/issue/view/39

Thiollent, M. (1985) Metodologia da pesquisa-ação. 4. ed. São Paulo: Cortez: autores associados.

Tripp, D. (2005) Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, (n. 3), p. 443-446.

Downloads

Publicado

2022-03-30

Edição

Seção

Artigos