Irene vista de dentro, outra vez. Ou, sobre um aprendizer e um ensinar-traduzir [matemática]

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1981-1322.2022.e86726

Palavras-chave:

Índice de Massa Corporal, crianças, adolescentes, tendência secular, Body mass index, Children, Adolescents, Brazil

Resumo

Esse texto, de inspiração wittgensteiniana, intenta iluminar alguns aspectos conceituais de aprender e ensinar [matemática]. Sugere-se que o aprender está na ordem do dizer e que ensinar está na ordem do traduzir. Não se propõe qualquer teorização, apenas um convite a, pela linguagem, reconhecer que é possível assumir outros pontos de vista sobre a significação de tais conceitos.

Biografia do Autor

Rosilene Beatriz Machado, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

http://lattes.cnpq.br/4639064693464826

Referências

Arendt, H. A crise na educação. (2011). In: Arendt, H. Entre o passado e o futuro. São Paulo: Perspectiva.

Bello, S. E. L. (2010). Jogos de linguagem, práticas discursivas e produção de verdade: contribuições para a Educação (Matemática) contemporânea. São Paulo, Zetetiqué, v. 18, p. 545- 588.

Calvino, I. (2014). As cidades invisíveis. São Paulo: Companhia das letras.

Deleuze, G. (2006). Diferença e Repetição. 2a ed. Rio de Janeiro: Graal.

Gallo, S. (2012). As múltiplas dimensões do aprender. COEB: Congresso de Educação Básica - Aprendizagem e currículo. Florianópolis.

Gottschalk, C. M. (2014). Fundamentos filosóficos da matemática e seus reflexos no contexto escolar. International Studies on Law and Education, CEMOrOc-Feusp / IJI-Univ. do Porto.

Gottschalk, C. M. (2007). Uma concepção pragmática de ensino e aprendizagem. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.33, n.3, p. 459-470.

Lispector, C. (1998). Água viva. Rio de Janeiro: Rocco.

Lispector, C. (1998). Uma aprendizagem ou o livro dos prazeres. Rio de Janeiro: Rocco.

Machado, R. B.; Flores, C. R. (2018). Irene vista de dentro. Ou, das andanças erráticas de um professor-flanêur. EM TEIA - Revista de Educação Matemática e Tecnológica Ibero-americana, vol. 9, n. 2.

Masschelein, J.; Simons, M. (2015). Em defesa da escola: uma questão pública. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2 ed..

Miguel, A. (2014). Is the mathematics education a problem for the school or is the school a problem for the mathematics education? RIPEM, v.4, n.2.

Moreno, A. R. (2012). Introdução a uma epistemologia do uso. Caderno CRH, Salvador, v.25, n. spe 02, p. 73-95.

Moreno, A. R.(2005). Introdução a uma pragmática filosófica. Campinas: Editora da Unicamp.

Rancière, J. (2013). O mestre ignorante – Cinco lições sobre a emancipação intelectual. 3 ed.; Belo Horizonte: Autêntica Editora. -- (Coleção Educação: Experiência e Sentido).

Ricoeur, P. (2011). Sobre a tradução. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Silveira, M. R. A.; P. V.; Silva; Júnior, V. P. T. (2017). A filosofia da linguagem e suas implicações na prática docente: perspectivas wittgensteinianas para o ensino da matemática. PERSPECTIVA, Florianópolis, v. 35, n. 2, p. 462-480.

Silveira, M. R. A. (2014). Tradução de textos matemáticos para a linguagem natural em situações de ensino e aprendizagem. Educ. Matem. Pesq., São Paulo, v.16, n.1, pp. 47-73.

Silva, P. V.; M. R. A., Silveira. (2013). Matemáticas ou diferentes usos da matemática? Reflexões a partir da filosofia de Wittgenstein. Acta Scientiarum, Maringá́, v. 35, n. 1, p. 125-132.

Skliar, C. (2014). Desobedecer a linguagem: educar. 1 ed.; Belo Horizonte: Autêntica Editora. -- (Coleção Educação: Experiência e Sentido).

Wittgenstein, L. (2014). Investigações filosóficas. 9. ed. Petrópolis, RJ: Vozes; Bragança Paulista, SP: Ed. Universitária São Francisco.

Wittgenstein, L. (1998). Remarks on the Foundations of Mathematics (RFM). Oxford: Blackwell.

Downloads

Publicado

2022-04-01

Edição

Seção

Artigos