As dificuldades de traduzir para teatro: o prólogo das Eumênides de Ésquilo

Ana Ribeiro Grossi Araújo, Maria Clara Xavier Leandro, Tereza Virgínia Ribeiro Barbosa

Resumo


Neste artigo, descrevemos o processo de pesquisa que culminou na tradução do prólogo das Eumênides, de Ésquilo. Em nossa pesquisa, refletimos sobre a viabilidade de encenação de textos teatrais gregos antigos na atualidade, partindo de uma discussão sobre a teatralidade nas traduções preexistentes desses textos. Com base num estudo de teoria da tradução, identificamos alguns problemas nas traduções e debruçamo-nos sobre o prólogo das Eumênides, de Ésquilo, almejando alcançar uma tradução apta à encenação. Nessa busca, tivemos que refletir também sobre um caminho que nos levasse ao nosso objetivo: essa tradução do prólogo das Eumênides. Esse caminho se deu pela associação de teorias da criação de texto traduzido com métodos próprios da criação teatral, o que gerou uma prática de tradução com particularidades que discutimos neste trabalho.

Palavras-chave


Teatro grego; Tradução; Tradução poética; Eumênides; Ésquilo

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5007/%25x



Cadernos de Tradução, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 2175-7968.