Um curioso às voltas com uma curiosidade historiográfica

Denise Bottmann

Resumo


Este artigo versa sobre um turvo episódio da história da tradução do Brasil, referente às vicissitudes de Crime e Castigo, de Dostoiévski, na primeira metade do século XX, até o lançamento da tradução de Rosário Fusco em 1949. Seu método expositivo em tom informal, discorrendo sobre dúvidas, hipóteses, raciocínios e procedimentos do personagem pesquisador até chegar a suas conclusões, pretende mostrar didaticamente algumas facetas internas e processos mentais que acompanham o trabalho de elaboração historiográfica.


Palavras-chave


História da tradução; Dostoiévski; Contrafações

Texto completo:

PDF PDF

Referências


Referências

BOTTMANN, D. Bibliografia russa traduzida no Brasil (1900-1950). RUS, São Paulo, v. 4, n. 4, p. 58-87, 2014.

BROCA, B. Introdução. In: Dostoiévski. F. Crime e castigo, vol. I. Rio de Janeiro: José Olympio, 1949. p. 5-15.

Marques Rebelo teria “avançado” na tradução de Araujo Ribeiro. Diário da Noite, Rio de Janeiro, p. 3 e 7, 4 ago. 1943.

DOSTOIEWSKY, F. Crime e Castigo (serialização). A Manhã, Rio de Janeiro, 30 dez. 1925.

Gazeta de Notícias, Rio de Janeiro, p. 13, 22 mar. 1936.

Gazeta de Notícias, Rio de Janeiro, p. 8, 24 mar. 1936.

Gazeta de Notícias, Rio de Janeiro, p. 7, 10 abr. 1936.

MATA, A. da. Castilho, o veterano. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 2ª. seção, p. 2, 12 ago. 1945.

O Castilho. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 2ª. seção, p. 2, 6 mai. 1945.

O Correio da Manhã, Rio de Janeiro, p. 8, 29 out. 1930.

VERISSIMO, E. Um certo Henrique Bertaso. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7968.2017v37n3p214



Cadernos de Tradução, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 2175-7968.