“5x favela, agora por nós mesmos”: Um estudo sobre legendagem e audiodescrição

Marcella Wiffler Stefanini, Érica Lima

Resumo


Este artigo apresenta um estudo sobre duas modalidades de tradução audiovisual (TAV), a legenda para ouvintes e a audiodescrição (AD), presentes no filme 5x favela, agora por nós mesmos, com o objetivo de demonstrar não só sua importância como recurso de acessibilidade, mas também como elemento de significação do filme. Com base na fundamentação teórica de Araújo (2008), Franco e Araújo (2011), Chaume (2004), Diaz-Cintas (2007), Romero-Fresco (2013), entre outros pesquisadores da área, traçou-se uma comparação entre a legenda em português para ouvintes, presente no DVD do filme, e o que seria a legenda para surdos e ensurdecidos (LSE), recurso não oferecido. Os resultados da análise confirmam a importância dos recursos da TAV para a construção de sentidos e destacam as características predominantes da AD e as dificuldades decorrentes da falta da LSE.

Palavras-chave


Acessibilidade; Audiodescrição; Legenda para ouvintes; Legenda para surdos e ensurdecidos; Tradução audiovisual

Texto completo:

PDF/A

Referências


ARAUJO, V. L. S. “Closed subtitling in Brazil”. In: ORERO, P. (ed). Topics in audiovisual translation. 1. ed. Amsterdã: John Benjamins, 2004, v. 1, p. 199-212.

ARAUJO, V. L. S. “A legendagem para surdos no Brasil”. In: LIMA, P. L. C: ARAÚJO, A. D. (org.). Questões de Linguística Aplicada: miscelânea. Fortaleza: EdUECE, 2005, p. 163-188.

ARAUJO, V. L. S. “Subtitling for the deaf and hard-of-hearing in Brazil”. In: DIAZ-CINTAS, J.; REMAEL, A.; ORERO, P. (ed.). Media for All: Subtitling for the Deaf, Audio Description and Sign Language.1. ed, Kenilworth, Nova Jersey, EUA: Rodopi, 2007, v. 30, p. 99-107.

ARAUJO, V. L. S. Por um modelo de legendagem para surdos no Brasil. Tradução & Comunicação: Revista Brasileira de Tradutores, n. 17, 2008, p. 59-76.

ARAÚJO, V. L. S.; ALVES, S. F. (Org.); MAUCH, C. (Org.) ; NEVES, S. B. (Org.) . Guia para Produções Audiovisuais Acessíveis. 1. ed. Brasília: Ministério da Cultura/Secretaria do Audiovisual, 2016.

BENECKE, B. Audio-description. Meta: journal des traducteurs, vol. 48, n. 1, 2004, p. 78-80.

CASADO, A. B. La audiodescripción: apuntes sobre el estado de la cuestión y las perspectivas de investigatión. TradTerm-USP, n. 13, 2007, p. 151-169.

CHAUME, F. “Translating non-verbal communication in dubbing”. In: POYATOS, F. (ed.): Nonverbal Communication and Translation. Amsterdam, John Benjamins, 1997, p. 315-326.

CHAUME, F. Film studies and translation studies: two disciplines at stake in audiovisual translation. Meta: journal des traducteurs, vol. 49, n. 1, 2004, p. 12-24.

DÍAZ CINTAS, J. Audiovisual Translation Today. A question of accessibility for all. Translating Today, v. 4, p. 3-5, 2005.

DÍAZ CINTAS, J. “Traducción audiovisual y accesibilidad, Subtitulación para sordos y audiodescripción para ciegos: nuevas modalidades de traducción audiovisual”. In: HURTADO, C. J. (ed.) Traducción audiovisual y acessibilidad. Frankfurt: Peter Lang, 2007, p. 9-23.

DÍAZ CINTAS, J. “La accesibilidad a los medios de comunicación audiovisual a través del subtitulado y de la audiodescripción”. In: GONZÁLEZ, L; HERNÚÑEZ, P. (ed.) El español, lengua de traducción para la cooperación y el diálogo. Instituto Cervantes, 2010, p. 157-180.

FRANCO, E. P. C.; ARAÚJO, V. L. S. “Reading Television - Checking Deaf People’s Reactions to Closed Subtitling in Fortaleza, Brazil”. In: GAMBIER, Y. (ed). The translator. Manchester, 2003, v. 9, n. 2, p. 249-267.

FRANCO, E. P. C.; ARAÚJO, V. L. S.Questões terminológico-conceituais no campo da tradução audiovisual (TAV). Tradução em Revista, n. 11, 2011/12.

GAMBIER, Y. Introduction: Screen Transadaptation: Perception and Reception. The Translator. Special issue on Screen Translation, v. 9, n. 2, p. 191-205, 2003.

JAKOBSON, R. “Aspectos linguísticos da tradução”. In: ______. Linguística e Comunicação. Tradução de Izidoro Blikstein e José Paulo Paes. Editora Cultrix: São Paulo-SP, [1963]2010, 24ª edição, p. 79-91.

ROMERO-FRESCO, P. Accessible filmmaking: joining the dots between audiovisual translation, accessibility and filmmaking. The Journal of Specialised Translation, 2013, p. 201-223.

ROMERO-FRESCO, P. “Accessible Filmmaking: Translation and Accessibility from Production”. In: PÉREZ-GONZÁLEZ, Luis (ed.) The Routledge Handbook of Audiovisual Translation Studies, London/New York: Routledge, (no prelo) 2017.

x favela, agora por nós mesmos. Direção Cacau Amaral, Cadu Barcelos, Luciana Bezerra, Luciano Vidigal, Manaíra Carneiro, Rodrigo Felha e Wagner Novais. Produção Renata de Almeida Magalhães e Carlos Diegues. Rio de Janeiro: Companhia Produtora Luz Mágica, Co-produtores Globo Filmes; Produtores Associados: Videofilmes, Quanta, Teleimage. 2010. DVD, 99min.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7968.2018v38n2p219



Cadernos de Tradução, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 2175-7968.