Tradução canônica

Júlio Cesar Neves Monteiro

Resumo


A discussão sobre o status do texto literário traduzido e a posição do tradutor são uma constante na área dos Estudos da Tradução. Temas sensíveis como autoria, autoria do texto traduzido e a posição do texto traduzido no sistema literário de acolhida recebem muita atenção por parte dos pesquisadores, bem como discussões sobre o cânone literário e o cânone de literatura traduzida. Um tópico menos evidente é a existência de traduções canônicas que são consideradas «definitivas» no sistema literário de acolhida ou como modelo para traduções ulteriores. Neste artigo, pretendo demonstrar que o fenômeno que denomino tradução canônica
não é um fenômeno isolado e tampouco está restrito a sistemas literários periféricos.


Palavras-chave


Autoria; Tradução canônica; Literatura

Texto completo:

PDF (English)

Referências


ALTIERI, Charles. Canons and Consequences: Reflections on the Ethical Force of Imaginative Ideals. Evanston: Northwestern University Press, 1991.

ADORNO, Theodor. “O ensaio como forma” In Notas de Literatura I. Tradução de Jorge M. B. de Almeida. São Paulo: Duas Cidades, 2003.

BENJAMIN, Walter. “A tarefa-renúncia do tradutor”. Tradução de Susana Kampff Lages. In Clássicos da teoria da tradução, vol.1: antologia bilíngüe alemão-português. Florianópolis: UFSC, 2001, pp. 188-215.

BERMAN, Antoine. A prova do estrangeiro. Tradução de Maria Emília Pereira Chanut. Bauru: Edusc, 2002.

BERMAN, Antoine. A tradução e a letra ou o albergue do longínquo. Tradução de Marie-Hélène Torres, Mauri Furlan, Andréia Guerini. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2007.

BLOOM, Harold. The Western Canon. Nova York: Harcourt Brace, 1994.

BORGES, Jorge Luis. “Las versiones homéricas” In Obras Completas, volume I. Barcelona: Emecé, 1999.

COMPAGNON, Antoine. Le Démon de la théorie: littérature et sens commun. Paris: Éditions du Seuil, 1998.

GENETTE, Gérard. Palimpsestes. Paris: Seuil, 1982.

GENETTE, Gérard. « Introduction à l’architexte. » In GENETTE, Gérard et alii. Théorie des genres. Paris : Seuil, 1986, pp. 89-159.

GENETTE, Gérard. Seuils. Paris: Seuil, 1987.

GILLESPIE, Stuart. “Translation and Canon-Formation” In GILLESPIE, Stuart; HOPKINS, David (ed.) The Oxford History of Literary Translation in English. Volume 3: 1660-1790. Oxford: Oxford University Press, 2005.

HEGEL, G.W.F. Cursos de estética. Volume I. Tradução de Marco Aurélio Werle. São Paulo: Edusp, 2001.

KERMODE, Frank. Pleasure and Change. The aesthetics of Canon. Oxford: Oxford University Press, 2004.

LEFEVERE, André. “Why waste Our Time on Rewrites: The Trouble with Interpretation and the Role of Rewriting in an Alternative Paradigm”. In WEISSBORT, Daniel; EYSTEINSSON, Astradur (eds.). Translation – Theory and Practice. A Historical Reader. Oxford: Oxford University Press, 2006, pp. 435-442.

NIETZSCHE, Friedrich. O nascimento da tragédia. Tradução de Jacó Guinsburg. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

RICOEUR, Paul. Sur la Traduction. Paris: Bayard, 2004.

TOURY, Gideon. Descriptive Translation Studies and beyond. Amsterdam: John Benjamins, 1995.

UNESCO. Convention universelle sur le droit de l’auteur avec Déclaration annexe relative à l’article XVII et Résolution concernant l’article XI 1952. Disponível em :http://portal.unesco.org/fr/ev.php-URL_ID=15381&URL_DO=DO_TOPIC&URL_SECTION=201.html

VENUTI, Lawrence. The Scandals of Translation. Towards an Ethics of Difference. Londres: Routledge, 1998.

WAISMAN, Sergio. Borges y la traducción. Tradução de Marcelo Cohen. Buenos Aires: Adriana Hidalgo Editora, 2005.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7968.2018v38n3p34



Cadernos de Tradução, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 2175-7968.