Por que e como escrever histórias da tradução?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7968.2021.e75706

Palavras-chave:

História da Tradução, Historiografia da Tradução, Metodologia em História da Tradução

Resumo

Tradução para o português brasileiro do artigo “Why and How to Write Translation Histories?”, de Lieven D’Hulst, publicado originalmente em inglês na edição especial da Revista Crop (v. 6, São Paulo, 2001) dedicada à história da tradução no Brasil. Retomando o hexâmetro mnemônico utilizado pela retórica clássica para abordar a oratória - quem (quis); o que (quid); onde (ubi); por quais meios (quibus auxiliis), por que (cur); como (quomodo); quando (quando) - e aplicando-o especificamente à história e à historiografia da tradução, D’Hulst aponta o que pode/deveria ser abordado por essa área dos estudos da tradução. Traduzir este artigo implicou também um trabalho de edição. Sendo o texto de abertura da referida edição especial, o autor faz menção a vários de seus artigos como exemplos de pesquisas realizadas; optamos por transferir tais menções para as notas de rodapé com o objetivo de conferir maior fluidez ao texto no contexto de uma nova publicação.

Biografia do Autor

Lieven D'Hulst, Katholieke Universiteit Leuven

Lieven D’hulst é professor de literatura francófona e estudos da tradução na Katholieke Universiteit Leuven - KU Leuven (Bélgica). É membro do corpo editorial da Target. International Journal of Translation Studies, co-diretor da série “Traductologie” da Artois Presses Université (França) e membro da Academia Europaea (Cambridge). Suas pesquisas atuais incluem as relações entre tradução e transferência, a teoria e a prática da historiografia da tradução e as políticas de tradução europeias do século XIX. Possui diversas publicações sobre literatura francesa e francófona dos séculos XIX e XX, bem como sobre história da tradução.

Helena Lúcia Silveira Barbosa, Universidade de São Paulo

Mestra em Estudos de Tradução pela Universidade de São Paulo (USP), bacharela em Letras-Tradução (habilitação: inglês) pela Universidade de Brasília (UnB) e bacharela em Direito (habilitação: Direito Civil) pelo Centro Universitário de Brasília (UniCEUB). Atualmente, desenvolve pesquisas sobre história da tradução e da interpretação no Brasil, tradução de artes verbais ameríndias e intérpretes indígenas. É tradutora e advogada indigenista.

Maria Teresa Mhereb, Universidade de São Paulo

Mestranda em Estudos da Tradução no Programa de Pós-Graduação em Letras Estrangeiras e Tradução. Graduada em Ciências Sociais pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) e em Letras (habilitação francês/português) pela Universidade de São Paulo (USP). Suas pesquisas estão voltadas para os seguintes temas: sociologia da tradução, tradução e mulheres, política da tradução e tradução política. É cientista social e tradutora.

Referências

Benjamin, Walter. “Sobre o conceito de história”. Walter Benjamin: aviso de incêndio, editado por Michael Löwy. São Paulo: Boitempo, 2007. Trad. Jeanne-Marie Gagnebin e Marcos Lutz Müller.

Chesterman, Andrew. “Causes, Translation, Effects”. Target, 10.1, (1998): 201-230.

Delabastita, Dirk e Lieven D’hulst (ed). Shakespeare Translations in the Romantic Age. Amsterdam-Philadelphia: John Benjamins, 1993.

Delisle, Jean (ed). Portraits de traducteurs. Arras-Ottawa: Artois Presses Université - Les Presses de l’Université d’Ottawa, 1999.

D'Hulst, Lieven. “Enseigner la traductologie: pour qui et à quelles fins?”. Meta, 39.1 (1994): 8-14.

D'Hulst, Lieven. “Les premiers doctorats français sur la traduction”. Linguistica Antverpiensia, XXXI (1997): 49-66.

Halverson, Sandra. “The Concept of Equivalence in Translation Studies. Much Ado About Something”. Target, 9.1 (1997): 207-223.

Holmes, James S. “The Name and Nature of Translation Studies” [1972]. Translated!, organizado por R. Van Den Broeck. Amsterdam: Rodopi, 1998, pp. 67-80.

Lefevere, André. Translation, Rewriting and the Manipulation of Literary Fame. Londres/Nova York: Routledge, 1992.

Pym, Anthony. Method in Translation History. Manchester: St. Jerome, 1998.

Simeoni, Daniel. “The Pivotal Status of the Translator’s Habitus”. Target, 10.1 (1998): 1-39.

Toury, Gideon. Descriptive translation studies and beyond. Amsterdam/Filadélfia: John Benjamins, 1995.

Publicado

2021-05-25

Edição

Seção

Artigos traduzidos