O professor homem na Educação Infantil: o que pensam pais, mães e educadoras?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1980-4512.2020v22n42p480

Palavras-chave:

Educação Infantil, Gênero, Pais, Homem

Resumo

A prática docente do homem na Educação Infantil- EI ainda é vista de forma estigmatizada. Diante disso, a presente pesquisa busca analisar a concepção de pais, mães e educadoras de crianças de 24 e 36 meses de idade da cidade de João Pessoa-PB, sobre a presença do professor homem na EI. Foram entrevistados 100 participantes: 40 pais, 40 mães e 20 educadoras. Os dados foram analisados a partir da análise de conteúdo proposta por Bardin. Quando considerado o binômio cuidar-educar, 34% dos participantes apresentaram resistência ao fato do educador desempenhar sua função de forma integral, o cuidar e o educar. As educadoras revelaram maior resistência, manifestada em 50%. A associação entre cuidado de crianças pequenas e habilidades naturais femininas se apresenta como entrave à atuação profissional do homem na EI. Destaca-se que a equidade de gênero na EI perpassa pela garantia da liberdade de escolha profissional e por uma vivência infantil em um contexto educacional livre de preconceitos. 

Biografia do Autor

Dalila Castelliano de Vasconcelos, Universidade Federal de Campina Grande- UFCG

Doutora em PsicologiaProfessora adjunta da Universidade Federal de Campina Grande- UFCG, Unidade Acadêmica de Educação e Programa de Pós-graduação em Educação da UFCG, Campina Grande, Brasil

Lucivanda Cavalcante Borges, Universidade Federal do Vale do São Francisco- UNIVASF

Doutora em Psicologia

Professora adjunta da Universidade Federal do Vale do São Francisco- UNIVASF, Colegiado de Psicologia e Programa de Pós-graduação em Psicologia da UNIVASF, Petrolina, Brasil

Nádia Maria Ribeiro Salomão, Universidade Federal da Paraíba-UFPB

Doutora em PsicologiaProfessora titular do Universidade Federal da Paraíba-UFPB, Departamento de Psicologia e Programa de Pós-graduação em Psicologia Social da UFPB, João Pessoa, Brasil 

Referências

AÇÃO EDUCATIVA. Indicadores da Qualidade na Educação Infantil: dos Projetos Político-Pedagógicos à política educacional. 1ª Ed. São Paulo: Ação Educativa, 2019. Disponível em: https://educacaointegral.org.br/wp-content/uploads/2019/09/Guia_Indique_Educacao_Infantil.pdf Acesso em 01. jun. 2020.

ALCÂNTARA, Juliana Nascimento de; DIAS, Alfrancio Ferreira; GIVIGI, Rosana Carla do Nascimento. Play at child education: problematizing gender relations in school. Educação (UFSM), Santa Maria, v.44, e20/, p.1-21. 2019. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/34607/pdf. Acesso em 20 mar. 2020.

ALVARENGA, Carolina Faria; VIANNA, Cláudia Pereira. Gênero como uma dimensão de qualidade: uma análise do processo de construção dos indicadores de qualidade da educação infantil paulistana. Zero-a-Seis, Florianópolis, v. 20, n. 37, p. 11-26, maio 2018. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/zeroseis/article/view/1980-4512.2018v20n37p11. Acesso em 15 jul. 2019.

ARCE, Alessandra. Documentação oficial e o mito da educadora nata na educação infantil. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n.113, p.167-184, jul. 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-15742001000200009&lng=pt&nrm=iso. Acesso em 16 jul. 2015.

AZÚA, Ximena; LILLO, Daniela; SAAVEDRA, Pamela. O desafio de uma educação não sexista na formação inicial: práticas de ensino de educadores da primeira infância em escolas públicas chilenas. Qualidade na educação, Santiago, n. 50, p. 40-82, ago. 2019. Disponível em: https://scielo.conicyt.cl/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0718-45652019000100040&lng=es&nrm=iso. Acesso em 22 jan. 2020.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 14 de jul. 2020.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União. Brasília, DF, p. 27894, 23 dez. 1996a. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/lei9394_ldbn1.pdf. Acesso em: 23 de jan. 2015.

CALIL, Regina Célia Ciriano Calil; ARRUDA, Sérgio Luiz Saboya. Discussão da pesquisa qualitativa com ênfase no método clínico. In: Grubits, S.; Noriega, J. A. V. (org.). Método qualitativo: epistemologia, complementariedades e campos de aplicação. São Paulo: Vetor, 2004, p.173-212.

CARMO, Paulo Henrique Barbosa do; ALVARENGA, Patrícia. Práticas educativas coercitivas de mães de diferentes níveis socioeconômicos. Estudos de Psicologia, Natal, v. 17, n.2, p. 191-198. 2012. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-42812016000300014&lng=pt&nrm=iso. Acesso em 23 ago. 2016.

CARVALHO, Maria Eulina Pessoa de; RABAY, Glória. Usos e incompreensões do conceito de gênero no discurso educacional no Brasil. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 23, n. 1, p. 119-136, abr. 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2015000100119&lng=pt&nrm=iso. Acesso em 15 jul. 2018.

FINCO, Daniela. Igualdad de género en las instituciones educativas de la primera infancia brasileña. Revista Latinoamericana de Ciencias Sociales, Niñez y Juventud, Manilazes, v. 13, n. 1, p. 85-96, 2015. Disponível em:

https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=4999891. Acesso em: 12 jan 2020.

FONSECA, Paula Fontana. O laço educador-bebê se tece no enodamento entre cuidar, educar e brincar. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 43, n. 4, p. 1555-1568, out. 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2175-62362018000401555&lng=pt&nrm=iso. Acesso em 20 jun. 2019.

GARCÍA-PRIETO, Itziar; ARRIAZU-MUÑOS, Rubén. Estereotipos de género én educación infantil: um estúdio de caso desde la perspectiva sociocultural. Zero a Seis, Florianópolis, v. 22, n. 41, p. 04-30, jul. 2020. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/zeroseis/article/view/1980-4512.2020v22n41p4. Acesso em 15 jul. 2020.

GIACHINI, Alessandra Cristina Bolfe; LEÃO, Andreza Marques de Castro. Relação de gênero na educação infantil: apontamentos da literatura científica. Revista Ibero-America de Estudos em Educação, Araraquara, [S.1], p. 1409-1422, nov. 2016. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/9038. Acesso em: 15 jul. 2019.

GOMES, Vera Lúcia de Oliveira; SILVA, Alcione Leite da; ERN, Edel. O cuidado de crianças em creche: um espaço para a enfermagem. Revista Gaúcha de Enfermagem, v. 24, n. 2, p. 147, 2003. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/RevistaGauchadeEnfermagem/article/view/4471/2405. Acesso em 20 jun. 2019.

GONÇALVES, Josiane Peres; PENHA, Natália Ribeiro da. Professor homem na educação infantil: o olhar de acadêmicos e alunos egressos do curso de pedagogia. Zero a Seis, Florianópolis, v. 17, n. 32 p. 170-192, dez, 2015. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/zeroseis/article/view/1980-4512.2015n31p170. Acesso em 10 jul. 2018.

GONÇALVES, Josiane Peres; FARIA, Adriana Horta de; OLIVEIRA, Leonardo Alves de; SOARES, Pâmela Karoline. Relações de gênero e representações sociais relativas à atuação de homens professores de crianças. Revista Formação Docente, Belo Horizonte, v.7, n.1, p.36-54, 2015. Disponível: https://www.metodista.br/revistas/revistas-izabela/index.php/fdc/article/view/754. Acesso em 10 out. 2019.

GONÇALVES, Josiane Peres. Representações Sociais de Homens Professores Sobre o Trabalho Educativo Desenvolvido Com Crianças. Revista Teoria e Prática da Educação, Maringá, v. 13, n. 3, p. 45-52, dez. 2010. Disponível em: http://www.periodicos.uem.br/ojs/index.php/TeorPratEduc/article/view/10155. Acesso em 24 jan. 2020.

INEP — Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da educação básica: 2012. Resumo técnico. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2013. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_basica/censo_escolar/resumos_tecnicos/resumo_tecnico_censo_educacao_basica_2012.pdf. Acesso em 11 fev. 2017.

JAEGER, Angelita Alice; JACQUES, Karine. Masculinidades e docência na educação infantil. Estudos Feministas, Florianópolis, v.25, n. 2 562, p.545-570, ago. 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2017000200545&lng=en&nrm=iso. Acesso 13 ago. 2019.

LEW-LEVY, Sheina; BOYETTE, Adam H.; CRITTENDEN, Alyssa N.; HEWLETT, Barry S.; LAMB, Michael E. Gender-Typed and Gender-Segregated Play Among Tanzanian Hadza and Congolese BaYaka Hunter-Gatherer Children and Adolescents. Child Development, v. 91, n.4, p.1284-1301, 2020. Disponível em: https://srcd-onlinelibrary-wiley.ez292.periodicos.capes.gov.br/doi/epdf/10.1111/cdev.13306. Acesso 12 jul. 2020.

LIBEN, Lynn S.; BIGLER, Rebecca S.; KROGH, Holleen R. Language at work: children's gendered interpretations of occupational titles. Child Development, v.73, n.3, p.810-828, 2002. Disponível em: https://srcd-onlinelibrary-wiley.ez292.periodicos.capes.gov.br/doi/epdf/10.1111/1467-8624.00440. Acesso 14 mar. 2015.

LIMA, Camila Rodrigues Neves de Almeida. Gênero, trabalho e cidadania: função igual, tratamento salarial desigual. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v.26, n.3, e47164, out. 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2018000300210&lng=pt&nrm=iso. Acesso em 15 jun. 2019.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: das afinidades políticas às tensões teórico-metodológicas. Educação em Revista, Belo Horizonte, n. 46, p. 201-218, dez. 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-46982007000200008&lng=en&nrm=iso. Acesso em 23 set. 2017.

MARTINS, Gabriela Dal Forno; VIEIRA, Mauro Luís; SEIDL-DE-MOURA, Maria Lucia; MACARINI, Samira Mafioletti. Crenças e práticas de cuidado entre mães residentes em capitais e pequenas cidades Brasileiras. Psicologia, Reflexão e Critica, Porto Alegre, v. 24, n. 4, p.692-701, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-79722011000400009&lng=en&nrm=iso. Acesso em 20 out. 2018.

MONTEIRO, Mariana Kubilius; ALTMANN, Helena. Homens na educação infantil: olhares de suspeita e tentativas de segregação. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v.44, n.153, p.720-741, set. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-15742014000300012&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 28 jan. 2018.

OLIVEIRA, Maria Aparecida; DONELLI, Tagma Marina Schneider; CHARCZUK, Simone Bica. Cuidar e educar: o sujeito em constituição e o papel do educador. Psicologia Escolar e Educacional, Maringá, v.24, e213679, 2020. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-85572020000100304&lng=en&nrm=iso. Acesso em 10 jul. 2020.

OLIVEIRA, Rosmari Pereira de; VIVIANI, Luciana Maria. Entre a fralda e a lousa: a questão das identidades docentes em berçários. Revista Portuguesa de Educação, Minho, v.32, n.1, p. 73-90, 2019. Disponível em http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0871-91872019000100006&lng=pt&nrm=iso. Acessos em 29 jun. 2020.

RABELO, Amanda Oliveira; MARTINS, António Maria. A mulher no magistério brasileiro: um histórico sobre a feminização do Magistério. Anais do VI Congresso Luso-Brasileiro de História da Educação, p. 6167-6176, 2010. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/266244820_A_MULHER_NO_MAGISTERIO_BRASILEIRO_UM_HISTORICO_SOBRE_A_FEMINIZACAO_DO_MAGISTERIO. Acesso em 04 fev. 2020.

RAUPP, Marilene Dandolini; DURLI, Zenilde; CORAL, Edineia Solange; NEIVERTH, Thaisa. A gestão do curso de especialização em Educação Infantil da UFSC. In: Flôr, Dalânea Cristina; Durli, Zenilde (ogs.). Educação infantil e formação de professores. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2012, p. 17-43.

ROVERI, Fernanda Theodoro. Gênero e diversidades na infância: desafios para a formação docente face ao retrocesso curricular. Laplage em Revista, Sorocaba, v.4, n.Especial, p.115-121, dez. 2018. Disponível em: https://www.laplageemrevista.ufscar.br/index.php/lpg/article/view/589. Acesso em Acesso em 15 jun. 2019.

ROSEMBERG, Fúlvia. Organizações multilaterais, Estado e políticas de educação infantil. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 115, p. 25-64, 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-15742002000100002&lng=en&nrm=iso. Acesso em 28 jul. 2015.

SANTOS, Sandro Vinícius Sales dos. A socialização e a educação infantil – um ensaio. Eccos - Revista Cientifica, São Paulo, n. 52, p. 1-18, e10621, jan./mar. 2020. Disponível em: https://doi.org/10.5585/eccos.n52.10621.

SCIOTTI, Fernanda Ferrari Ruís; PEREZ, Marcia Cristina Argenti; BELLIDO, Luciana Ponce. Ser professora na educação infantil: gênero e docência. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v.14, n. esp 2, p.1569-1579, jul. 2019. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/12616/8787. Acesso em 04 fev. 2020.

SILVA, Isabel de Oliveira; LUZ, Iza Rodrigues da. Meninos na educação infantil: o olhar das educadoras sobre a diversidade de gênero. Cadernos Pagu, Campinas, n. 34, p. 17-39, jun. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-83332010000100003&lng=pt&nrm=iso. Acesso em 15 abr. 2018.

TEBET, Gabriela Guarnieri de Campos. Formação docente, educação infantil e bebês. Laplage em Revista, Sorocaba, v. 4, n. especial, p.55-70, 2019. Disponível em: https://www.laplageemrevista.ufscar.br/index.php/lpg/article/view/585. Acesso em 10. jun. 2020.

VASCONCELOS, Dalila Castelliano de; SALOMÃO, Nádia Maria Ribeiro. Educadoras de creches: concepções sobre desenvolvimento infantil. Revista Lusófona de Educação, v.33, n.33, p. 81-94, 2016.

VIANNA, Claudia; FINCO, Daniela. Meninas e meninos na Educação Infantil: uma questão de gênero e poder. Cadernos Pagu, Campinas, n. 33, p. 265-283, dez. 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-83332009000200010&lng=en&nrm=iso. Acesso em 10. jun. 2020.

WEISGRAM, Erica S.; BIGLER, Rebeca. S.; LIBEN, Lynn. S.Gender, values, and occupational interests among children, adolescents, and adults. Child Development, v. 81, n.3, p.778-796, 2010. Disponível em: https://srcd-onlinelibrary-wiley.ez292.periodicos.capes.gov.br/doi/epdf/10.1111/j.1467-8624.2010.01433.x. Acesso em 10. fev. 2020.

Downloads

Publicado

2020-11-05