Os livros didáticos de química e a resistência às mudanças no estilo de pensamento

Tiago Franceschini da Rosa, Marcelo Lambach

Resumo


O presente artigo busca desenvolver uma reflexão de caráter epistemológico acerca do processo de seleção dos livros didáticos de Química, distribuídos trienalmente pelo Programa Nacional do Livro Didático. O objetivo foi revelar a existência de um padrão recorrente na escolha desses materiais. A pesquisa, de cunho exploratório, realizada com base nos dados fornecidos pelo Ministério da Educação, procurou confrontar o percentual de escolas atendidas com a quantidade de títulos escolhidos, bem como a descrição dos materiais com o parecer para cada obra disponibilizada nos processos de 2008 a 2015, visando com isso, demonstrar a existência de uma tendência para certo Estilo de Pensamento, do qual os professores estão vinculados e provavelmente fortalecido por diversos acoplamentos, passivos e ativos, ao longo da formação profissional. Isso demonstra que a escolha nem sempre busca atender às necessidades e realidades dos estudantes, mas às concepções de ensino presentes na prática de cada docente.

Palavras-chave


Livro didático; PNLD; Estilo de pensamento; Circulação de ideias; Ensino de química

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/1982-5153.2018v11n1p173

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Alexandria: R. Educ. Ci. Tec., Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 1982-5153

Licença Creative Commons

Está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.