Estado do conhecimento no ensino de física para alunos surdos e com deficiência auditiva: incursão nas teses e dissertações brasileiras

Autores

  • Marcela Ribeiro da Silva Universidade Estadual Paulista
  • Eder Pires de Camargo Universidade Estadual Paulista

DOI:

https://doi.org/10.5007/1982-5153.2020v13n1p251

Palavras-chave:

Ensino de física, Educação inclusiva, Educação especial, Surdez, Deficiência auditiva

Resumo

O artigo analisa a produção de teses e dissertações brasileiras sobre o ensino de Física para alunos surdos e/ou com deficiência auditiva. Os dados consistem em resumos de documentos localizados no Catálogo de Teses e Dissertações da Capes. Os resultados indicam: produção acadêmica centralizada nas instituições públicas e na região Sudeste; prevalência de pesquisas que não se vinculam a grupos/linhas de pesquisa sobre a educação inclusiva/educação especial e o ensino de Ciências/Física; enfoque exclusivo na Educação Básica; enfoques temáticos na elaboração/implementação/avaliação de recursos didáticos acessíveis a surdos e/ou deficientes auditivos, nas condições de produção dos/sobre seus processos de ensino e aprendizagem, e na elaboração de sinais para termos científicos. Os resultados suscitam a premência de que a formação inicial e continuada de professores de Física para o trato com esses alunos, e a universidade, como espaço com perspectivas inclusivas, protagonizem a agenda de pesquisa em ensino de Física inclusivo.

Biografia do Autor

Marcela Ribeiro da Silva, Universidade Estadual Paulista

Graduada em Licenciatura Plena em Física pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) / Campus São Carlos (2013). Mestra (2016) e doutoranda em Educação para a Ciência, na área de Ensino de Ciências e Matemática, pela Universidade Estadual Paulista (UNESP) / Campus Bauru. É membro do Grupo de Pesquisa Ensino de Ciências e Inclusão Escolar (ENCINE). Desenvolve pesquisa em Ensino de Física, com ênfase na educação inclusiva do público-alvo da Educação Especial.

Eder Pires de Camargo, Universidade Estadual Paulista

É Livre Docente em ensino de Física pela UNESP / Campus Ilha Solteira (2016) e Doutor em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) (2005). Possui graduação em Licenciatura em Física (1995), mestrado em Educação para a Ciência (2000) e Pós-doutorado (2006) pela UNESP / Campus Bauru. É Docente do Departamento de Física e Química da UNESP / Campus Ilha Solteira. É credenciado como orientador junto aos programas de pós-graduação em Educação para a Ciência da Faculdade de Ciências da UNESP / Campus Bauru e Interunidades em Ensino de Ciências, Área de Concentração: Ensino de Física, da Universidade de São Paulo (USP) Zona Leste. Orienta trabalhos relacionados ao ensino de ciências e à inclusão de alunos público-alvo da Educação Especial. Na graduação, leciona disciplinas para os cursos de Licenciatura em Física, Matemática e Biologia, e de Engenharia. Na pós-graduação, leciona disciplinas relacionadas à inclusão escolar de alunos com deficiências. Coordena o grupo de pesquisa Ensino de Ciências e Inclusão Escolar (ENCINE).

Referências

ALVES, F. S.; CAMARGO, E. P. O atendimento educacional especializado e o ensino de Física para pessoas surdas: uma abordagem qualitativa. Abakós, v. 2, n. 1, p. 61–74. 2013.

ALVES, F. S.; SOUZA, L. M. S.; ROSSINI S. M. O perfil das pesquisas sobre o Ensino de Física para surdos no Brasil entre os anos de 2002 e 2017. Enseñanza de las Ciencias, n. extraordinário, p. 2551–2558, 2017.

BARBOSA, H. A. G.; ROSA, K. As pessoas surdas no ensino de Ciências — uma revisão bibliográfica. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE ENSINO DE FÍSICA, XXII, 2007, São Carlos. Anais... São Carlos, 2017. p. 1–7. Disponível em: http://www.sbf1.sbfisica.org.br/eventos/snef/xxii/sys/resumos/T1164-1.pdf. Último acesso em: 19 ago. 2017.

BOMFIM, A. M.; VIEIRA, V.; DECCACHE-MAIA, E. A crítica da crítica dos mestrados profissionais: uma reflexão sobre quais seriam as contradições mais relevantes. Ciênc. educ. (Bauru), v. 24, n. 1, p. 245–262, 2018.

BRASIL. Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 25 abr. 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm. Último acesso em: 19 ago. 2018.

BRASIL. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais — Libras, e o artigo 18 da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm. Último acesso em: 8 mar. 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: MEC/SEESP, 2008. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf. Último acesso em: 20 fev. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação, Conselho Nacional de Educação, Conselho Pleno. Resolução CNE/CP2, de 01 de julho de 2015, Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Brasília: Diário Oficial da União, 02 jul. 2015.

CAIADO, K. R. M. Aluno com deficiência visual na escola: lembranças e depoimentos. Campinas: Autores Associados, 2014.

CAMARGO, S.; NARDI, R.; RUBO, E. A. A. Demandas de professores de Física em exercício no Ensino Médio: subsídios para um processo de reestruturação de um curso de licenciatura. Rev. Bras. Pesq. Educ. em Ciênc. v. 14, n. 3, p. 13–40, 2014.

COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR. Avaliação trienal 2013: documento de área 2013 — área de avaliação: Ensino. 2013. Disponível em: https://pos.cepae.ufg.br/up/480/o/Ensino_doc_area_e_comissao.pdf. Último acesso em: 26 set. 2018.

COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR. Documento de área 2016. Área de avaliação: Ensino. 2016. Disponível em: http://www.capes.gov.br/images/documentos/Documentos_de_area_2017/DOCUMENTO_AREA_ENSINO_24_MAIO.pdf. Último acesso em: 18 fev. 2019.

COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR. Como funciona o Catálogo de Teses e Dissertações da Capes? Disponível em: http://www.capes.gov.br/acessoainformacao/perguntas-frequentes/periodicos/3571-como-funciona-o-banco-de-teses. Último acesso em: 1 fev. 2019.

GESSER, A. Libras? Que língua é essa: crenças e preconceitos em torno da língua de sinais e da realidade surda. São Paulo: Parábola, 2009.

INSTITUTO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA. Sobre a BDTD. Disponível em: http://bdtd.ibict.br/vufind/. Último acesso em: 18 fev. 2019.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Censo escolar 2017: notas estatísticas. Brasília, DF, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. 2018a. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_basica/censo_escolar/notas_estatisticas/2018/notas_estatisticas_Censo_Escolar_2017.pdf. Último acesso em: 18 nov. 2018.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Resumo técnico: censo da Educação Superior 2015. 2. ed. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. 2018b. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_superior/censo_superior/resumo_tecnico/resumo_tecnico_censo_da_educacao_superior_2015.pdf. Último acesso em: 18 nov. 2018.

LACERDA, C. B. F. Um pouco da história das diferentes abordagens na educação dos surdos. Cadernos CEDES, v. 46, n. 1, p. 68–80, 1998.

LACERDA, C. B. F; ALBRES, N. A.; DRAGO, S. L. S. Política para uma educação bilíngue e inclusiva a alunos surdos no município de São Paulo. Educação e Pesquisa, v. 39, n. 1, p. 65–80, 2013.

MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA. Polos. Disponível em: http://www1.fisica.org.br/mnpef/?q=polos/todos. Último acesso em: 20 set. 2018.

MOLENA, J. C.; ANDRADE, P. G.; VERASZTO, E. V.. Indicadores da inclusão de alunos surdos em salas de aula regulares. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, v. 16, n. 2, p. 257–279, 2017.

NOGUEIRA, E. P.; BARROSO, M. C. S.; SAMPAIO, C. G. A importância da Libras: um olhar sobre o ensino de Química a surdos. Investigações em Ensino de Ciências. v. 23, n. 2, p. 49–64, 2018.

OMOTE, S. Atitudes em relação à inclusão no Ensino Superior. Journal of Research in Special Educational Needs, v. 16, n. 1, p. 211–215, 2016.

OSTERMANN, F.; REZENDE, F. Os mestrados profissionais em ensino das ciências da natureza no Brasil. Ciênc. educ., v. 21, n. 3, p. I–III, 2015.

PEREIRA, L. L. S.; BENITE, C. R. M.; BENITE, A. M. C. Aula de Química e surdez: sobre interações pedagógicas mediadas pela visão. Química Nova na Escola, v. 33, n. 1, p. 47-56, 2011.

PESSANHA, M.; COZENDEY, S.; ROCHA, D. M. O compartilhamento de significado na aula de Física e a atuação do interlocutor de Língua Brasileira de Sinais. Ciênc. educ., v. 21, n. 2, p. 435–456, 2015.

ROMANOWSKI, J. P., ENS, R. T. As pesquisas denominadas do tipo “Estado da Arte” em Educação. Diálogo Educ., v. 6, n. 19, p. 37–50, 2006.

SALEM, S. Perfil, evolução e perspectivas da pesquisa em Ensino de Física no Brasil. 2012. 385 f. Tese (Doutorado em Ensino de Ciências) — Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

SANTOS, D. R.; PESSANHA, M. Ensino inclusivo de Física e os alunos com deficiência visual, deficiência auditiva ou surdez: materiais e estratégias de ensino nos trabalhos do SNEF entre 2005 e 2015. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE ENSINO DE FÍSICA, XXII, 2007, São Carlos. Anais... São Carlos, 2017. p. 1–8. Disponível em: http://www.sbf1.sbfisica.org.br/eventos/snef/xxii/sys/resumos/T0994-2.pdf. Último acesso em: 19 ago. 2018.

SILVA, L. D. S.; SANTOS, I. M.; DIAS, V. B.; SIQUEIRA, M.; MASSENA, E. P.; FRANÇA, S. S.; SANTOS, A. S.; MELO, J. S.; COSTA, M. R.; COTIAS, V. L. Tendências das pesquisas em Educação Especial no Ensino de Ciências: o que o ENPEC e os periódicos nos indicam? In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, IX, 2013, Águas de Lindoia. Anais... Águas de Lindóia, 2013, p.1–8. Disponível em: http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/ixenpec/atas/resumos/R0975-1.pdf. Último acesso em: 19 ago. 2018.

SILVA, M. R.; CAMARGO, E. P.. Ensino de Física para alunos com deficiência visual: tendências de teses e dissertações no Brasil. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL, VII, 2016, São Carlos. Anais eletrônicos... Campinas: Galoá, 2016. p. 1–15. Disponível em: https://proceedings.galoa.com.br/cbee7/trabalhos/ensino-de-fisica-para-alunos-com-deficiencia-visual-tendencias-de-teses-e-dissertacoes-no-brasil. Último acesso em: 07 nov. 2017.

TEIXEIRA, P. M. M.; MEGID NETO, J. A produção acadêmica em Ensino de Biologia no Brasil — 40 anos (1972–2011): base institucional e tendências temáticas e metodológicas. Rev. Bras. Pesq. Educ. em Ciênc., v. 17, n. 2, p. 521–549, 2017.

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. Qual a diferença entre o Portal de Teses da Capes e as BDTDs do IBICT? Disponível em: https://www.sorocaba.unesp.br/#!/biblioteca/diferenca-entre-bdtd-e-capes/. Último acesso em: 31 maio 2019.

Downloads

Publicado

2020-05-13

Edição

Seção

Artigos