Tudo é rede, conexão e simultaneidade: problematizações foucaultianas sobre a interdisciplinaridade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1982-5153.2021.e67362

Palavras-chave:

Enunciado, Interdisciplinaridade, Rede, Sociedade

Resumo

A interdisciplinaridade vem sendo constituída como uma das verdades que atravessam o campo educacional brasileiro e o esforço de docentes, dos diversos níveis de ensino (escolas e academias), que concorrem para a efetivação de currículos interdisciplinares. De forma específica, este artigo problematiza e apresenta uma análise do discurso, na perspectiva foucaultiana, de enunciações que emergiram em falas de discentes do Curso Licenciatura em Educação do Campo: Ciências da Natureza da Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS, campus Litoral Norte, ao justificarem a necessidade de um currículo interdisciplinar e a ressonância desses enunciados em discursos provenientes da sociologia, de teóricos como Bauman e Castells, quando se dispõem a descrever as condições da contemporaneidade, sendo possível perceber que o encadeamento de enunciados estaria fortalecendo a ambos os discursos. Para este ensaio foram realizadas entrevistas com 32 discentes e as ferramentas teóricas utilizadas advêm da oficina de Michel Foucault, especialmente dos conceitos de Enunciação, Enunciado, Discurso e Verdade.

Biografia do Autor

Veronica de Lima Mittmann, Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS

Licenciada em Pedagogia pela Faculdade Cenecista de Osório (2008), Mestre em Educação em Ciências pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, Associação de IES (2017) e doutoranda pelo mesmo Programa. Atua como Pedagoga/Área, na Universidade Federal do Rio Grande do Sul - campus Litoral Norte.

Claudia Glavam Duarte

Doutora em Educação. Professora associada da Universidade Federal do Rio Grande do Sul- Campus Litoral Norte. Vinculada ao Programas de Pós-Graduação: Educação em Ciências: Química da vida e saúde – UFRGS. Atua na linha de pesquisa Educação Científica: Implicações das práticas científicas na constituição dos sujeitos, vinculada ao campo da Educação Matemática e Educação do campo nas suas vertentes pós-estruturalistas, tendo como ferramentas as teorizações de Michel Foucault, Gilles Deleuze, Ludwig Wittgenstein. Tem experiência na área de Educação atuando principalmente nos seguintes temas: Educação Matemática, Etnomatemática, Diversidade e Educação do Campo. Coordenadora do GEEMCo.

 

Referências

AURICH, G. R. Reescrita de si: a invenção de uma docência em matemática. Tese de Doutorado em Educação - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2017.

BAUMAN, Z. Capitalismo parasitário e outros temas contemporâneos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed, 2010.

BAUMAN, Z.; DONSKIS, L. Cegueira Moral. Rio de Janeiro: Editora Zahar, 2014.

BAUMAN, Z. A ética é possível em um mundo de consumidores? Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

BAUMAN, Z. Modernidade Líquida. Rio de Janeiro: Editora Zahar, 2001.

BAUMAN, Z. A Sociedade Individualizada: vidas contadas e histórias vividas Rio de Janeiro: Editora Zahar, 2008.

BAUMAN, Z. Tempos líquidos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007.

BIZERRIL, M. X. A. Oportunidades e desafios para a Educação do Campo a partir do “Seminário de formação para o trabalho interdisciplinar na área de Ciências da Natureza e Matemática nas escolas do campo”. In: MOLINA, M. C. (Org.). Licenciaturas em Educação do Campo e o ensino de Ciências Naturais: desafios à promoção do trabalho docente interdisciplinar. Brasília: MDA, 2014. p. 111-126.

BRITTO, N. S.; SILVA, T. G. R. Educação do Campo: formação em ciências da natureza e o estudo da realidade. Revista Educação e Realidade, v. 40, n. 3, p. 763-784, jul./set. 2015.

BRITTO, N. S. O percurso formativo docente na educação do campo – Área ciências da natureza e matemática – pautado por Riscos, mas por muitas potencialidades. In: SEMINÁRIO NACIONAL UNIVERSITAS/BR, 24, 2016, Maringá. Anais, Maringá: Universidade Estadual de Maringá, 2016.

BRITTO, N. S. Prática docente em Ciências da Natureza em Educação do Campo – desafios, diálogos, reflexões e ações educativas. In: DUSO, L.; HOFFMANN, M. B. (Org.) Docência em Ciências e Biologia: Propostas para um continuado reiniciar. Ijuí: Editora Unijuí, 2013. p. 107-132. (Coleção Educação em Ciências).

BRITTO, N. S. Uma trama de muitos fios – experiências, área de Ciências da Natureza e Matemática, currículo, diálogos freireanos – tecem a formação docente em educação do Campo na UFSC. In: MOLINA, M. C. (Org.). Licenciaturas em Educação do Campo e o ensino de Ciências Naturais: desafios à promoção do trabalho docente interdisciplinar. Brasília: MDA, 2014. p. 61-83.

CASTELLS, M. A Sociedade em rede. Volume I. 8ª edição revista e ampliada. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

DUARTE, C. G. A “realidade” nas tramas discursivas da educação matemática escolar. Tese de Doutorado em Educação – Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2009.

FERREIRA, M. J. L.; MOLINA, M. C. Desafios à formação de educadores do Campo: tecendo algumas relações entre os pensamentos de Pistrak e Paulo Freire. In: MOLINA, M. C. (Org.) Licenciaturas em Educação do Campo e o ensino de Ciências Naturais: desafios à promoção do trabalho docente interdisciplinar. Brasília: MDA, 2014. p. 127-154.

FORTES, C. C. Interdisciplinaridade: origem, conceito e valor. Revista acadêmica Senac on-line. 6ª ed. set./nov. 2009. Disponível em: <http://www.pos.ajes.edu.br/arquivos/referencial_20120517101727.pdf>. Último acesso em: 30 de ago. 2017.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Tradução e Organização Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

FRIGOTTO, G. A interdisciplinaridade como necessidade e como problema nas Ciências Sociais. Revista Ideação, v. 10, n. 1, p. 41-62, 1º semestre de 2008.

GOES, A. “Tornar o aluno crítico”: enunciado (in)questionável no discurso da educação matemática escolar. Dissertação de Mestrado em Educação Científica e Tecnológica - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015.

JAPIASSU, H. Interdisciplinaridade e patologia do saber. Rio de Janeiro: Imago, 1976.

JUNIOR, L. A. Sobre uma epistemologia para a aprendizagem. In: SISTO, F. F.; DOBRÁNSZKY, E. A.; MONTEIRO, A. (org.) Cotidiano Escolar: Questões de Leitura Matemática e Aprendizagem. Petrópolis: Vozes; Bragança Paulista: USF, 2001.

LOPES, E. A. M.; BIZERRIL, M. X. A. Vídeo e Educação do Campo: novas tecnologias favorecendo o Ensino de Ciências Interdisciplinar. In: MOLINA, M. C. (Org.) Licenciaturas em Educação do Campo e o ensino de Ciências Naturais: desafios à promoção do trabalho docente interdisciplinar. Brasília: MDA, 2014. p. 201-230.

MOLINA, M. C. (Org.). Licenciaturas em Educação do Campo e o ensino de Ciências Naturais: desafios à promoção do trabalho docente interdisciplinar. Brasília: MDA, 2014. 268p

MOLINA, M. C.; HAGE, S. M. Política de Formação de Educadores do Campo no Contexto da Expansão da Educação Superior. Revista Educação em Questão, v. 51, n. 37, p. 121-146, jan./abr. 2015. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/educacaoemquestao/article/view/7174/5300. Acesso em: 30 ago. 2017.

MOLINA, M. C. Possibilidades e limites de transformação das escolas do campo: reflexões suscitadas pela Licenciatura em Educação do Campo – UFMG. In: ANTUNES-ROCHA, M. I.; MARTINS, A. A. Educação do Campo: Desafios para a formação de professores. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

MORENO, G. S. Ensino de Ciências da Natureza, Interdisciplinaridade e Educação do Campo. In: MOLINA, M. C. (Org.) Licenciaturas em Educação do Campo e o ensino de Ciências Naturais: desafios à promoção do trabalho docente interdisciplinar. Brasília: MDA, 2014. p. 181-200.

OLIVEIRA, E. B. O.; SANTOS, F. N. 5 Pressupostos e definições em interdisciplinaridade: diálogo com alguns autores. Revista Interdisciplinaridade, n.11, p. 1-151, out. 2017. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/interdisciplinaridade/article/download/34709/23806. Acesso em: 24 jul. 2020.

PARAÍSO, M. A. Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação e currículo: trajetórias, pressupostos, procedimentos e estratégias analíticas. In: MEYER, D. E.; PARAÍSO, M. A. (Org.) Metodologias de Pesquisas Pós-críticas em Educação. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2014, p. 25-47.

PEREZ, O. C. O Que é Interdisciplinaridade? Definições mais comuns em Artigos Científicos Brasileiros. Revista Interseções, v. 20 n. 2, p. 454-472, dez. 2018.

POMBO, Olga. Interdisciplinaridade e integração dos saberes. Liinc em Revista, v.1, n.1, p. 3 -15, mar. 2005. Disponível em: http://revista.ibict.br/liinc/article/view/3082/2778. Acesso em: 26 de jul. 2020

SARTORI, A. S. T. O lúdico na educação matemática escolar: efeitos na constituição do sujeito infantil contemporâneo. Dissertação de Mestrado em Educação Científica e Tecnológica - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015.

SERRES, M. Hominescências: o começo de uma outra humanidade. Rio de Janeiro: Beltrand Brasil, 2003.

TADEU, T.; CORAZZA, S.; ZORDAN, P. Linhas de escrita. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

TRAVERSINI, C.; FERREIRA, M. A análise Foucaultiana do discurso como ferramenta metodológica de pesquisa. Educação e Realidade, v. 38, n. 1, p. 207-226, jan./mar. 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/edreal/v38n1/12.pdf. Acesso em: 09 set. 2016.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. Faculdade de Educação. Projeto Político Pedagógico do Curso de Licenciatura em Educação do Campo do Campus Litoral Norte. Porto Alegre: UFRGS, 2013.

VASCONCELOS, V. M. M.; SCALABRIN, R. Ensino interdisciplinar na área de Ciência da Natureza e Matemática em um contexto agroecológico. In: MOLINA, M. C. (Org.) Licenciaturas em Educação do Campo e o ensino de Ciências Naturais: desafios à promoção do trabalho docente interdisciplinar. Brasília: MDA, 2014. 268p

VEIGA-NETO, A. Olhares.... In: COSTA, M. V. (Org.). Caminhos Investigativos I: novos olhares na pesquisa em Educação. Rio de Janeiro: Lamparina, 2007, p. 23-38.

VEIGA-NETO, A. Tensões Disciplinares e Ensino Médio. In: SEMINÁRIO NACIONAL: CURRÍCULO EM MOVIMENTO, 2010, Belo Horizonte. Anais do I - Perspectivas Atuais, Belo Horizonte, 2010.

Arquivos adicionais

Publicado

2021-05-21

Edição

Seção

Artigos