Promoção da saúde através da educação popular e práticas corporais: potencializando o cuidado e fortalecendo os vínculos sociais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8042.2020e65380

Resumo

As ações de promoção à saúde podem servir como estratégia de fomento da democracia e participação social, e desse modo, a criação de grupos de promoção de saúde vinculados a perspectiva da Educação Popular passa a ter um papel fundamental na democracia participativa. Este trabalho relata a formação de um grupo de promoção de saúde com ações pautadas na Educação Popular em saúde e nas práticas corporais realizado por residentes do Programa de Residência Multiprofissional em Atenção Básica/ Saúde da Família de uma Universidade. Este grupo, denominado “Movimenta SUS”, formou-se como um grupo multiprofissional com o intuito de cuidado integral, para trabalhar ações de educação popular e práticas corporais. A experiência permitiu o fortalecimento do vínculo, da autonomia, do cuidado de si e do outro, da utilização de espaços públicos, do sentimento de pertencimento, identidade cultural, da construção de uma consciência crítica e a experimentação de diferentes experiências.

Biografia do Autor

João Batista de Oliveira Junior, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutorando em Saúde Coletiva (PPGSC/UFSCMestre em Saúde Coletiva (PPGSC/UFSC)Especialista em Atenção Básica/ Saúde da Família (UNIVALI)

Luana Bertamoni Wachholz, Universidade do Vale do Itajaí

Mestre em Saúde e Gestão do Trabalho

George Saliba Manske, Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI

Doutor em Educação (PPGEDU/UFRGS) Líder do Grupo de Estudos e Pesquisa em Estudos Culturais (GEPEC/CNpQ)

Fernanda Cornelius Lange, Universidade Federal de Santa Catarina

Mestranda em Saúde Coletiva (PPGSC/UFSC)Especialista em Atenção Básica/ Saúde da Família (UNIVALI)

Referências

BECALLI, M. B. GOMES, I. M. Práticas corporais/atividade física e saúde: da mobilização do sujeito ao movimento da constituição de espaços. In WACHS, F.;

ALMEIDA, U. R.; BRANDÃO, F. F. F. Educação física e saúde coletiva: cenários, experiências e artefatos culturais. p. 199-222, 2016.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988.

BRASIL, Ministério da Saúde. Portaria n. º 198 GM/MS, de 13 de fevereiro de 2004. Institui a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde como estratégia do SUS para a formação e o desenvolvimento de trabalhadores para o setor e dá outras providências. Brasília, Ministério da Saúde, 2004.

BENETTI O. P; CHAGAS R. A; SIQUEIRA T. C. A. A Educação Popular em Saúde na Gestão Participativa do SUS: construindo uma política. In: BRASIL. II Caderno de educação popular em Saúde. DF: Ministério da Saúde, 2014.

BUSS, P. M. Saúde, Sociedade e qualidade de vida. Ciência e Saúde coletiva. 2000;5(1): 163 – 77.

CARVALHO, Y. M. Promoção da saúde, praticas corporais e atenção básica. Revista Brasileira de Saúde da Família (Brasilia), v. VII, p. 33-45, 2006.

COHN, M. G. Empoderamento e participação da comunidade em políticas sociais. Saúde e Sociedade. 2004; 13(2):20-31.

DANTAS, V. L; LINHARES, A. M. B. Círculos de Cultura: problematização da realidade e protagonismo popular. In: BRASIL. II Caderno de educação popular em Saúde. DF: Ministério da Saúde, 2014.

FREIRE, P. Educação como prática de liberdade. 20. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1991.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1987.

LUCHMANN, L. H. H. Abordagens teóricas sobre o associativismo e seus efeitos democráticos. Revista Brasileira de Ciências Sociais. São Paulo, v. 29, n. 85, p. 159-178. Junho 2014.

MENDES, V. M. CARVALHO, Y. M. Práticas corporais e clínica ampliada: experimentando tessituras para a composição de outros modos de cuidado. In WACHS, F.; ALMEIDA, U. R.; BRANDÃO, F. F. F. Educação física e saúde coletiva: cenários, experiências e artefatos culturais. P. 169-198, 2016. (pdf on line)

MENICUCCI, T. M. G. História da reforma sanitária brasileira e do Sistema Único de Saúde: mudanças, continuidades e a agenda atual. Hist. cienc. saude-Manguinhos, Rio de Janeiro , v. 21, n. 1, p. 77-92, Mar. 2014. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010459702014000100077&lng=en&nrm=iso. Acesso em 22 de outubro de 2017.

PEDROZA J. I. S. Educação Popular no Ministério da Saúde: identificando espaços e referências. In: BRASIL. Caderno de educação popular em Saúde. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2007.

ROIO, M. del. Gramsci e a emancipação do subalterno. Revista Sociologia e Política. Curitiba, n. 29, p. 63 -78, nov. 2007.

SANTOS, L. M; DA ROS, M. A; CREPALDI, M. A.; RAMOS, L. R. Grupos de Promoção à Saúde (GPS): uma metodologia para o desenvolvimento da autonomia e das condições de vida e saúde. Revista de Saúde Pública / Journal of Public Health, em prelo no 4810 - 29-06-05, v. 40, p. 346-352, 2006.

SANTOS, R. A. B. G; UCHOA-FIGUEIREDO, L. R; LIMA, L. C. Apoio matricial e ações na atenção primária: experiência de profissionais de ESF e Nasf. Saúde debate, Rio de Janeiro, v. 41, n. 114, p. 694-706, Sept. 2017.

TESSER JÚNIOR, Z. C.; TABORDA, L. R.; SCHAEFER, M. I.; KOVALESKI, D. F. Associativismo civil e saúde: uma revisão de literatura. In: Jornadas Bolivarianas XII Edição, 2016, Florianópolis.

TESSER JÚNIOR, Z. C.; RIBEIRO J.; DOMINGOS, F. L.; BETT, J. V.; LOPES, V. F.; MANENTI, F. M.; et al. O papel do associativismo político na promoção de saúde. Saúde e Transformação Social. 2015; 6(3):1-8.

TESSER JÚNIOR, Z. C. As práticas corporais como práticas de saúde e de cuidado no contexto da promoção da saúde. Tese (Livredocência). Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

Downloads

Publicado

2020-06-03

Edição

Seção

Porta Aberta