O Gigante do Horto: narrativas sobre a construção do Estádio Independência (1948-1950)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8042.2022.e83367

Palavras-chave:

swimming, children, aquatic program

Resumo

Esta investigação tencionou prospectar o movimento de construção do estádio Independência, localizado em Belo Horizonte, MG. Neste sentido, investimos em uma análise de periódicos locais que circularam na cidade entre os anos de edificação deste espaço (1948/1950). Como destaque, dois personagens se sobressaem: o presidente do clube Sete de Setembro e o prefeito belorizontino. Ambos se configuram como peças determinantes para a consecução do projeto, assumindo o jogo político nas diversas instâncias (CBD, FIFA, clubes esportivos e agentes políticos institucionais). Contrariamente ao que se consolidou no discurso do imaginário social (e até mesmo no campo acadêmico), constatamos que o estádio Independência não teve originalmente a sua concepção voltada para a ocorrência de sediar jogos da Copa do Mundo de 1950, mas sim como um investimento do clube de futebol Sete de Setembro, que almejava ter uma imponente praça esportiva na cidade, para rivalizar com seus principais oponentes.

Biografia do Autor

Georgino Jorge de Souza Neto, Universidade Estadual de Montes Claros

Doutorado Departamento de Educação Física e Desportos  

Sarah Teixeira Soutto Mayor, Universidade Federal de Juiz de Fora, Campus Governador Valadares

Doutorado  Departamento de Educação Física

Sílvio Ricardo da Silva, Universidade Federal de Minas Gerais

Pós-doutorado Departamento de Educação Física

Referências

BALE, John. Sport, space and the city. Caldwell: The Blackburn Press, 1993.

CHARTIER, Roger. A História Cultural: entre práticas e representações. Lisboa: Difusão Editorial, 1988. Trad. Maria Manuela Galhardo.

GAFFNEY, Christopher Thomas; MASCARENHAS, Gilmar. O estádio de futebol como espaço disciplinador. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL MICHEL FOCAULT, 1., 2004, Florianópolis, SC. Seminário Internacional Michel Foucault – Perspectivas. Florianópolis, SC: UFSC, 2004.

GINZBURG, Carlo. Sinais: raízes de um paradigma indiciário. In: GINZBURG, Carlo. Mitos, emblemas e sinais. São Paulo: Companhia das Letras, 1990. p. 143-180.

LOPES, Eliane Marta Teixeira. Métodos e Fontes na História da Educação e Educação Física. In: ENCONTRO NACIONAL DE HISTÓRIA DO ESPORTE, LAZER E EDUCAÇÃO FÍSICA, 4., 1996, Belo Horizonte. Coletânea do IV Encontro Nacional de História do Esporte, Lazer e Educação Física. Belo Horizonte: UFMG/EEF, 1996. p. 35-49.

MASCARENHAS, Gilmar. A mutante dimensão espacial do futebol: forma simbólica e identidade. Espaço e Cultura: UERJ, Rio de Janeiro, n. 19-20, p. 61-70, jan./ dez., 2005. Disponível em: https://www.epublicacoes.uerj.br/index.php/espacoecultura/article/view/3492/2420. Acesso em: 01 mai. 2021.

SCHETINO, André Maia. Os Gigantes e as Multidões: estádios e cultura esportiva em belo horizonte (1950-1965). 2014. 143 f. Tese (Doutorado) - Doutorado em História, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2014.

Downloads

Publicado

2022-04-14

Edição

Seção

Artigos Originais