Decolonizando a cultura corporal: algumas reflexões e proposições

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8042.2022.e83784

Resumo

As práticas corporais realizadas na Educação Física Escolar brasileira, em muitos casos, se limitam a esportes de origem euro-estadunidenses, reproduzindo discursos e práticas hegemônicas de grupos privilegiados, e um apagamento da cultura de grupos e sujeitos colocados a margem. Desta forma, o objetivo desse trabalho foi levantar reflexões e proposições para se pensar uma cultura corporal decolonial, para isso foi feita uma aproximação com o currículo cultural da Educação Física. Pensar uma Educação Física Decolonial pressupõe reconfigurar suas práticas pedagógicas, seu currículo, formação docente e toda a base epistemológicas em que foram construídas.  O próprio professor precisa passar constantemente por uma desconstrução.

Biografia do Autor

Andre Luiz das Graças de Sá, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Mestrando em Educação Física (PPGEF/UFRJ)Universidade Federal do Rio de Janeiro (EEFD/UFRJ)

Referências

BERNARDINO-COSTA, Joaze; GROSFOGUEL, Ramón. Decolonialidade e perspectiva negra. Dossiê: Decolonialidade e perspectiva negra. Revista Sociedade e Estado, v. 31, n. 1, p. 15– 24, Jan/Abr. 2016.

BESCHIZZA, Christhian Barcelos Carvalho Lima. Funk Carioca: surgimento e trajetória no século xx. Horizonte Científico, v. 9, n. 2, p. 1–21, 16 dez. 2015.

GOMES, Nilma Lino. Intelectuais Negros e Produção do Conhecimento: algumas reflexões sobre a realidade brasileira. IN: SANTOS, Boaventura de Sousa & MENESES, Maria Paula. Epistemologias do Sul. Edições Almeida; Coimbra, 2009.

GONÇALVES, Rôssi Alves; NERCOLINI, Marildo José. A cultura urbana periférica – silenciamentos e táticas. SOLETRAS, v. 0, n. 36, p. 34–50, 8 out. 2018.

GROSGFOGUEL, Ramón. A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/epistemicídios do longo século XVI. Dossiê: Decolonialidade e perspectiva negra. Revista Sociedade e Estado, v. 31, n. 1, p. 25–49, Jan/Abr. 2016.

JÚNIOR, F. C. G. DE M. Rap como identidade cultural negra e periférica: a aversão de rappers brasileiros a Rede Globo. Rap como Identidade Cultural Negra e Periférica – A Aversão de Rappers Brasileiros a Rede Globo. Anais... In: RAP COMO IDENTIDADE CULTURAL NEGRA E PERIFÉRICA – A AVERSÃO DE RAPPERS BRASILEIROS A REDE GLOBO. 31 out. 2014. Disponível em: https://estudogeral.sib.uc.pt/handle/10316/27446. Acesso em: 17 abr. 2021

KILOMBA, Grada. Quem pode falar? falando do centro, descolonializando conhecimento. In: KILOMBA, Grada. Memórias da Plantação: episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019. Cap. 2. p. 46-69.

NEIRA, Marcos Garcia. O currículo cultural da educação física: pressupostos, princípios e orientações didáticas. Revista e-Curriculum, v. 16, n. 1, p. 4–28, 1 abr. 2018.

PEREIRA, Arliene Stephanie Menezes; GOMES, Daniel Pinto. Epistemologia do sul-corpórea: por uma pedagogia decolonial em educação física. Revista COCAR, Belém, Edição Especial n.4 p. 93-117, Jul./Dez. 2017.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder, Eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, E. (coord.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais perspectivas latinoamericanas. Buenos Aires: Clacso, 2005.

REIS, Ronaldo dos; NEIRA, Marcos Garcia. Educação física cultural e africanidades: exu, saberes discentes e encruzilhadas. Dialogia, n. 38, p. 20456, 30 ago. 2021.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. IN: SANTOS, Boaventura de Sousa & MENESES, Maria Paula. Epistemologias do Sul. Edições Almeida; Coimbra, 2009.

SOARES, Marta Genú. Três décadas de movimento renovador da educação física: alcançamos a maioridade epistemológica? Conexões, v. 8, n. 3, p. 24–34, 30 dez. 2010.

Downloads

Publicado

2022-04-14

Edição

Seção

Porta Aberta