A temática gênero na licenciatura em Educação Física: discussões acerca da formação inicial

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8042.2022.e84292

Palavras-chave:

Gênero, Licenciatura, Formação, Educação física

Resumo

O artigo tem por objetivo analisar as percepções/compreensões acerca da temática gênero no processo de formação de estudantes do curso de Licenciatura em Educação Física do Instituto Federal do Ceará (IFCE). A pesquisa, com abordagem qualitativa, do tipo levantamento e de nível exploratório, compreendeu, como técnica, um questionário semiestruturado. Participaram da pesquisa 30 discentes de duas matrizes curriculares distintas do citado curso. Constatou-se que a temática do gênero se apresenta de três diferentes formas: como uma antinomia entre cultural e biológico; como uma associação entre diversidade e individualidade e, por fim, por meio de uma associação com a formação, adjetivação e outros. Concluímos que o gênero não se apresenta de forma estruturada e planejada nas percepções dos/das discentes, podendo-se inferir que há necessidade de ampliação de discussão sobre a temática e sua devida inserção nos conteúdos disciplinares e transversais do referido curso.

Biografia do Autor

Marcelo Alencar Leite, Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia do Ceará - IFCE

Mestre em Educação pelo POSEDUC da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - UERN, Mossoró (2020). Licenciado e Bacharel em Educação Física pela URCA (2008). Professor efetivo do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará - IFCE desde maio de 2014, atualmente lotado no Campus Limoeiro do Norte. Interesse de estudo sobre Corpo, Cultura e Sociedade; Identidade de Gênero e Sexualidade; Formação Docente nas Temáticas de Corpo, Gênero e Sexualidade.

Normandia Medeiros, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2005). Professora Adjunto II da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Integra, no POSEDUC, a linha de pesquisa práticas educativas, cultura, diversidade e inclusão. Participa (líder) do grupo de pesquisa em formação e profissionalização do professor (Faculdade de Educação/UERN).

Thiago Iwamoto, Pontifícia Universidade Católica Goiás

Doutor em Educação Física pela Universidade de Brasília – UnB. Concursado na Secretaria Municipal de Educação e Esporte (SME) - Prefeitura de Goiânia - Goiás e professor auxiliar l do curso de Educação Física, vinculado à Escola de Formação de Professores e Humanidades da Pontifícia Universidade Católica de Goiás - PUC Goiás. Tem experiência na área de Educação Física atuando principalmente nos seguintes temas: educação física, gênero e sexualidade, corpo e imagem corporal, corporeidade, e ginástica.

Fabiano Devide, Universidade Federal Fluminense

Doutor em Educação Física e Cultura pela Universidade Gama Filho. Atua com a temática de Estudos de Gênero na Educação Física e Esportes, Fundamentos Pedagógicos da Educação Física escolar, História do Esporte. professor Associado do curso de Licenciatura em Educação Física da Universidade Federal Fluminense (UFF), onde lidera o Grupo de Pesquisa em Relações de Gênero na Educação Física (GREGEF).

Dulce Filgueira, Universidade de Brasília

Doutora em Sociologia pela Universidade de Brasília (2001 - bolsa do CNPq). Professora Titular da Universidade de Brasília, atuando na Faculdade de Educação Física da Universidade de Brasília, na graduação e na pós-graduação. É vice-presidente do Research Committe 54 The body in the Social Sciences da Associação Internacional de Sociologia (ISA) e coordena o Núcleo de Estudos do Corpo e Natureza - Grupo de pesquisa certificado pelo CNPq (2002-atual).

Referências

ARAÚJO, Ana Beatriz Carvalho de. DEVIDE, Fabiano Pries. (2019). Gênero e sexualidade na formação em Educação Física: uma análise dos cursos de Licenciatura das Instituições de Ensino Superior do Rio de Janeiro. Revista Arquivos em Movimento, 15(1), 25-41. https://revistas.ufrj.br/index.php/am/issue/view/1197.

ATLAS DA VIOLÊNCIA (2019). Organizadores: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Brasília: Rio de Janeiro: São Paulo: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; Fórum Brasileiro de Segurança Pública. ISBN 978-85-67450-14-8.

AUAD, Daniela. (2018). Educar Meninas e Meninos: relações de gênero na escola. 2. ed. São Paulo: Contexto.

BARDIN, Laurence. (2016). Análise de conteúdo. Almedina. (Trabalho original publicado em 2011).

BOGDAN, Robert. BIKLEN, Sari. (1994). Investigação qualitativa em educação. Porto Editora.

BOURDIEU, Pierre. (2017). A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

BRASIL. (1996) Lei de diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Legislativo, Brasília, DF.

BRASIL. (2001). Parecer CNE/CP 9/2001. Conselho Nacional de Educação, Brasília, DF. http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/009.pdf.

BRASIL. (2015). Resolução nº 2, de 1º de julho de 2015. Conselho Nacional de Educação, Brasília, DF.

BRASIL. (2018) Base Nacional Comum Curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF. http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf.

BRASIL. (2020) Resolução CNE/CP nº 2, de 20 de dezembro de 2019. Conselho Nacional de Educação, Brasília, DF. http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2019-pdf/135951-rcp002-19/file.

BUTLER, Judith. (2015). Problemas de gênero: feminismo e subversão de identidade. Tradução de Renato Aguiar. 8ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

CONNEL, Raewyn. PEARSE, Rebecca. (2015). Gênero: uma perspectiva global. São Paulo: nVersos.

CONNELL, Robert W. (1995). Políticas da masculinidade. Educação e realidade, v. 20, n. 2, p. 185-206. https://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/71725/40671

CORREIA, Marcos Miranda. DEVIDE, Fabiano Pries. TELLES, Sílvio de Cássio Costa. LUTZ, Thulyo. MURAD, Maurício. OLIVEIRA, Gabriela Aragão Souza de. O discurso da licenciatura em Educação Física sobre as questões de gênero na formação profissional em educação física. SALUSVITA, 35 (1), 67-83, 2016. https://secure.unisagrado.edu.br/static/biblioteca/salusvita/salusvita_v35_n1_2016_art_05.pdf

CORSINO, Luciano Nascimento., AUAD, Daniela. (2012). O professor diante das relações de gênero na Educação Física escolar. São Paulo: Cortez.

CRUZ, Marlon Messias Santana. & PALMEIRA, Fernanda Caroline Cerqueira. (2009). Construção de identidade de gênero na Educação Física escolar. Motriz: revista de Educação Física, 15(1), 16-131. https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/lil-516332

DEVIDE, Fabiano Pries. (2020). Estudos de gênero na Educação Física brasileira: entre ameaças e avanços, na direção de uma pedagogia queer. In.: Wenetz, I; Athayde, P.; Lara, L. (Orgs.). Gênero e sexualidade no esporte e na educação física – v. 6 (Ciências do Esporte, Educação Física e Produção do Conhecimento em 40 Anos de CBCE). Natal: EDUFRN. p. 91-105.

Fórum Brasileiro de Segurança Pública (2020). Violência contra a mulher. Dados, pesquisas e análises. Disponível em: https://forumseguranca.org.br/publicacoes/violencia-contra-meninas-e-mulheres/

FREIRE, Paulo. (2001). Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra.

GEERTZ, Clifford. (2012). A interpretação das culturas. 1. ed. Rio de Janeiro: LTC.

GERHARDT, Tatiana Engel. SILVEIRA, Denise Tolfo. (2009). Métodos de pesquisa. Editora da UFRGS. http://www.ufrgs.br/cursopgdr/downloadsSerie/derad005.pdf

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará/Conselho Superior (IFCE). (2011). Resolução Nº 014, de 12 de Abril de 2011. Aprova ad referendum do Conselho Superior o Projeto do Curso de Licenciatura em Educação Física - Campus de Limoeiro do Norte-CE, abr. 2011, p. 215 a 295. (Boletim de Serviço nº 271).

LANZ, Letícia. (2016). Dicionário transgênero. Editora Transgente.

LE BRETON, David. (2017). Sociologia do corpo. 1ª reimpressão. Petrópolis: Vozes.

LOURO, Guacira Lopes. (2000). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. (2ª edição). Autêntica.

LOURO, Guacira Lopes. (2014). Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. (16ª edição). Vozes.

MAUSS, Marcel. (2003). Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosac & Naify.

PRADO, Vagner Matias do. (2014). Entre ditos e não ditos: a marcação social de diferenças de gênero e sexualidade por intermédio das práticas escolares da Educação Física. [Tese Doutorado em Educação – Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho]. Repositório institucional da UEP – RIUEP. https://repositorio.unesp.br/handle/11449/122173

SCOTT, Joan. (1995). Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Revista Educação e Realidade, Porto Alegre, 20 (2), 71-99. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/71721/40667

SILVA, Renato Izidoro da. ZOBOLI, Fábio. CORREIA, Elder Silva. (2016). O corpo no estruturalismo e no pós-estruturalismo: sobre o nascer de novos corpos. Revista de Estudos em Linguagem e Tecnologia – Artefactum, 1(8). http://artefactum.rafrom.com.br/index.php/artefactum/issue/view/17

Downloads

Publicado

2022-06-13

Edição

Seção

Artigos Originais