O caso da canoa incendiada: perfis e relações de pescadores em Salvador (1853-1880)

Autores

  • Rafael Davis Portela Doutorando em História pela City University of New York

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-9222.2015v7n14p127

Palavras-chave:

Pescadores, Trabalhadores do mar

Resumo

Este artigo é uma versão modificada de parte da minha Dissertação de Mestrado. Nele, trato dos pescadores de Salvador na segunda metade do século XIX, lançando mão de documentação de fontes diversas para tentar traçar um perfil desses trabalhadores no que se refere à idade, cor, estado civil, renda, bem como aspectos de sua prática pesqueira: tipo de embarcação prevalecente, formas e arranjos de pesca. Usei como fio condutor do artigo a história de Francisco Xavier de Santana, pescador da povoação do Rio Vermelho, que por alguns anos teve que driblar uma série de ataques e sabotagens contra ele dirigidos para não poder fazer sua pescaria com redes. Durante a análise dos sentidos do caso, procuro articular os dados gerais sobre os pescadores com as suas práticas para entender as lógicas das suas relações, suas conexões políticas e redes de amizade e solidariedade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Davis Portela, Doutorando em História pela City University of New York

Graduado em Licenciatura e Bacharelado em História e Mestre em História Social pelo Programa de Pós-graduação de História pela Universidade Federal da Bahia. Participa da linha de pesquisa Escravidão e Invenção da Liberdade. Atualmente desenvolve pesquisa sobre as elites baianas e suas relações com trabalhadores livres e escravos na passagem do século XIX ao XX.

Referências

BARICKMAN, B. J. Um contraponto baiano: açúcar, fumo, mandioca e escravidão no Recôncavo, 1780-1860, Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2003.

BARICKMAN, B. J. “Até a véspera: o trabalho escravo e a produção de açúcar nos engenhos do Recôncavo baiano (1850-1881), Afro-Ásia, 21-22 (1998-1999).

CARVALHO, José Murilo de. A construção da ordem: a elite política imperial. Brasília, Ed. Universidade de Brasília, 1981.

CASTELLUCCI, Aldrin A. S. Trabalhadores, máquina política e eleições na primeira república (Tese de Doutorado em História, Universidade Federal da Bahia, 2008).

CORDELL, John. “Marginalidade social e apropriação territorial marítima na Bahia”. In: DIEGUES, A. C.; MOREIRA, A. (orgs). Espaço e recursos naturais de uso comum. São Paulo: Nupaub/USP, 2001.

FERREIRA, Marina Baird & ANJOS, Margarida dos (coord.), Novo dicionário Aurélio da língua portuguesa. Curitiba: Positivo, 2009.

GRAHAM, Richard. “Nos tumbeiros mais uma vez: o comércio interprovincial de escravos no Brasil”, Afro-Ásia, 27 (2002).

MALDONADO, Simone Carneiro. Mestres e mares: espaço e indivisão na pesca marítima, São Paulo: Annablume, 1993.

MATTOSO, Kátia M. de Queirós. Bahia, Século XIX: uma província no Império. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1992.

PORTELA, Rafael. “Pescadores na Bahia do Século XIX”. (Dissertação de Mestrado, Universidade Federal da Bahia, 2012).

REIS, João. “De olho no canto: trabalho de rua na Bahia na véspera da Abolição”, Afro-Ásia, 24 (2000).

WILDBERGER, Arnold. Os presidentes da província da Bahia, efetivos e interinos, 1824-1899. Salvador. Typographia Beneditina, 1949.

Downloads

Publicado

2016-06-28

Como Citar

PORTELA, R. D. O caso da canoa incendiada: perfis e relações de pescadores em Salvador (1853-1880). Revista Mundos do Trabalho, Florianópolis, v. 7, n. 14, p. 127-144, 2016. DOI: 10.5007/1984-9222.2015v7n14p127. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/article/view/1984-9222.2015v7n14p127. Acesso em: 7 dez. 2021.