Labuta, sociabilidade, solidariedade e conflito: mulheres pobres, trabalhadoras e negras em Feira de Santana, 1890-1920

Autores

  • Karine Teixeira Damasceno Universidade Federal da Bahia (UFBA)

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-9222.2016v8n16p187

Palavras-chave:

Mulheres Pobres, Trabalhadoras, Negras

Resumo

A partir dos processos-crimes e recenseamentos populacionais no período entre 1890 e 1920, buscamos compreender a experiência de aproximação e de diferenciação entre as mulheres pobres, trabalhadoras e negras de Feira de Santana. Perguntamo-nos como, esta experiência interferiu na sua relação com outros sujeitos sociais e ao reconstituir alguns episódios vivenciados por tais mulheres, observamos que, embora elas compartilhassem a experiência comum de opressão, e em muitos casos, se comportassem de maneiras semelhantes ao escolher a mesma estratégia de autorrepresentação diante da justiça, por diversas vezes encontravam saídas diferentes para resolver seus problemas. Nesse sentido, descortinar o passado dessas personagens trouxe à tona seus valores e os vários momentos de luta pela sobrevivência, sociabilidade e solidariedade construídas por essas mulheres, assim como os conflitos nos quais, de alguma forma, elas estiveram envolvidas. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Karine Teixeira Damasceno, Universidade Federal da Bahia (UFBA)

Doutoranda em História na Universidade Federal da Bahia (UFBA) na área de História com projeto de título: Mulheres negras e os seus na região de Feira de Santana, Bahia (1861-1900) desde 2015, Bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (FAPESB) - desde junho de 2015; Mestra em História pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP/SP) na área de História Social com trabalho intitulado:  Mal ou bem procedidas: cotidiano e transgressão das regras sociais e jurídicas em Feira de Santana (1890-1920)  em 2011; ex-bolsista do Programa Internacional da Bolsas de Pós-Graduação da Fundação Ford (IFP) - Turma 2008 e Graduada em Licenciatura em História pela Universidade Estadual da Feira da Santana (UEFS/BA) em 2006.

Referências

ALMEIDA, Oscar Damião de. Dicionário Personativo, histórico, geográfico e institucional Dicionário de Feira de Santana. Feira de Santana, Editora: Gráfica Nunes Azevedo, 2002.

ANDRADE, Celeste Maria Pacheco de. "Origens do povoamento de Feira de Santana: um estudo de história colonial" (Dissertação de mestrado em História, Universidade Federal da Bahia, 1990).

ANDRADE, Thethê. "O tabuleiro das vendas: um cotidiano marcado pelas lojas das roças". (Dissertação de mestrado em História, Universidade do Estado da Bahia, 2010).

CAULFIELD, Sueann. Em defesa da honra: moralidade, modernidade e nação no Rio de Janeiro, 1918-1940. Campinas: UNICAMP, 2000.

CAULFIELD, Sueann. "Raça, sexo e casamento: crimes sexuais no Rio de Janeiro,

-1940". Afro-Ásia, Salvador, n. 18, p. 125-164, 1996.

CHALHOUB, Sidney. Trabalho, lar e botequim: o cotidiano dos trabalhadores no Rio de Janeiro da Belle Époque. 2ª Ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2001.

CORRÊA, Mariza. Morte em família: representações jurídicas de papéis sexuais. Rio de Janeiro: Graal, 1983.

COSTA, Gomes Valéria. "Mônica da Costa e Teresa de Jesus: africanas libertas, status e rede sociais no Recife oitocentista". In: XAVIER, Giovana; FARIAS, Juliana Barreto; GOMES, Flavia (Orgs.). Mulheres negras no Brasil escravista e do pós-emancipação. São Paulo: Selo Negro, 2012.

CUNHA, Maria Clementina Pereira. "De historiadora, brasileiras e escandinavas: loucura, folias e relações de gênero no Brasil (século XIX e início do século XX)". Tempo, Rio de Janeiro, v. 3, n. 5, p. 181-215, 1998.

DAMASCENO, Karine Teixeira. "Mal ou bem procedidas: cotidiano de transgressão das regras sociais e jurídicas em Feira de Santana, 1890-1920". (Dissertação de mestrado em História, Universidade Estadual de Campinas, 2011.

DAVIS, Natalie Zemon. Histórias de perdão e seus narradores na França do século XVI. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

DIAS, Maria Odila Leite da Silva. Quotidiano e poder: em São Paulo no século XIX. São Paulo: Brasiliense, 1995.

ESTEVES, Martha de Abreu. Meninas perdidas: os populares e o cotidiano do amor no Rio de Janeiro da Belle Époque. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989.

FRAGA FILHO, W. "Migrações, itinerários e esperanças de mobilidade social no Recôncavo baiano após a abolição". Cadernos AEL, Campinas, n. 26, v. 14, 2009.

FREIRE, Luiz Cleber Moraes. "Nem tanto ao mar, nem tanto à terra: agropecuária, escravidão e riqueza em Feira de Santana, 1850-1888". (Dissertação de mestrado em História, Universidade Federal da Bahia, 2007).

GINZBURG, Carlo. Mito, emblemas e sinais: morfologia e história. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

GUIMARÃES, Antonio Sérgio Alfredo. Classes, raças e democracia. São Paulo: Editora 34, 2002.

LIMA, Vivaldo da Costa. "Um Boicote de Africanas na Bahia do século XIX". Revista da Bahia, Salvador, n. 15, p. 16-22, dez. 1989-fev. 1990).

MACHADO, Maria Helena Toledo. "Entre dois Beneditos: histórias de amas de leite no caso da escravidão". In: XAVIER, Giovana; FARIAS, Juliana Barreto; GOMES, Flavia (Orgs.). Mulheres negras no Brasil escravista e do pós-emancipação. São Paulo: Selo Negro, 2012.

MATTOS, Hebe Maria; RIOS, Ana Lugão. Memórias do cativeiro: família, trabalho e cidadania no pós-abolição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

MOREIRA, Diocleciano Vivente, "A agonia ocular de uma cidade cega: seca, agressões ambientais e qualidade de vida em Feira de Santana". In: Humanas, ano 02, jan.-jun., p. 173-199, 2003.

OLIVEIRA, Clóvis Frederico Ramaiana Moraes. "De empório a Princesa do Sertão: utopias civilizadoras em Feira de Santana (1893-1937)". (Dissertação de mestrado em História, Universidade Federal da Bahia, 2000).

POPPINO, Rollie E. Feira de Santana; OLIVEIRA, Ana Maria Carvalho dos Santos. "Feira de Santana em Tempos de Modernidade: olhares, imagens e práticas

do cotidiano (1950-1960)". (Tese de doutorado em História, Universidade Federal de Pernambuco, 2008).

SANTA BÁRBARA, Reginilde Rodrigues. "O caminho da autonomia na conquista da dignidade: sociabilidades e conflitos entre lavadeiras em Feira de Santana – Bahia (1929-1964)" (Dissertação de mestrado em História, Universidade Federal da Bahia, 2007).

SCOTT, Joan Wallach. "Prefácio a gender and politics of history". Cadernos Pagu, Campinas, n. 3, p. 11-27, 1994.

SCOTT, Joan. “Gênero: uma categoria útil para a análise histórica”. Disponível em: http://www.dhnet.org.br/direitos/textos/generodh/gen_categoria.html. Acesso em: 4 abr. 2011.

SCOTT, Joan. "História das mulheres". In: BURKE, Peter (Org.). A escrita da história: novas perspectivas. São Paulo: UNESP, 1992.

SILVA, Andréa Santos Teixeira. “Entre a casa de farinha e a estrada Bahia-Feira: experiências camponesas de conflito e sociabilidade na garantia da sobrevivência, Feira de Santana (1948-1960)”. (Dissertação de mestrado em História, Universidade Federal da Bahia, 2008).

SILVA, Maciel Henrique. Nem mãe preta, nem negra fulô: história de trabalhadoras em Recife e Salvador (1870-1910). Jundiaí: Paco Editorial, 2016.

SOUZA, Flavia Fernandes de. "Escravas do lar: as mulheres negras e o trabalho doméstico na corte imperial". In: XAVIER, Giovana; FARIAS, Juliana Barreto; GOMES, Flavia (Orgs.). Mulheres negras no Brasil escravista e do pós-emancipação. São Paulo: Selo Negro, 2012.

THOMPSON, Edward Palmer. A formação da classe operária inglesa, v. I: a árvore da liberdade. 4ª Edição. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

Downloads

Publicado

2017-05-25

Como Citar

DAMASCENO, K. T. Labuta, sociabilidade, solidariedade e conflito: mulheres pobres, trabalhadoras e negras em Feira de Santana, 1890-1920. Revista Mundos do Trabalho, Florianópolis, v. 8, n. 16, p. 187-201, 2017. DOI: 10.5007/1984-9222.2016v8n16p187. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/article/view/1984-9222.2016v8n16p187. Acesso em: 24 jan. 2022.