Uma questão de sal do cotidiano: literatura, boemia e trabalho Anthístenes Pinto

Autores

  • Vinicius Alves do Amaral Universidade Federal Fluminense

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-9222.2017v9n17p143

Resumo

O romance Os Agachados, de Antísthenes Pinto, aborda a boemia amazonense de um ponto de vista aparentemente óbvio. Contudo, para um pesquisador atento ele pode ajudar a compreender as tensões existentes entre a intelectualidade e os mundos do trabalho na Manaus da década de 1980. Utilizando-se da contribuição de Pierre Bourdieu sobre habitus e campo intelectual e de Edward Palmer Thompson sobre a economia moral da multidão, pretendo analisar as principais transformações da capital amazonense por meio dessa obra.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vinicius Alves do Amaral, Universidade Federal Fluminense

Doutorando em História pela Universidade Federal Fluminense. Mestre em História Social pela Universidade Federal do Amazonas.

Referências

BENJAMIN, Walter. “O autor como produtor”. In: _______. Obras escolhidas. Flávio R. Kothe (org.). São Paulo: Ática, 1985.

BOURDIEU, Pierre. “A institucionalização da anomia”. In: _______. Poder simbólico. Trad. Fernando Thomaz. 14. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.

BOURDIEU, Pierre. “Espaço social e a gênese das classes”. In: _______. Poder simbólico. Trad. Fernando Thomaz. 14. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.

BOURDIEU, Pierre. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Campinas: Papirus Editora, 1996.

BOURDIEU, Pierre. “O mercado de bens simbólicos”. In: _______. A economia das trocas simbólicas. Trad. Sérgio Miceli. 6. ed. São Paulo: Perspectiva, 2009.

CÂNDIDO, Antônio. A educação pela noite. São Paulo: Editora Ática, 1988.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: artes de fazer. 17. ed. Trad. Eprahim Ferreira Alves. Petrópolis: Vozes, 2011.

DANTAS, Paula. “Desordem em progresso: crime e criminalidade em Manaus (1905-1915)”. (Dissertação de mestrado em História, Universidade Federal do Amazonas, 2014).

ENGRÁCIO, Arthur. Histórias de Submundo. 2. ed. Manaus: Editora Valer/ Governo do Estado do Amazonas/Uninorte, 2005.

ENGRÁCIO, Arthur. Afrânio Castro: o quadro sem retoque. Manaus: Governo do Estado do Amazonas, 1992.

FARIAS, Elson. Memórias literárias. Manaus: Editora Valer/Governo do Estado do Amazonas/ Uninorte, 2006.

FARIAS, Orlando. A dança dos botos e outros mamíferos do poder. Manaus: Editora Valer, 2010.

FENELON, Déa Ribeiro. “Cultura e História Social: historiografia e pesquisa”. Projeto História, São Paulo, n. 10, dez. 1993.

GOMES, Angela de Castro. A invenção do trabalhismo. 3. ed. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas.

GOMES, Flávio dos Santos; NEGRO, Antônio Luigi. “Além das senzalas e das fábricas”. Tempo Social, São Paulo, n. 18, v. 1, p. 233-234, jun. 2006.

MICELI, Sérgio. Intelectuais à brasileira. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

MICHILES, Aurélio. E tu me amas? Revista Somanlu, Manaus, ano 5, n. 1, p. 13, jan.-jun., 2005.

ORTIZ, Renato. Cultura brasileira e identidade nacional. São Paulo: Brasiliense, 2010.

PINHEIRO, Luís Balkar Sá Peixoto. “Mundos do trabalho em Manaus, 1920-1945: uma proposta de Investigação”. In: XXIV SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA – ANPUH, 2007, São Leopoldo/RS. Anais do XXIV Simpósio Nacional de História. São Leopoldo: Unisinos, 2007. (Anais eletrônicos).

PINTO, Antísthenes. Poesia reunida. Manaus: Puxirum, 1987.

PINTO, Antísthenes. Os agachados. Manaus: Casa Editora Madrugada/SUFRAMA, 1985.

PINTO, Antísthenes. Curvas do Tempo. Manaus: ed. autor, 1984.

RAMA, Angel. A cidade das letras. Trad. Emir Sader. São Paulo: Brasiliense, 1985.

REIS FILHO, Milton Melo dos. A saga dos operários em Manaus: 1980. Manaus: EDUA, 2013.

SAMUEL, Raphael. O que é a História Social? Revista História Social, Valência, n. 10, Instituto de História Social/ UNED, p. 135, 1991.

Downloads

Publicado

2017-12-13

Como Citar

AMARAL, . A. do. Uma questão de sal do cotidiano: literatura, boemia e trabalho Anthístenes Pinto. Revista Mundos do Trabalho, Florianópolis, v. 9, n. 17, p. 143–157, 2017. DOI: 10.5007/1984-9222.2017v9n17p143. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/article/view/1984-9222.2017v9n17p143. Acesso em: 28 nov. 2022.