Trabalho escravo em Belém do Grão-Pará no contexto de crise da escravidão negra (1871-1888): qualificação profissional, lugares e formas de trabalho

Autores

  • Luiz Carlos Laurindo Junior Universidade Federal do Oeste do Pará

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-9222.2017v9n17p29

Resumo

O presente artigo enfoca o trabalho escravo na cidade de Belém, capital da província do Pará, nas décadas de 1870 e 1880, contexto de crise e abolição da escravidão negra no Brasil, com destaque para três questões específicas: a qualificação profissional dos escravos urbanos, os lugares onde os mesmos trabalhavam e as formas como eram empregados por seus senhores. Situado entre os estudos sobre a escravidão urbana nas Américas, a análise se baseou em documentos do Poder Judiciário, jornais, relatórios e falas da Presidência provincial, entre outros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Carlos Laurindo Junior, Universidade Federal do Oeste do Pará

Doutorando do Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade de São Paulo. Professor do curso de História da Universidade Federal do Oeste do Pará.

Referências

ALGRANTI, Leila Mezan. O feitor ausente: estudo sobre a escravidão urbana no Rio de Janeiro (1808-1822). Petrópolis: Ed. Vozes, 1988.

ANDRADE, Maria José de Souza. A mão de obra escrava em Salvador, 1811/1860. São Paulo: Corrupio; Brasília: CNPQ, 1988.

AZEVEDO, Célia Maria Marinho. Onda Negra, medo branco: o negro no imaginário das elites - século XIX. São Paulo: Annablume, 2004.

BATISTA, Luciana Marinho. "Muito além dos seringais: elites, fortunas e hierarquias no Grão-Pará, c.1850-c.1870". (Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2004).

BERNARDELLI, Mara Lúcia Falconi da Hora. "Contribuição ao debate sobre o urbano e o rural". In: SPOSITO, Maria Encarnação Beltrão; WHITACKER, Arthur Magon (orgs.). Cidade e campo: relações e contradições entre o urbano e o rural. 2. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2010.

BEZERRA NETO, José Maia. Escravidão negra no Grão-Pará (séculos XVII-XIX). 2. ed. Belém: Paka-Tatu, 2012.

BEZERRA NETO, José Maia. "Por todos os meios legítimos e legais: as lutas contra a escravidão e os limites da abolição (Brasil, Grão-Pará: 1850-1888)". (Tese de doutorado, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2009).

CANCELA, Cristina Donza. "Casamento e relações familiares na economia da borracha (Belém, 1870-1920)". (Tese de doutorado, Universidade de São Paulo, 2006).

DIAS, Maria Odila L. da S. Quotidiano e poder em São Paulo no século XIX. São

Paulo: Brasiliense, 1995.

FERREIRA, Roberto Guedes. "Autonomia escrava e (des)governo senhorial na cidade do Rio de Janeiro da primeira metade do século XIX". In: FLORENTINO, Manolo (org.). Tráfico, cativeiro e liberdade (Rio de Janeiro, séculos XVII-XIX). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

KARASCH, Mary C. A vida dos escravos no Rio de Janeiro (1808-1850). São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

LAPA, José Roberto do Amaral. Os excluídos: contribuição à história da pobreza no Brasil (1850-1930). Campinas: Ed. da Unicamp, 2008.

LAURINDO JUNIOR, Luiz Carlos. "A cidade de Camilo: escravidão urbana em Belém do Grão-Pará (1871-1888)". (Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Pará, 2012).

LOBO, Marcelo Ferreira. "Direito e escravidão: ações de liberdade em Belém na segunda metade do século XIX". (Monografia de conclusão de graduação, Universidade Federal do Pará, 2010).

MACÊDO, Sidiana da Consolação Ferreira de. "Daquilo que se come: uma história do abastecimento e da alimentação em Belém (1850-1900)". (Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Pará, 2009).

MARQUESE, Rafael de Bivar. "A Guerra Civil dos Estados Unidos e a crise da escravidão no Brasil". Afro-Ásia, n. 51, pp. 37-71, 2015.

MATTOS, Marcelo Badaró. "Trabalhadores escravizados e livres no Rio de Janeiro na segunda metade do século XIX". Revista Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, n. 12, pp. 229-251, 2004.

MATTOS, Wilson Roberto de. Negros contra a ordem: Astúcias, resistências e liberdades possíveis (Salvador, 1850-1888). Salvador: EDUNEB, EDUFBA, 2008.

MENDONÇA, Joseli Maria Nunes. Entre a mão e os anéis: a Lei dos Sexagenários e os caminhos da abolição no Brasil. Campinas: Editora da UNICAMP, 2008.

NUNES, Francivaldo Alves. "Sob o signo do moderno cultivo: Estado imperial e agricultura na Amazônia". (Tese de doutorado, Universidade Federal Fluminense, 2011).

PALHA, Bárbara da Fonseca. "Escravidão negra em Belém: mercado, trabalho e liberdade (1810-1850)". (Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Pará, 2011).

PIRES, Maria de Fátima Novaes. O crime na cor: escravos e forros no alto sertão da Bahia (1830-1888). São Paulo: Annablume, FAPESP, 2003.

REIS, João José. Rebelião escrava no Brasil: a história do levante dos malês em 1835. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

SALLES, Vicente. O negro no Pará sob o regime da escravidão. 3. ed. Belém: IAP, Programa Raízes, 2005.

SALLES, Vicente. O negro na formação da sociedade paraense. Textos reunidos. Belém: Paka-Tatu, 2004.

SARGES, Maria de Nazaré. Belém: Riquezas produzindo a belle-époque (1870-1912). Belém: Paka-Tatu, 2002.

SCOTT, Rebecca J. Emancipação escrava em Cuba: a transição para o trabalho livre, 1860-1899. Rio de Janeiro/Campinas: Paz e Terra/Ed. da Unicamp, 1991.

SILVA, Marilene Rosa Nogueira da. Negro na rua: a nova face da escravidão. São Paulo: HUCITEC; Brasília: CNPQ, 1988.

SOARES, Luiz Carlos. O "Povo de Cam" na Capital do Brasil: a escravidão urbana no Rio de Janeiro do século XIX. Rio de Janeiro: Faperj, 7 Letras, 2007.

TOMICH, Dale W. Pelo prisma da escravidão: trabalho, capital e economia mundo. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2011.

WISSENBACH, Maria Cristina Cortez. Sonhos africanos, vivências ladinas: escravos e forros em São Paulo (1850-1880). 2. ed. São Paulo: Hucitec, 1998.

Downloads

Publicado

2017-12-13

Como Citar

LAURINDO JUNIOR, . C. Trabalho escravo em Belém do Grão-Pará no contexto de crise da escravidão negra (1871-1888): qualificação profissional, lugares e formas de trabalho. Revista Mundos do Trabalho, Florianópolis, v. 9, n. 17, p. 29–45, 2017. DOI: 10.5007/1984-9222.2017v9n17p29. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/article/view/1984-9222.2017v9n17p29. Acesso em: 28 nov. 2022.