Trabalho, territorialização e conflito pelo uso dos recursos naturais no Rio Madeira /AM (1861 - 1932)

Autores

  • Davi Avelino Leal Universidade Federal do Amazonas

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-9222.2017v9n17p47

Resumo

 O texto objetiva problematizar o momento em que as populações amazônicas passam por uma das experiências mais dramáticas da sua história. Trata-se da incorporação da região à lógica da economia mercantil em meados do século XIX, a partir da exploração da força de trabalho de povos indígenas e de comunidades ribeirinhas, mobilizados para a extração de produtos da floresta, em especial a goma elástica. Esse (novo) processo de territorialização é marcado por estratégias de imobilização da força de trabalho estabelecidas principalmente pelo controle dos recursos naturais encontrados na região.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Davi Avelino Leal, Universidade Federal do Amazonas

Professor de História do Amazonas do Departamento de História da Universidade Federal do Amazonas. Doutor em Sociedade e Cultura na Amazônia (UFAM).

Referências

AFFONSO, Almino. Comendador Monteiro: troncos e ramagens. Manaus, Valer, 2004.

ALBUQUERQUE, Walmir. "O Regatão e a comunicação na Amazônia". (Tese de Doutorado em Comunicação Social na Universidade de São Paulo, 1980).

ARAÚJO LIMA, André. Introdução à sociologia da Amazônia. Manaus: Valer, 2004.

CARVALHO, José. Os recursos naturais da Amazônia. Museu Nacional, 1964.

CARDOSO, Antonio Alexandre: “Nos meandros da história do rio Purus: problemáticas de alteridades e os mundos do trabalho no século XIX”. In: AMOROSO, Marta Rosa. Paisagens Ameríndias. São Paulo: Editora Terceiro Nome, 2013.

CASTELNAU, Francis. Expedição às regiões centrais da América do Sul. Trad: Olivério Pinto. São Paulo:

Companhia Editora Nacional, 1949, Tomo: I e II. Biblioteca Pedagógica Brasiliana, série 5, vol. 266.

COUTINHO, João Martins da Silva. Relatório sobre alguns lugares da província do Amazonas especialmente do rio Madeira. Manaus: Codeama/IGHA, 1986.

COUTO, Márcio; MORAES, Laura Trindade. “Estradas líquidas e comércio sólido: índios e regatões na Amazônia do século XIX”. Revista de História. São Paulo, n. 171, p. 49-72, jan-dez. 2014.

CUNHA, Manuela. História dos Índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

DAOU, Ana Maria Lima. O espetáculo das tartarugas. http://bv.cultura.am.gov.br/templates/areatematica/seriememoria/pdfs/85f36e11bcfb57326e5631a1cf008913.pdf, acesso em 18/06/2016.

FEENY, David. "A tragédia dos comuns vinte anos depois". In: MOREIRA, A. C.; DIEGUES, A. C. (Orgs.). Espaços e Recursos Naturais de Uso Comum. São Paulo: NUPAUB/USP, 2001.

HARDIN, G. The "Tragedy of the commons". Science, vol. 162, p. 1243-1249, dez. 1968.

HARRIS, Mark. Presente Ambivalente: uma maneira amazônica de estar no tempo. In: Sociedades Caboclas Amazônicas. São Paulo: FAPESP, 2006.

HUGO, Vitor. Os Desbravadores. Manaus: Edição da Missão Salesiana de Humaitá (vol. I e II), 1959.

GALVÃO, Eduardo. "Panema: uma crença do caboclo amazônico". In: Encontros de Sociedade: índios e

brancos no Brasil. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

GOULARD, Alípio. O Regatão: mascate fluvial da Amazônia. Rio de Janeiro: Conquista, 1968.

MACGRATH, David. "Os parceiros no crime: o regatão e a resistência cabocla na Amazônia tradicional". Novos Cadernos do Naea, vol. 02, n. 03, p 57-72, dez. 1999.

MENENDEZ, Miguel. "Contribuição para uma etno-história da área Tapajós-Madeira". In: CARNEIRO DA

CUNHA, Manuela. História dos Índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

MONTEIRO, Mario Ypiranga. O Regatão: notícia histórica. Manaus: Editora Sérgio Cardoso, 1958.

NEVES, Walter; ADAMS, Cristina; MURRIETA, Rui. "As sociedades caboclas amazônicas: modernidade e invisibilidade". In: Sociedades Caboclas Amazônicas. São Paulo: FAPESP, 2006.

OLIVEIRA, João Pacheco de. "Uma etnologia dos índios misturados? situação colonial, territorialização e fluxos culturais". Mana: Revista de Estudos de Antropologia Social. Rio de Janeiro, 4(1): 47-77, abril de 1998.

PINTO, Renan Freitas. Viagem das Ideias. Manaus: Valer, 2006.

SCOTT, James C. “Detrás de la historia oficial”. In: ______. Los dominados y la arte de la resistência: discursos ocultos. Tradución: Jorge Aguilar Mora. México: Ediciones Era, 2004.

SPIX, John; MARTIUS, Carl. Viagem pelo Brasil: 1817-1820. Tradução: Lúcia Furquim Lahmeyer. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia/São Paulo: USP, 1981, p. 194.

THOMPSON, E. P. Costume, Lei e Direito Comum. In. Costumes em Comum. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

THOMPSON, E.P. Senhores e Caçadores: a origem da Lei Negra. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

VERÍSSIMO, José. A Pesca na Amazônia. Belém: Universidade Federal do Pará, 1970.

Downloads

Publicado

2017-12-13

Como Citar

LEAL, . A. Trabalho, territorialização e conflito pelo uso dos recursos naturais no Rio Madeira /AM (1861 - 1932). Revista Mundos do Trabalho, Florianópolis, v. 9, n. 17, p. 47–61, 2017. DOI: 10.5007/1984-9222.2017v9n17p47. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/article/view/1984-9222.2017v9n17p47. Acesso em: 28 nov. 2022.