A trajetória de Tácito Pires entre a história social do trabalho e do pós-abolição (Rio Grande do Sul, 1874-1939)

Melina Kleinert Perussatto

Resumo


Por meio da trajetória de Tácito Pires e de alguns de seus escritos, busca-se conectar questões da história social do trabalho com estudos do pós-abolição. Dentre os desafios, o de transformar em problema histórico a cor dos trabalhadores e apreender a maneira como ideias de raça foram manejadas pelos próprios sujeitos. Nascido de ventre livre em 1874 em Porto Alegre, Tácito Pires faleceu em 1939 na cidade natal. Desde 1908 deslocou-se pelo Estado como professor público, mantendo residência por maior tempo em Bagé.


Palavras-chave


Trajetória; História social do trabalho; Pós-abolição

Texto completo:

PDF/A

Referências


ALLANIZ, Anna Gicelle. Ingênuos e libertos: estratégias de sobrevivência familiar em épocas de transição. 1871-1895. Campinas: CMU/Unicamp, 1997, p. 39.

ALBUQUERQUE, Wlamyra. O jogo da dissimulação. Abolição e cidadania negra no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 2009.

BATALHA, Cláudio. “A difusão do marxismo e os socialistas brasileiros na virada do século XIX”. In: MORAES, Quartim de (org.). História do marxismo no Brasil. Campinas, UNICAMP, 1995.

CASTELLUCCI, Aldrin; SCHMIDT, Benito (orgs). “Dossiê biografia e história do trabalho (I)”. Revista Mundos do Trabalho, vol. 8, n. 15, jan.-jul. 2016.

CASTELLUCCI, Aldrin; SCHMIDT, Benito (orgs). “Dossiê biografia e história do trabalho (II)”. Revista Mundos do Trabalho, vol. 9, n. 15, jul.-dez., 2016.

CASTELLUCCI, Aldrin. Trabalhadores e política no Brasil: do aprendizado do Império aos sucessos da Primeira República. Salvador: Eduneb, 2015.

CHALHOUB, Sidney. Machado de Assis: historiador. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

CHALHOUB, Sidney. “Precariedade estrutural: o problema da liberdade no Brasil escravista (século XIX)”. História Social, vol. 19, p. 33-69, 2010.

DU BOIS, W.E.B. As Almas da Gente Negra. Tradução: Heloísa TollerGomes. Lacerda Editores: Rio de Janeiro, 1999.

FIGUEIRA, Patrícia Ferreira Fernandes. “Lourenço Filho e a Escola Nova no Brasil: estudo sobre os Guias do Mestre da série graduada de leitura Pedrinho” (Dissertação de mestrado, Universidade Estadual Paulista, 2010).

GILROY, Paul. O Atlântico Negro: Modernidade e Dupla Consciência. Rio de Janeiro, Editora 34/UCAM - Centro de Estudos Afro-Asiáticos, 2002.

GLEDHILL, Sabrina. Travessias no Atlântico Negro: reflexões sobre Booker T. Washington e Manuel R. Querino. Birmingham: Editora Funmilayo Publishing, 2018.

GOMES, Fabricio. Sob a proteção da princesa e de São Benedito: Identidade Étnica e Projetos num Clube Negro de Caxias do Sul (1934-1988). Jundiaí: Paco Editorial, 2013.

GRAMSCI, Antonio. Os intelectuais e a organização da cultura. 4. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1982.

GURIDY, Frank Andre. “Forging Diaspora in the Midst of Empire: The Tuskegee-Cuba Connection”. In: Forging Diaspora: Afro-Cubans and African Americans in a World of Empire and Jim Crow. Chapel Hill: The University of North Carolina Press, 2010, p. 17-60. Tradução: Rane Morais Souza. Revisão técnica: Ana Flávia Magalhães Pinto.

LIMA FILHO, Henrique Espada. “Sob o domínio da precariedade: escravidão e os significados da liberdade de trabalho”. Topoi, vol. 6, n. 11, p. 289-326, jul./dez. 2005.

LONER, Beatriz Ana. Construção de classe: operários de Pelotas e Rio Grande (1888-1930). 2. ed. rev. ampl. Pelotas: Editora da UFPel, 2016.

MARÇAL, João Batista. Primeiras Lutas Operárias no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Livraria do Globo/Museu do Trabalho, 1985, 91-99.

MENDONÇA, Joseli. Evaristo de Moraes: tribuno da República. Campinas: Editora da Unicamp, 2007.

MOREIRA, Paulo. “Ingênuas mortes negras: doenças e óbitos dos filhos do ventre livre (Porto Alegre/RS - 1871/1888)”. Territórios e Fronteiras, vol. 6, p. 94-103, 2013.

MOREIRA, Paulo; PINTO, Natália Garcia. “Sem lar, viviam abrigados sob o teto da casa dos seus senhores”: experiências de vida e morte dos filhos do Ventre Livre (Porto Alegre e Pelotas, RS – 1871-1888). In: CARDOZO, José Carlos et al. (orgs.). História das crianças no Brasil Meridional. São Leopoldo: Oikos, 2016.

MOREIRA, Paulo. Entre o deboche e a rapina: Os cenários sociais da criminalidade popular (Porto Alegre - século XIX). Porto Alegre: Armazém Digital, 2009.

NASCIMENTO, Álvaro Pereira. “Trabalhadores negros e o ‘paradigma da ausência’: contribuições à história social do trabalho no Brasil”. Estudos Históricos, vol. 29, n. 59, p. 607-626, set.-dez. 2016.

PERUSSATTO, Melina Kleinert. “Arautos da liberdade: educação, trabalho e cidadania no pós-abolição a partir do jornal O Exemplo de Porto Alegre (c.1892-c.1911)”. (Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2018).

PETERSEN, Sílvia; LUCAS, Maria Elizabeth. Antologia do movimento operário gaúcho (1870-1937). Porto Alegre: Editora da UFRGS/Tchê!, 1992.

PETERSEN, Silvia. Que a união operária seja a nossa pátria! História das lutas dos operários gaúchos para construir suas organizações. Porto Alegre: Editora da UFRGS; Editora da UFSM, 2001.

PINTO, Ana Flávia Magalhães. “Vicente de Souza, homem de cor e homem universal: posicionamentos sobre raça e trajetória de um abolicionista, republicano e socialista negro no final do século XIX”. In: VI ENCONTRO ESCRAVIDÃO E LIBERDADE NO BRASIL MERIDIONAL, 2017, Florianópolis/SC. Anais... Florianópolis, UFSC, 2017, p. 1-17 (Anais eletrônicos).

PINTO, Ana Flávia Magalhães. “Fortes laços em linhas rotas: literatos negros, racismo e cidadania na segunda metade do século XIX”. (Tese de Doutorado, Universidade Estadual de Campinas, 2014).

PINTO, Ana Flávia Magalhães. Imprensa negra no Brasil do século XIX. São Paulo: Selo Negro, 2010.

RIOS, Ana Lugão; MATTOS, Hebe Maria. “O pós-abolição como problema histórico: balanços e perspectivas”. Topoi, vol. 5, n. 8, p. 170-198, jan./jun. 2004.

ROEDIGER, David. “E se o trabalho não fosse branco e masculino? Recentrando a história da classe trabalhadora e estabelecendo novas bases para o debate sobre sindicatos e raça”. FORTES, Alexandre et al. (orgs.). Cruzando Fronteiras: novos olhares sobre a história do trabalho. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2013, p. 17-59.

SCHMIDT, Benito. “Que diferença faz? Os estudos biográficos na história do trabalho brasileira”. FORTES, Alexandre et al. (orgs.). Cruzando Fronteiras: novos olhares sobre a história do trabalho. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2013, p. 61-76.

SCHMIDT, Benito. Em busca da terra de promissão: a história de dois líderes socialistas. Porto Alegre: Palmarinca, 2004.

SCHWARTZ, Stuart B. “Abrindo a roda da família: compadrio e escravidão em Curitiba e na Bahia”. In: Escravos, Roceiros e Rebeldes. Tradução de Jussara Simões. Bauru (SP): Edusc, 2001, p. 263-292.

SIRINELLI, François. “Os Intelectuais”. In: REMOND, René (org.). Por uma História Política. 2. ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2003.

SLENES, Robert. Na Senzala, uma Flor: esperanças e recordações na formação da família escrava – Brasil, Sudeste, século XIX. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

VARGAS, João Costa. “Hyperconsciousness of race and its negation: the dialectic of White supremacy in Brazil”. Identities: Global Studies in Culture and Power, vol. 11, n. 4, p. 443-470, 2004.

WEIMER, Rodrigo de Azevedo. “Em que a trajetória do sr. Manoel Inácio Marques Neto pode contribuir à compreensão da formação do proletariado brasileiro? (Rio Grande do Sul, década de 50 do século XX)”. Revista Mundos do Trabalho, vol. 8, n. 16, p. 11-32, 2017.

ROSA, Marcus Vinícius de Freitas. “Além da invisibilidade: história social do racismo em Porto Alegre (1884-1918)”. (Tese de Doutorado, Universidade Estadual de Campinas, 2014).




DOI: https://doi.org/10.5007/1984-9222.2018v10n19p43

Directory of Open Access Journals    Home  LATINDEX                capes