A trajetória de Tácito Pires entre a história social do trabalho e do pós-abolição (Rio Grande do Sul, 1874-1939)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-9222.2018v10n19p43

Palavras-chave:

Trajetória, História social do trabalho, Pós-abolição

Resumo

Por meio da trajetória de Tácito Pires e de alguns de seus escritos, busca-se conectar questões da história social do trabalho com estudos do pós-abolição. Dentre os desafios, o de transformar em problema histórico a cor dos trabalhadores e apreender a maneira como ideias de raça foram manejadas pelos próprios sujeitos. Nascido de ventre livre em 1874 em Porto Alegre, Tácito Pires faleceu em 1939 na cidade natal. Desde 1908 deslocou-se pelo Estado como professor público, mantendo residência por maior tempo em Bagé.

Biografia do Autor

Melina Kleinert Perussatto, Universidade Federal da Fronteira Sul

Profesora de História na Universidade Federal da Fronteira Sul.

Doutora em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Referências

ALLANIZ, Anna Gicelle. Ingênuos e libertos: estratégias de sobrevivência familiar em épocas de transição. 1871-1895. Campinas: CMU/Unicamp, 1997, p. 39.

ALBUQUERQUE, Wlamyra. O jogo da dissimulação. Abolição e cidadania negra no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 2009.

BATALHA, Cláudio. “A difusão do marxismo e os socialistas brasileiros na virada do século XIX”. In: MORAES, Quartim de (org.). História do marxismo no Brasil. Campinas, UNICAMP, 1995.

CASTELLUCCI, Aldrin; SCHMIDT, Benito (orgs). “Dossiê biografia e história do trabalho (I)”. Revista Mundos do Trabalho, vol. 8, n. 15, jan.-jul. 2016.

CASTELLUCCI, Aldrin; SCHMIDT, Benito (orgs). “Dossiê biografia e história do trabalho (II)”. Revista Mundos do Trabalho, vol. 9, n. 15, jul.-dez., 2016.

CASTELLUCCI, Aldrin. Trabalhadores e política no Brasil: do aprendizado do Império aos sucessos da Primeira República. Salvador: Eduneb, 2015.

CHALHOUB, Sidney. Machado de Assis: historiador. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

CHALHOUB, Sidney. “Precariedade estrutural: o problema da liberdade no Brasil escravista (século XIX)”. História Social, vol. 19, p. 33-69, 2010.

DU BOIS, W.E.B. As Almas da Gente Negra. Tradução: Heloísa TollerGomes. Lacerda Editores: Rio de Janeiro, 1999.

FIGUEIRA, Patrícia Ferreira Fernandes. “Lourenço Filho e a Escola Nova no Brasil: estudo sobre os Guias do Mestre da série graduada de leitura Pedrinho” (Dissertação de mestrado, Universidade Estadual Paulista, 2010).

GILROY, Paul. O Atlântico Negro: Modernidade e Dupla Consciência. Rio de Janeiro, Editora 34/UCAM - Centro de Estudos Afro-Asiáticos, 2002.

GLEDHILL, Sabrina. Travessias no Atlântico Negro: reflexões sobre Booker T. Washington e Manuel R. Querino. Birmingham: Editora Funmilayo Publishing, 2018.

GOMES, Fabricio. Sob a proteção da princesa e de São Benedito: Identidade Étnica e Projetos num Clube Negro de Caxias do Sul (1934-1988). Jundiaí: Paco Editorial, 2013.

GRAMSCI, Antonio. Os intelectuais e a organização da cultura. 4. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1982.

GURIDY, Frank Andre. “Forging Diaspora in the Midst of Empire: The Tuskegee-Cuba Connection”. In: Forging Diaspora: Afro-Cubans and African Americans in a World of Empire and Jim Crow. Chapel Hill: The University of North Carolina Press, 2010, p. 17-60. Tradução: Rane Morais Souza. Revisão técnica: Ana Flávia Magalhães Pinto.

LIMA FILHO, Henrique Espada. “Sob o domínio da precariedade: escravidão e os significados da liberdade de trabalho”. Topoi, vol. 6, n. 11, p. 289-326, jul./dez. 2005.

LONER, Beatriz Ana. Construção de classe: operários de Pelotas e Rio Grande (1888-1930). 2. ed. rev. ampl. Pelotas: Editora da UFPel, 2016.

MARÇAL, João Batista. Primeiras Lutas Operárias no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Livraria do Globo/Museu do Trabalho, 1985, 91-99.

MENDONÇA, Joseli. Evaristo de Moraes: tribuno da República. Campinas: Editora da Unicamp, 2007.

MOREIRA, Paulo. “Ingênuas mortes negras: doenças e óbitos dos filhos do ventre livre (Porto Alegre/RS - 1871/1888)”. Territórios e Fronteiras, vol. 6, p. 94-103, 2013.

MOREIRA, Paulo; PINTO, Natália Garcia. “Sem lar, viviam abrigados sob o teto da casa dos seus senhores”: experiências de vida e morte dos filhos do Ventre Livre (Porto Alegre e Pelotas, RS – 1871-1888). In: CARDOZO, José Carlos et al. (orgs.). História das crianças no Brasil Meridional. São Leopoldo: Oikos, 2016.

MOREIRA, Paulo. Entre o deboche e a rapina: Os cenários sociais da criminalidade popular (Porto Alegre - século XIX). Porto Alegre: Armazém Digital, 2009.

NASCIMENTO, Álvaro Pereira. “Trabalhadores negros e o ‘paradigma da ausência’: contribuições à história social do trabalho no Brasil”. Estudos Históricos, vol. 29, n. 59, p. 607-626, set.-dez. 2016.

PERUSSATTO, Melina Kleinert. “Arautos da liberdade: educação, trabalho e cidadania no pós-abolição a partir do jornal O Exemplo de Porto Alegre (c.1892-c.1911)”. (Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2018).

PETERSEN, Sílvia; LUCAS, Maria Elizabeth. Antologia do movimento operário gaúcho (1870-1937). Porto Alegre: Editora da UFRGS/Tchê!, 1992.

PETERSEN, Silvia. Que a união operária seja a nossa pátria! História das lutas dos operários gaúchos para construir suas organizações. Porto Alegre: Editora da UFRGS; Editora da UFSM, 2001.

PINTO, Ana Flávia Magalhães. “Vicente de Souza, homem de cor e homem universal: posicionamentos sobre raça e trajetória de um abolicionista, republicano e socialista negro no final do século XIX”. In: VI ENCONTRO ESCRAVIDÃO E LIBERDADE NO BRASIL MERIDIONAL, 2017, Florianópolis/SC. Anais... Florianópolis, UFSC, 2017, p. 1-17 (Anais eletrônicos).

PINTO, Ana Flávia Magalhães. “Fortes laços em linhas rotas: literatos negros, racismo e cidadania na segunda metade do século XIX”. (Tese de Doutorado, Universidade Estadual de Campinas, 2014).

PINTO, Ana Flávia Magalhães. Imprensa negra no Brasil do século XIX. São Paulo: Selo Negro, 2010.

RIOS, Ana Lugão; MATTOS, Hebe Maria. “O pós-abolição como problema histórico: balanços e perspectivas”. Topoi, vol. 5, n. 8, p. 170-198, jan./jun. 2004.

ROEDIGER, David. “E se o trabalho não fosse branco e masculino? Recentrando a história da classe trabalhadora e estabelecendo novas bases para o debate sobre sindicatos e raça”. FORTES, Alexandre et al. (orgs.). Cruzando Fronteiras: novos olhares sobre a história do trabalho. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2013, p. 17-59.

SCHMIDT, Benito. “Que diferença faz? Os estudos biográficos na história do trabalho brasileira”. FORTES, Alexandre et al. (orgs.). Cruzando Fronteiras: novos olhares sobre a história do trabalho. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2013, p. 61-76.

SCHMIDT, Benito. Em busca da terra de promissão: a história de dois líderes socialistas. Porto Alegre: Palmarinca, 2004.

SCHWARTZ, Stuart B. “Abrindo a roda da família: compadrio e escravidão em Curitiba e na Bahia”. In: Escravos, Roceiros e Rebeldes. Tradução de Jussara Simões. Bauru (SP): Edusc, 2001, p. 263-292.

SIRINELLI, François. “Os Intelectuais”. In: REMOND, René (org.). Por uma História Política. 2. ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2003.

SLENES, Robert. Na Senzala, uma Flor: esperanças e recordações na formação da família escrava – Brasil, Sudeste, século XIX. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

VARGAS, João Costa. “Hyperconsciousness of race and its negation: the dialectic of White supremacy in Brazil”. Identities: Global Studies in Culture and Power, vol. 11, n. 4, p. 443-470, 2004.

WEIMER, Rodrigo de Azevedo. “Em que a trajetória do sr. Manoel Inácio Marques Neto pode contribuir à compreensão da formação do proletariado brasileiro? (Rio Grande do Sul, década de 50 do século XX)”. Revista Mundos do Trabalho, vol. 8, n. 16, p. 11-32, 2017.

ROSA, Marcus Vinícius de Freitas. “Além da invisibilidade: história social do racismo em Porto Alegre (1884-1918)”. (Tese de Doutorado, Universidade Estadual de Campinas, 2014).

Downloads

Publicado

2019-04-17