Um ofício em transformação: a pesca artesanal contada por quem a pratica (Pelotas, RS)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-9222.2019.e66941

Palavras-chave:

Ofícios, Pescadores profissionais artesanais, Mulheres

Resumo

Em nossa sociedade, com as rápidas transformações tecnológicas, cada vez mais ofícios manuais e profissões vão se tornando obsoletos, sendo modificados ou estando em vias de desaparecer. Este artigo pretende, portanto, discutir justamente estas mudanças laborais, a partir de narrativas de pescadores e pescadoras profissionais artesanais que atuam próximos à Laguna dos Patos, na região de Pelotas, RS, que tiveram suas práticas modificadas: seja pelo escasso pescado que encontram, tendo em vista, dentre outros fatores, as mudanças climáticas e a poluição ambiental, seja pela forma com que o pescado hoje é retirado da lagoa, principalmente através de barcos de grandes indústrias pesqueiras, que contam com equipamentos com refinada tecnologia exploratória. No que diz respeito às mulheres, o debate se centrará, especialmente, na longa luta que tiveram que travar para serem reconhecidas como pescadoras.

Biografia do Autor

Lorena Almeida Gill, Universidade Federal de Pelotas

É professora do Departamento de História da Universidade Federal de Pelotas. Doutora em História. E-mail para contato: lorenaalmeidagill@gmail.com

Referências

ALBERTI, Verena. Manual de História Oral. Rio de Janeiro: Editora da FGV, 2004.

AUED, Bernardete Wrublevski. Profissões no passado Profissões no Futuro (personagens sociais em tempos de transição). Revista de Ciências Humanas, v. 15, n. 22, p. 9-30, 1997.

CAILLÉ, Alain. Antropologia do Dom. O Terceiro Paradigma. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

CANDAU, Joël. Memória e identidade. São Paulo: Contexto, 2011.

CARVALHO, Alba Maria. A precarização estrutural do trabalho na civilização do capital em crise: o precariado como enigma contemporâneo. Revista Políticas Públicas, São Luís, Número Especial, p. 225-239, julho de 2014. file:///C:/Users/loren/Downloads/2713-19264-1-PB.pdf. Acesso em: 24 abr. 2019.

CELLARD, André. A análise documental. In: POUPART, Jean [et. al.]. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis: Vozes, 2010, p. 295- 316.

DUBAR, Claude. Construção das Identidades Sociais e Profissionais. Porto: Porto Editora, 1997.

FICO, Carlos. História do Tempo Presente, eventos traumáticos e documentos sensíveis o caso brasileiro. VARIA HISTORIA, Belo Horizonte, vol. 28, nº 47, p.43-59, jan/jun 2012.

GILL, Lorena e Silva, Eduarda. Perspectivas para a História Oral. In: Pedro Robertt; Carla Rech; Pedro Lisbero e Rochele Fachineto. (Org.). Metodologia em Ciências Sociais Hoje: Práticas, Abordagens e Experiências de Investigação. 1ed.Jundiaí, Santa Catarina,: Paco Editorial, 2016, v. 2, p. 107-126.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2004.

HELLEBRANDT, Luceni; RIAL, Carmen e LEITÃO, Maria do Rosário. Pesca e Gênero: reconhecimento legal e organização das mulheres na “Colônia Z3” (Pelotas/RS-Brasil). Vivência: Revista de Antropologia, n. 47, 2016, p. 123-136. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/vivencia/article/view/11651. Acesso em: 24 abr. 2019.

LEITÃO, Maria. Gênero, Pesca e Cidadania. Amazônica: Revista de Antropologia (Online), v. 5, p. 98-115, 2013. Disponível em: https://periodicos.ufpa.br/index.php/amazonica/article/view/1307/1718. Acesso em: 24 abr. 2019.

LONER, Beatriz Ana; GILL, Lorena. Relojoeiros: análise de uma profissão em dois tempos. Revista Taller, v. 3, p. 38-55, 2014.

MEIHY, José e HOLANDA, Fabíola. História Oral: como fazer, como pensar. São Paulo: Contexto, 2007.

MELO, Maria de Fátima; LIMA, Daisyvângela e STADTLER, Hulda. O trabalho das pescadoras artesanais: “coisa de mulher”. Anais do XX Congresso Brasileiro de Economia Doméstica. Disponível em: http://www.xxcbed.ufc.br/arqs/gt1/gt1_36.pdf. Acesso em: 15 abr. 2019.

MOREIRA, Silvana. ZYD 579, 107.9 Mega Hertz – Rádio Federal FM. O protagonismo do radialista como sobrevivente das mídias (1980-2017). Dissertação (Mestrado em História). Pelotas: UFPel, 2019.

PIEPER, Jordana. Da classificação à fiação. As experiências de operários têxteis da fábrica Laneira Brasileira em Pelotas (1980-1988). Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal de Pelotas, 2016.

SACCO DOS ANJOS, Flávio. A agricultura familiar, pluriatividade e desenvolvimento rural no sul do Brasil. Pelotas: Editora da UFPel, 2003.

SCHEER, Micaele. Vestígios de um ofício: o setor calçadista e as experiências de seus trabalhadores na cidade de Pelotas (1940-2014). Dissertação (Mestrado em História), PUCRS, 2014.

SILVA, Eduarda. Tramando Direitos: as Operárias da Fiação e Tecidos Pelotense e seus Processos Judiciais (1944-1954). Aedos, Porto Alegre, v. 7, n. 17, p. 41-58, Dez. 2015. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/index.php/aedos/article/viewFile/58143/36104. Acesso em: 25 nov. 2017.

SILVA, Vera e LEITÃO, Maria. A Regulamentação Jurídica da Pesca Artesanal no Brasil e o problema do reconhecimento do trabalho profissional das pescadoras. Disponível em: http://www.ufpb.br/evento/index.php/17redor/17redor/paper/viewFile/230/103. Acesso em: 10 jul. 2019.

TOMASI, Antônio e SILVA, Ivone. Ofícios de ontem e ofícios de hoje: rupturaou continuidade. In: Anais do XIII Congresso Brasileiro de Sociologia. 2007. Disponível em: http://www.sbsociologia.com.br/portal/index.php?option=com_docman&task=doc_download&gid=601&Itemid=171. Acesso em: 10 jun. 2019.

VASCONCELLOS, Marciele Agosta. À moda dos alfaiates: nuances de um ofício artesanal na cidade de Pelotas, nas décadas de 1940 e 1950. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em História), Pelotas: Universidade Federal de Pelotas, 2012.

Downloads

Publicado

2019-12-17

Edição

Seção

Dossiê 2019.2 - "Beatriz Ana Loner: Mundos do Trabalho e Pós-Abolição"