Um ofício em transformação: a pesca artesanal contada por quem a pratica (Pelotas, RS)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-9222.2019.e66941

Palavras-chave:

Ofícios, Pescadores profissionais artesanais, Mulheres

Resumo

Em nossa sociedade, com as rápidas transformações tecnológicas, cada vez mais ofícios manuais e profissões vão se tornando obsoletos, sendo modificados ou estando em vias de desaparecer. Este artigo pretende, portanto, discutir justamente estas mudanças laborais, a partir de narrativas de pescadores e pescadoras profissionais artesanais que atuam próximos à Laguna dos Patos, na região de Pelotas, RS, que tiveram suas práticas modificadas: seja pelo escasso pescado que encontram, tendo em vista, dentre outros fatores, as mudanças climáticas e a poluição ambiental, seja pela forma com que o pescado hoje é retirado da lagoa, principalmente através de barcos de grandes indústrias pesqueiras, que contam com equipamentos com refinada tecnologia exploratória. No que diz respeito às mulheres, o debate se centrará, especialmente, na longa luta que tiveram que travar para serem reconhecidas como pescadoras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lorena Almeida Gill, Universidade Federal de Pelotas

É professora do Departamento de História da Universidade Federal de Pelotas. Doutora em História. E-mail para contato: lorenaalmeidagill@gmail.com

Referências

ALBERTI, Verena. Manual de História Oral. Rio de Janeiro: Editora da FGV, 2004.

AUED, Bernardete Wrublevski. Profissões no passado Profissões no Futuro (personagens sociais em tempos de transição). Revista de Ciências Humanas, v. 15, n. 22, p. 9-30, 1997.

CAILLÉ, Alain. Antropologia do Dom. O Terceiro Paradigma. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

CANDAU, Joël. Memória e identidade. São Paulo: Contexto, 2011.

CARVALHO, Alba Maria. A precarização estrutural do trabalho na civilização do capital em crise: o precariado como enigma contemporâneo. Revista Políticas Públicas, São Luís, Número Especial, p. 225-239, julho de 2014. file:///C:/Users/loren/Downloads/2713-19264-1-PB.pdf. Acesso em: 24 abr. 2019.

CELLARD, André. A análise documental. In: POUPART, Jean [et. al.]. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis: Vozes, 2010, p. 295- 316.

DUBAR, Claude. Construção das Identidades Sociais e Profissionais. Porto: Porto Editora, 1997.

FICO, Carlos. História do Tempo Presente, eventos traumáticos e documentos sensíveis o caso brasileiro. VARIA HISTORIA, Belo Horizonte, vol. 28, nº 47, p.43-59, jan/jun 2012.

GILL, Lorena e Silva, Eduarda. Perspectivas para a História Oral. In: Pedro Robertt; Carla Rech; Pedro Lisbero e Rochele Fachineto. (Org.). Metodologia em Ciências Sociais Hoje: Práticas, Abordagens e Experiências de Investigação. 1ed.Jundiaí, Santa Catarina,: Paco Editorial, 2016, v. 2, p. 107-126.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2004.

HELLEBRANDT, Luceni; RIAL, Carmen e LEITÃO, Maria do Rosário. Pesca e Gênero: reconhecimento legal e organização das mulheres na “Colônia Z3” (Pelotas/RS-Brasil). Vivência: Revista de Antropologia, n. 47, 2016, p. 123-136. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/vivencia/article/view/11651. Acesso em: 24 abr. 2019.

LEITÃO, Maria. Gênero, Pesca e Cidadania. Amazônica: Revista de Antropologia (Online), v. 5, p. 98-115, 2013. Disponível em: https://periodicos.ufpa.br/index.php/amazonica/article/view/1307/1718. Acesso em: 24 abr. 2019.

LONER, Beatriz Ana; GILL, Lorena. Relojoeiros: análise de uma profissão em dois tempos. Revista Taller, v. 3, p. 38-55, 2014.

MEIHY, José e HOLANDA, Fabíola. História Oral: como fazer, como pensar. São Paulo: Contexto, 2007.

MELO, Maria de Fátima; LIMA, Daisyvângela e STADTLER, Hulda. O trabalho das pescadoras artesanais: “coisa de mulher”. Anais do XX Congresso Brasileiro de Economia Doméstica. Disponível em: http://www.xxcbed.ufc.br/arqs/gt1/gt1_36.pdf. Acesso em: 15 abr. 2019.

MOREIRA, Silvana. ZYD 579, 107.9 Mega Hertz – Rádio Federal FM. O protagonismo do radialista como sobrevivente das mídias (1980-2017). Dissertação (Mestrado em História). Pelotas: UFPel, 2019.

PIEPER, Jordana. Da classificação à fiação. As experiências de operários têxteis da fábrica Laneira Brasileira em Pelotas (1980-1988). Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal de Pelotas, 2016.

SACCO DOS ANJOS, Flávio. A agricultura familiar, pluriatividade e desenvolvimento rural no sul do Brasil. Pelotas: Editora da UFPel, 2003.

SCHEER, Micaele. Vestígios de um ofício: o setor calçadista e as experiências de seus trabalhadores na cidade de Pelotas (1940-2014). Dissertação (Mestrado em História), PUCRS, 2014.

SILVA, Eduarda. Tramando Direitos: as Operárias da Fiação e Tecidos Pelotense e seus Processos Judiciais (1944-1954). Aedos, Porto Alegre, v. 7, n. 17, p. 41-58, Dez. 2015. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/index.php/aedos/article/viewFile/58143/36104. Acesso em: 25 nov. 2017.

SILVA, Vera e LEITÃO, Maria. A Regulamentação Jurídica da Pesca Artesanal no Brasil e o problema do reconhecimento do trabalho profissional das pescadoras. Disponível em: http://www.ufpb.br/evento/index.php/17redor/17redor/paper/viewFile/230/103. Acesso em: 10 jul. 2019.

TOMASI, Antônio e SILVA, Ivone. Ofícios de ontem e ofícios de hoje: rupturaou continuidade. In: Anais do XIII Congresso Brasileiro de Sociologia. 2007. Disponível em: http://www.sbsociologia.com.br/portal/index.php?option=com_docman&task=doc_download&gid=601&Itemid=171. Acesso em: 10 jun. 2019.

VASCONCELLOS, Marciele Agosta. À moda dos alfaiates: nuances de um ofício artesanal na cidade de Pelotas, nas décadas de 1940 e 1950. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em História), Pelotas: Universidade Federal de Pelotas, 2012.

Downloads

Publicado

2019-12-17

Como Citar

GILL, L. A. Um ofício em transformação: a pesca artesanal contada por quem a pratica (Pelotas, RS). Revista Mundos do Trabalho, Florianópolis, v. 11, p. 1-17, 2019. DOI: 10.5007/1984-9222.2019.e66941. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/article/view/1984-9222.2019.e66941. Acesso em: 22 out. 2021.

Edição

Seção

Dossiê 2019.2 - "Beatriz Ana Loner: Mundos do Trabalho e Pós-Abolição"