Dimensões do governo colonial em Moçâmedes e suas conexões com o Brasil: trabalho, negócios e conflitos, 1840-1860

Autores

  • Maria Luiza Ferreira Oliveira Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-9222.2020.e71369

Resumo

Este artigo mapeia conexões de homens, saberes e negócios entre Portugal, Angola e o Brasil nos anos de 1840 a 1860. Investigo a circulação dos saberes de produção de commodities, assim como pretendo esmiuçar as práticas da administração colonial, especialmente sobre as formas de arregimentação do trabalho (especializado e braçal) nesse momento dos cruzadores e dos tratados antitráfico. Busco ressaltar as tensões, embates e uma persistente resistência que operava de diversas formas, seja na recusa ao trabalho, na fuga, na luta institucional ou na guerra. O artigo tem quatro partes: na primeira, examino a circulação de ideias sobre a colonização militar nesse período; em seguida, procuro observar, no estabelecimento de Moçâmedes, as suas conexões com o Brasil; em uma terceira parte, estudo a fundamental presença dos trabalhadores libertos e escravos; e, por fim, trato das contínuas guerras travadas na região, sobretudo nos últimos anos da década de 1850. Ao longo do artigo, estão algumas trajetórias reveladoras de percursos atlânticos nos negócios e na administração colonial: indivíduos formados nas lutas políticas dos anos 1820-1830 que assumiam novos (velhos) papéis nos novos (velhos) tempos da colonização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Luiza Ferreira Oliveira, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)

Docente da graduação e da pós graduação do Departamento de História da EFLCH - UNIFESP desde 2008. Pós-doutorado no ICS em Lisboa, 2016-2017. Doutorado em História Social, USP, 2003. Bacharel em História pela USP.

Referências

ALEXANDRE, Valentim. Velho Brasil, Novas Áfricas, Portugal e o Império (1808-1975. Porto: Afrontamento, 2000.

ALEXANDRE, Valentim. Criando um novo Brasil, 1845-1870. In: Joel Serrão e A. Oliveira Marques (dir.). Nova História da Expansão, O império Africano, 1825-1890 (coordenação de Valentim Alexandre e Jill Dias). Lisboa: Editorial Estampa, 1988.

AMOROSO, Marta. Terra de índio, imagens em aldeamentos do Império. S. Paulo: Terceiro Nome, 2014.

AZEVEDO, José Manuel de. A colonização do Sudoeste Angolano, do deserto do Namibe ao Planalto da Huíla, 1849-1900. Tese (doutorado em História), Universidade de Salamanca, 2014.

BEZERRA, Jéssika de Aquino. Civilizar os sertões, consolidar o Estado. A colônia militar do Jataí e os aldeamentos indígenas no Tibagi (1845-1897). Dissertação (mestrado em História), EFLCH, UNIFESP, 2015.

CALDEIRA, Arlindo Manuel. Escravos e traficantes no Império português. Lisboa: A Esfera dos Livros, 2013.

CARVALHO, Marcus. O patacho Providência, um navio negreiro, politica, justiça e redes depois da lei antitráfico de 1831. Varia História, Belo Horizonte, v. 30, n. 54, p. 777-806, set/dez 2014.

CARVALHO, Marcus, REIS, João, GOMES, Flávio. O Alufá Rufino, tráfico, escravidão e liberdade no Atlântico negro (c.1822-1853). São Paulo: Cia das Letras, 2010.

CANDIDO, Mariana. Conquest, occupation, colonialism and exclusion: land disputes. in Angola. In: SERRÃO, José V. et alli (orgs.). Property rights, Land and Territory in the European Overseas Empires. Lisboa: CEHC-ISCTE-IUL, 2014. p. 223-233.

CRUZ, Ariane Carvalho. “Sempre vassalo fiel de Sua Majestade Fidelíssima”: os autos de vassalagem e as cartas patentes para autoridades locais africanas (Angola, segunda metade do século XVIII). Caderno de Estudos Africanos, 30, p.61-80, jul-dez 2015.

CRUZ, Ariane Carvalho. Militares e o espaço angolano na segunda metade do século XVIII. In: FONSECA, Danilo F et alli (orgs.). Áfricas: política, sociedade e cultura. Rio de janeiro: UERJ, Edições Áfricas, 2016. p. 31-61.

CONRAD, Robert. Neither Slave nor Free: the Emancipados of Brazil, 1818-1868. HAHR, v. 53, p. 50-70, 1973.

COGHE, Samuël, The problem of freedom in a MInd Nineteenth – Century Atlantic Slave Society: The liberated africans of the Anglo-Portuguese Mixed Comission in Luanda (1844-1870), Slavery & Abolition, 33:3, p. 479-500, 2012.

CURTO, José C. Resistência à escravidão na África: o caso dos escravos fugitivos recapturados em Angola, 1846-1876. Afro-Ásia, n. 33, p. 67-86, 2005.

DIAS, Jill. Mudanças nos padrões de poder no hinterland de Luanda, o impacto da colonização sobre os Mbundu (1845-1920). Penélope, Revista de História e Ciências Sociais, Lisboa, v. 14, p. 42-94, 1994.

FELNER, Alfredo de A. Angola, apontamentos sobre a colonização dos planaltos e litoral sul de Angola. Lisboa: Agência Geral das colônias, 1940, 3 vols.

FERREIRA, Roquinaldo. Abolicionismo versus colonialismo: rupturas e continuidades em Angola (séc. XIX), In GUEDES, Roberto (org.) África, brasileiros e portugueses, séculos XVI-XIX. Rio de Janeiro: Mauad X, 2013.

FERREIRA, Roquinaldo. Escravidão e revoltas de escravos em Angola. Afro-Asia, n. 21-22, p. 9-44, 1998-1999.

FERREIRA, Roquinaldo. The Conquest of Ambriz: colonial expansion and imperial competition in Central Africa. Mulemba (online), 5 (9), 2015.

FERREIRA, Roquinaldo. The supression of the slave trade and slave departures from Angola, 1830s-1860s. História UNISINOS, v.15 (1), p. 3–13, jan./Abr. 2011.

FREUDENTHAL, Aida. Arimos e Fazendas, a transição agrária em Angola, 1850-1880. Luanda: Edições Chá de Caxinde, 2005.

MAMIGONIAN, Beatriz. Africanos livres, a abolição do tráfico de escravos no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 2017.

MARQUES, João P. Uma Revisão crítica das teorias sobre Abolição do Tráfico de Escravos Português. Penélope, Revista de História e Ciências Sociais. Lisboa, v. 14, p. 95-118, 1994.

MARQUES, João P. Avaliar as provas, resposta a Valentim Alexandre. Penélope, Revista de História e Ciências Sociais. Lisboa, v. 15, 1995.

MARQUES, João P. Os sons do silêncio, o Portugal de Oitocentos e a abolição do tráfico de escravos. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 1999.

MATTOS, Ilmar R. Construtores e herdeiros: a trama dos interesses da construção da unidade política. Revista Almanack Brasiliense, n. 1, maio 2005.

NETO, Maria da Conceição. De Escravos a Serviçais, de Serviçais a Contratados: omissões, percepções e equívocos na história do trabalho africano na Angola colonial. Cadernos de Estudos Africanos, 33, p. 107-129, 2017.

OLIVEIRA, Maria Luiza Ferreira, O Exército e a 'difícil luta contra a independência dos homens do campo': embates na construção do Estado no Brasil, 1840-1870. in: BARRETO, Adriana et alli (orgs.). Pacificar o Brasil, das guerras justas às UPPs. São Paulo: Alameda, 2017. p. 197-223.

OLIVEIRA, Maria Luiza F. As Guerras nas Matas de Jacuípe. Revista CLIO, Dossiê Nação, cidadania, insurgências e práticas políticas, 1817-1848, v. 2, p. 100-138, UFPE, 2015.

PAQUETTE, Gabriel. After Brazil: Portugueses debates on Empire, c.1820-1850, In Journal of Colonialism and Colonial History, v. 11, n. 2, p. 1-18, Fall 2010.

PAQUETTE, Gabriel. Imperial Portugal in the Age of Atlantic Revolutions, The luso-brasilian World, 1770-1850. New York: Cambridge University Press, 2013.

PELISSIER, Rene, História das campanhas de Angola, resistência e revoltas (1845-1941), v. 1. Lisboa: Editorial Estampa, 1986.

SANTOS, Catarina Madeira. Um governo “polido” para Angola. Reconfigurar dispositivos de domínio (1750-c1800). Tese (doutorado em História). Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, 2005.

SILVA, Cristina Nogueira da. Modelos coloniais no século XIX (França, Espanha, Portugal), E-legal History Review, n.7, 2009.

SILVA, Cristina Nogueira da. Constitucionalismo e Império, a cidadania no Ultramar português. Coimbra: Almedina, 2009.

SILVA, Cristina Nogueira da. A construção Jurídica dos territórios ultramarinos portugueses no século XIX. Lisboa: ICS, 2017.

SILVA, Raul José Candeias da. Subsídios para a história da colonização do distrito de Moçamedes durante o século XIX. Lisboa: Centro de Estudos Históricos Ultramarinos, 1973.

SOUSA, Rosa Margarida dos Santos Almeida. Moçamedes, 1840-1907, contribuição para o estudo da história urbana de Angola. Dissertação (Mestrado em História) – Faculdade de Letras, Departamento de História, Universidade de Lisboa, Lisboa, 2002.

ALVES, Carlos Martins de Castro. Bernardino Freire de Figueiredo Abreu e Castro, Bosquejo biográfico do colonizador de Moçâmedes, Separata de GARCIA de ORTA, da Revista da Junta de Investigaciones de Ultramar, v. 18. n. 1-4. Lisboa, 1970.

WISSEMBACH, Maria Cristina, As feitorias de urzela e o tráfico de Escravos: George Tams, José Ribeiro dos Santos e os negócios da África Centro-Ocidental na década de 1840, Afro-Asia, v. 43, p. 43-90, 2011.

Downloads

Publicado

2020-08-05

Como Citar

OLIVEIRA, M. L. F. Dimensões do governo colonial em Moçâmedes e suas conexões com o Brasil: trabalho, negócios e conflitos, 1840-1860. Revista Mundos do Trabalho, Florianópolis, v. 12, p. 1-27, 2020. DOI: 10.5007/1984-9222.2020.e71369. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/article/view/1984-9222.2020.e71369. Acesso em: 7 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos