Doenças do trabalho: africanos, enfermidades e médicos nas plantations, sudeste escravista (aproximações)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-9222.2020.e75202

Palavras-chave:

Doenças, Trabalho, Escravidão, Africanos, Plantation

Resumo

A partir da década de 1990 se desenvolveram estudos históricos sobre doenças dos escravizados no Brasil com base em pesquisas sobre escravidão. Houve uma conexão entre estudos voltados para saúde e para escravidão, destacando-se as pesquisas sobre o pensamento médico sobre os africanos, a identificação das doenças, as práticas de cura e a assistência médica. Neste artigo analisamos as relações entre doenças e as condições de trabalho em áreas cafeeiras. Apresentando um panorama da historiografia, analisamos os impactos dos regimes de trabalho nos corpos dos trabalhadores africanos.

Biografia do Autor

Iamara da Silva Viana, Departamento de História, Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro

professora do Departamento de História da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, com pós-doutotado na UFRJ

Flávio Gomes, Universidade Federal do Rio de Janeiro

professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro e pesquisador do CNPq

Tânia Salgado Pimenta, Casa de Oswaldo Cruz, Fundação Oswaldo Cruz

Pesquisadora do Departamento de Pesquisa em História das Ciências e da Saúde - COC - Fiocruz; Professora do PPG em História das Ciências e da Saúde - Fiocruz

Referências

BARBOSA, Keith. Escravidão e saúde nas fazendas cafeeiras do Vale do Paraíba fluminense, século XIX. Revista da ABPN, v. 6, n. 14, jul. – out. 2014, p. 25-49.

BARBOSA, Keith. Escravos, senhores e médicos nas fazendas de Cantagalo, século XIX. In: PIMENTA, Tânia Salgado; GOMES, Flávio (org.). Escravidão, doenças e práticas de cura no Brasil. Rio de Janeiro: Outras Letras, 2016. p. 90-113.

BELTRÃO, Jane. Cólera, o flagelo da Belém do Grão-Pará. Belém: Goeldi Editoração-Editora Universitária Ufpa, 2004.

BARRETO, Maria Renilda N.; PIMENTA, Tânia Salgado. A saúde dos escravos na Bahia Oitocentista através do Hospital da Misericórdia. Revista Territórios & Fronteiras, Cuiabá, vol. 6, n. 2, jul.-dez., 2013.

CHALHOUB, Sidney. Cidade febril: cortiços e epidemias na Corte imperial. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

DAVID, Onildo. O inimigo invisível, epidemia na Bahia no século XIX. Salvador: Edufba-Sarah Letras, 1996.

DINIZ, Ariosvaldo. As artes de curar no tempo do cólera, Recife, 1856. In: CHALHOUB et al. Artes e ofícios de curar no Brasil. Campinas: Editora da Unicamp, 2003. p. 355-385.

ENGERMAN, Stanley L.; HAINES, Robin; KLEIN, Hebert & SHLOMOWITZ, Ralph. “Transoceanic Mortality: The Slave Trade in Comparative Perspective”. The William and Mary Quarterly, 3rd Ser., Vol. 58, Número. 1, p. 93-118, 2001.

EUGÊNIO, Allison. Lágrimas de sangue – a saúde dos escravos no Brasil na época de Palmares à Abolição. São Paulo: Alameda, 2016.

FARIAS,Rosilene G. Pai Manoel, o curandeiro africano, e a medicina no Pernambuco imperial. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, vol. 19, supl., p. 215-31, 2012.

FERREIRA, Luiz Otávio. O Nascimento de uma instituição científica: os periódicos médicos brasileiros da primeira metade do século XIX. 1996. Tese (Doutorado em História) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1996.

FERREIRA, Luiz Otávio. Introdução: José Francisco Xavier Sigaud e a tradução local do higienismo. In: SIGAUD, J.F.X. Do clima e das doenças do Brasil ou estatística médica deste Império. Rio de Janeiro, 2009 [1844]. p. 17-26.

GOMES, Flávio dos Santos. Experiências Atlânticas: ensaios e pesquisas sobre a escravidão e o pós-emancipação no Brasil. Passo Fundo: UPF, 2003.

KARASCH, Mary C. A vida dos escravos no Rio de Janeiro, 1808-1850. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

KODAMA, Kaori; PIMENTA, Tânia S.; BASTOS, Francisco I.; BELLIDO, Jaime G.. Mortalidade escrava durante a epidemia de cólera no Rio de Janeiro (1855-1856): uma análise preliminar. História, Ciências,Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v.19, supl., , p. 59-79, dez. 2012.

KODAMA, Kaori. Os debates pelo fim do tráfico no periódico O Philantropo (1849-1852) e a formação do povo: doenças, raça e escravidão. Revista Brasileira de História, vol. 28, n. 56, p. 407-30, 2008.

LIMA, Silvio Cezar de Souza. Cruz Jobim e as doenças da classe pobre: o corpo escravo e a produção do conhecimento médico na primeira metade do século XIX. Almanack, Guarulhos, n. 22, p. 250-278, ago. 2019.

LONER, Beatriz; GILL, Lorena; SCHEER, Micaele. Enfermidade e morte: os escravos na cidade de Pelotas, 1870-1880. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v.19, supl., p.133-152., dez. 2012.

MARQUESE, Rafael. Feitores do corpo, missionários da mente. Senhores, letrados e o controle dos escravos nas Américas, 1660-1860. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

MATTOS, Débora M. Do que eles padeciam… Doenças e escravidão na Ilha de Santa Catarina (1850-1859). In: PIMENTA, Tânia Salgado; GOMES, Flávio (org.). Escravidão, Doenças e Práticas de Cura no Brasil. Rio de Janeiro: Outras Letras, 2016. p. 63-89.

MATTOS, Ilmar Rohlof de. O Tempo Saquarema. São Paulo: Hucitec, 2004.

MILLER, Joseph. “Mortality in the Atlantic Slave Trade: Statistical Evidence on Causality”. Journal of Interdisciplinary History, vol. 11, n. 3, p. 385-423, 1981.

MOREIRA, Paulo R. S.. Cólera, bexiga, disenteria: epidemias e morte entre a população escrava e a formação social escravista meridional (Porto Alegre). In: FRANCO, Sebastião; PIMENTA, Tânia Salgado; MOTA, André (org.). No rastro das províncias – as epidemias no Brasil oitocentista. Vitória: EDUFES, 2019.

OLIVEIRA, Daniel. “Os facultativos são obrigados a declarar […] cor, […] moléstia”: mortalidade, atuação médica e pensamento racial em Porto Alegre, na segunda metade do século XIX. 2018. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2018.

PEREIRA, Júlio Cesar Medeiros da Silva. À flor da terra: o cemitério dos pretos novos no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Garamond: IPHAN, 2007.

PEREIRA, Júlio César M. da S.. “A América devora os pretos”: teses médicas, manuais de fazendeiros e grandes escravarias. In: PIMENTA, Tânia Salgado; GOMES, Flávio (org.). Escravidão, Doenças e Práticas de Cura no Brasil. Rio de Janeiro: Outras Letras, 2016. p. 114-129.

PIMENTA, Tânia S. O exercício das artes de curar no Rio de Janeiro (1828-1855). 2003. Tese (Doutorado em História) - Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2003.

PIMENTA, Tânia; GOMES, Flávio; KODAMA, Kaori. Das enfermidades cativas: para uma história da saúde e das doenças do Brasil escravista. In: TEIXEIRA, Luiz Antonio; PIMENTA, Tânia; HOCHMAN, Gilberto (org.). História da Saúde no Brasil. São Paulo: Hucitec Editora, 2018. p. 67-100.

REIS, Thiago de Souza dos. Morte e escravidão: padrões de morte da população escrava de Vassouras, 1865-1888. 2009. Dissertação (Mestrado em História) - Universidad Federal do Estado do Rio de Janeiro, 2009.

SALLES, Ricardo; MUAZE, Mariana (org.). O Vale do Paraíba e o Império do Brasil nos quadros da segunda escravidão. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2015.

SALLES, Ricardo. E o Vale era o escravo. Vassouras - século XIX. Senhores e escravos no Coração do Império. Rio de Janeiro: Civlização Brasileira, 2008.

SAMPAIO, Gabriela dos R.. Decrépitos, anêmicos, tuberculosos: africanos na Santa Casa de Misericórdia da Bahia (1867-1872). Almanack, Guarulhos, n. 22, p. 207-249, ago. 2019.

SANTOS, Bárbara B.. Moléstias do corpo escravo: doenças e morbidade entre cativos em Sergipe (1865- 1888). 2020. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal de Sergipe, Aracaju, 2020.

SLENES, Robert. Da senzala uma flor: esperanças e recordações na formação da família escrava. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1999.

STEIN, Stanley. Vassouras: um município brasileiro do café, 1850-1900. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1990.

VIANA, Iamara da Silva. Doenças de escravizados em Vassouras, 1840-1880: principais causas mortis e suas implicações. In: PIMENTA, Tânia Salgado; GOMES, Flávio (org.). Escravidão, Doenças e Práticas de Cura no Brasil. Rio de Janeiro: Outras Letras, 2016. p. 130-149.

VIANA, Iamara da Silva. Corpo escravizado e discurso médico: para além da anatomia (1830-1850). Revista de História Comparada, Rio de Janeiro, v. 12, n. 1, p. 172-202, 2018.

Downloads

Publicado

2020-11-04

Edição

Seção

Dossiê 2020.2 - "Os mundos do trabalho e suas interfaces com a ciência, a saúde e a doença”