Cidade-empresa e controle da mão de obra na construção da usina hidrelétrica de Tucuruí (1974-1984)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-9222.2020.e75359

Resumo

A barragem hidrelétrica de Tucuruí foi construída nas margens do rio Tocantins, no Pará, entre 1974 e 1984. Este artigo trata da implantação de uma verdadeira sociedade da barragem através da instalação de uma cidade-empresa para abrigar os diversos trabalhadores e trabalhadoras implicados nessa construção. Aqui, partiremos da lógica empresarial e institucional para tratar da implantação, organização e funcionamento desse espaço particular, tentando por um lado caracterizar quem são as pessoas que participam da construção dessa barragem e refletir sobre a maneira como esse tipo de espaço controlado por uma empresa participa da disciplina dos corpos e da vida dos trabalhadores dentro e fora do canteiro, visando à maximização da produtividade. Como espaço de controle, inevitavelmente há reações que também farão parte desta análise. Esta pesquisa segue o curso das fontes institucionais e técnicas da construção de barragens para tentar caracterizar a implantação e a gestão de um canteiro de obras durante a ditadura militar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nathalia Capellini Carvalho de Oliveira, Université Paris Saclay

Pesquisadora no Laboratório Interdisciplinar de Avaliação de Políticas Públicas (LIEPP-Sciences Po) e associada ao laboratório Centre d'Histoire Culturelle des Sociétés Contemporaines (CHCSC - UVSQ), eu também leciono na Paris Sorbonne-Université e Université Paris-Nord. Eu possuo graduação em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (2010) e mestrado em Relações Internacionais com enfâse em meio ambiente pelo Institut détudes politiques Paris (2012) e em história pela Université de Versailles Saint-Quentin-en-Yvelines (2013) e doutorado em História pela Université Paris Saclay. Tenho experiência na área de História, com ênfase em história ambiental e política. Atuo principalmente nos seguintes temas: estudos amazônicos, ditadura militar, gestão hídrica, produção energética, mudanças climáticas, meio ambiente e ditadura militar.

Referências

ACKER, Antoine. Volkswagen in the Amazon: The Tragedy of Global Development in Modern Brazil. Cambridge: Cambridge University Press, 2017.

ACSELRAD, Henri. Planejamento autoritário e desordem socio-ambiental na Amazônia: crônica do deslocamento de populaçöes em Tucuruí. Revista de Administração Pública, v. 25, n. 4, p. 53–68, 1991.

AMARO, Paulo Roberto. Metodologia, procedimento e metas : a experiência da Eletronorte. In: Anais do Seminário Nacional de História e Energia. São Paulo: Eletropaulo/ Departamento de Patrimônio Histórico, 1986, p. 125–138.

ANTONAZ, Diana. Na escola dos grandes projetos, a formação do trabalhador industrial na Amazônia. Dissertação de mestrado em Engenharia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, RIo de Janeiro, 1995.

BATALHA, Cláudio. A historiografia da classe operária no Brasil: trajetórias e tendências. In: FREITAS, M. C. (Org.). Historiografia Brasileira em Perspectiva. São Paulo: Contexo, 2001, p. 145–158.

BECKER, Bertha K. Amazônia. São Paulo: Ática, 1990.

BECKER, Bertha K. Geopolítica da Amazônia: a nova fronteira de recursos. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1982.

BROCHIER, Christophe. L’apprentissage « sur le tas » dans les chantiers brésiliens. Geneses, v. 56, n. 3, p. 97–116, 2004.

CAMPOS, Pedro Henrique Pedreira. Ditadura, interesses empresariais e desenvolvimentismo: a obra da usina hidrelétrica de Tucuruí. Revista Tempo e Argumento, v. 11, n. 26, p. 255–286, 2019.

CAMPOS, Pedro Henrique Pedreira. “Estranhas catedrais”: as empreiteiras brasileiras e a ditadura civil-militar, 1964-1988. Rio de Janeiro: Eduff, 2014.

CASTRO, Edna. Industrialização, Transformações Sociais e Mercado de Trabalho. Papers do NAEA, n. 23, 1994.

COSTA, Luciano Rodrigues. Les relations de classes sur les chantiers brésiliens : exploitation, contrôle et confiance. Brésil(s). Sciences humaines et sociales, n. 8, p. 123-142., 2015.

CRONON, William. Voyage à Kennecott : les voies de sortie de la ville ? In: Nature et récits : Essais d’histoire environnementale. Bellevaux: Dehors, 2016, p. 97–132.

DIAS, Catharina Vergolino. Aspectos Geográficos do Comércio da Castanha no Médio Tocantins. Revista Brasileira de Geografia, v. 21, n. 4, p. 517–531, 1959.

FARAH, Flavio; FARAH, Marta Ferreira Santos. Vilas de mineração e de barragens no Brasil: retrato de uma época. São Paulo: SAMA/ IPT, 1993.

FEARNSIDE, Philip M. Environmental Impacts of Brazil’s Tucuruí Dam: Unlearned Lessons for Hydroelectric Development in Amazonia. Environmental Management, v. 27, n. 3, p. 377–396, 2001.

GRAFMEYER, Yves; AUTHIER, Jean-Yves. Sociologie urbaine. Paris: Armand Colin, 2008.

GRANDIN, Greg. Fordlandia: the rise and fall of Henry Ford’s forgotten jungle city. New York: Metropolitan Books, 2009.

GREEN, Hardy. The Company Town: The Industrial Edens and Satanic Mills That Shaped the American Economy. Basic Books: New York, 2010.

LARAIA, Roque de Barros; MATTA, Roberto da. Indios e castanheiros: a empresa extrativa e os índios no médio Tocantins. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

LIMA, Jacob Carlos; CONSERVA, Marinalva de Sousa. Redes sociais e mercado de trabalho: entre o formal e o informal. Política & Trabalho, n. 24, p. 73–98, 2006.

LIMA JÚNIOR, Jófilo Moreira; DIAS, Luis Alves; LÓPEZ-VALCÁRCEL, Alberto. Segurança e saúde no trabalho da construção: experiência brasileira e panorama internacional. Brasília: Organização Internacional do Trabalho, Escritório do Brasil, 2005.

LOPES, Sérgio José Leite. Formas comparadas de imobilização da força de trabalho : fábricas com vila operária tradicionais e grandes projetos. Lusotopie, v. 3, n. 1, p. 285–298, 1996.

MAGALHÃES, Sônia Barbosa. O Desencantamento da beira - reflexões sobre a transferência compulsória provocada pela Usina Hidrelétrica de Tucuruí. In: MAGALHÃES, Sônia Barbosa; BRITTO, Rosyan Campos de Caldas; CASTRO, Edna Maria Ramos de (Orgs.). Energia na Amazônia. Belém: MPEG / UFPA / Associação de Universidades Amazônicas, 1996, v. 2, p. 697–746.

MARIN, Rosa Elizabeth Acevedo. Prefácio. In: TRINDADE JR, Saint-Clair Cordeiro da; ROCHA, Gilberto de Miranda (Orgs.). Cidade e empresa na Amazônia: gestão do território e desenvolvimento local. Belém: Editora Paka-Tatu, 2002, p. 9–22.

MORICE, Alain. Les « pions » du bâtiment au Brésil. Quand le capital se fait rebelle au salariat. Genèses. Sciences sociales et histoire, v. 7, n. 1, p. 5–32, 1992.

MOUGEOT, L. Planejamentos hidroeletrico e reinstralaçao de populaçoes na Amazonia : primeiras liçoes de Tucuruí, Pará. In: AUBERTIN, Catherine; BECKER, B. (Orgs.). Fronteiras. Brasilia: Universidade de Brasilia, 1988.

RIBEIRO, Gustavo Lins. Empresas transnacionais: um grande projeto por dentro. São Paulo: Marco Zero/Anpocs, 1991.

RIBEIRO, Maria de Fátima Bento. Memórias do concreto : vozes na construção de Itaipu. Cascavel: Edunioeste, 2002.

ROCHA, Gilberto de Miranda. Todos convergem para o lago! Hidrelétrica Tucuruí. Municípios e territórios na Amazônia. Belém: NUMA/ UFPA, 2008.

ROCHA, Gilberto de Miranda; GOMES, Claudemir Brito. A construção da usina hidrelétrica e as tranformações espaciais na região de Tucuruí. In: TRINDADE JR, Saint-Clair Cordeiro da; ROCHA, Gilberto de Miranda (Orgs.). Cidade e empresa na Amazônia : gestão do território e desenvolvimento local. Belém: Paka-Tatu, 2002, p. 27–57.

SAIANI, Carlos César Santejo; TONETO JÚNIOR, Rudinei. Evolução do acesso a serviços de saneamento básico no Brasil (1970 a 2004). Economia e Sociedade, v. 19, n. 1, p. 79–106, 2010.

SOUSA, Nair Heloísa Bicalho de. Trabalhadores pobres e cidadania : a experiência da exclusão e da rebeldia na construção civil. Uberlândia: EDUFU, 2007.

TRINDADE JR, Saint-Clair Cordeiro da; ROCHA, Gilberto de Miranda. Cidade e empresa na Amazônia: gestão do território e desenvolvimento local. Belém: Editora Paka-Tatu, 2002.

VELHO, Otávio Guilherme. Frentes de expansão e estrutura agrária: estudo do processo de penetração numa área da Transamazônica. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2009.

Downloads

Publicado

2020-12-14

Como Citar

OLIVEIRA, . C. C. de. Cidade-empresa e controle da mão de obra na construção da usina hidrelétrica de Tucuruí (1974-1984). Revista Mundos do Trabalho, Florianópolis, v. 12, p. 1–23, 2020. DOI: 10.5007/1984-9222.2020.e75359. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/article/view/75359. Acesso em: 2 out. 2022.

Edição

Seção

D2 "Trabalhadores de construção: por estradas, ferrovias, açudes e outras obras"