A indeterminação das fronteiras da idade

Régine Sirota

Resumo


Como nosso olhar sobre a criança evoluiu? A definição clássica que estabeleceu fronteiras claras entre gerações, na qual a socialização era concebida de maneira vertical, vai ser sucedida por uma sociologia da infância que introduz a visão de uma “socialização interpretativa”, na qual a criança aparece como um ator. Essa mudança conceitual vai introduzir uma visão em termos de socialização horizontal no nível do grupo de pares e do entre-crianças, considerando a criança não somente como um ser futuro, mas também como um ser no presente. A infância é aqui vista como uma construção social, variável em sua forma, certamente, mas antes de tudo como um componente estrutural de toda sociedade. A partir de um quebra-cabeça de referências complexas e incertas, se constrói o estatuto de “igual paradoxal” da infância da modernidade, diante do espelho da reflexividade dos discursos experts que modelam normatividades, políticas sociais e imaginários da infância.


Palavras-chave


Infância; Sociologia da Infância; Socialização; Crianças-Aspectos; Childhood; Sociology of childhood; Socialization; Children social aspects

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5007/%25x



Direitos autorais 2008 Régine Sirota

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Perspectiva, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN print 0102-5473, ISSN 2175-795X.

Recomendamos o uso do browser Firefox_Mozilla como navegador do portal .

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.