As ciências sociais no contexto do ensino superior em Moçambique: dilemas e possibilidades de descolonização

Maria Paula Meneses

Resumo


No contexto pós-colonial que Moçambique conhece (o país tornou-se independente em 1975), o projeto universitário – um projeto importado – tem conhecido vários desafios. Desde logo, o facto de as universidades existentes serem um modelo moderno, inspirado no saber iluminista, que procura mesclar-se com os saberes e as experiências fruto da diversidade cultural presente no país. Várias experiências atravessam o contexto contemporâneo do Ensino Superior moçambicano, desde as iniciativas que buscam desenvolver um paradigma de saber que reflita uma combinação de conhecimentos, a iniciativas que afirmam a centralidade do saber moderno de matriz eurocêntrica, e que almejam (re)produzir os projetos universitários de países considerados mais avançados (por exemplo, o processo de Bolonha). Este texto, assente na análise de documentação oficial sobre as políticas públicas no campo da educação superior (incluindo planos estratégicos, relatórios e planos de ação), em entrevistas com vários decisores públicos, e outros materiais publicados sobre o assunto, procura analisar, a partir de experiências africanas, vários aspectos das políticas de conhecimento em Moçambique, refletindo sobre possibilidades de “descolonizar” as ciências sociais.

 


Palavras-chave


Ensino Superior; colonialismo; África

Texto completo:

PDFA


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-795X.2016v34n2p338



Direitos autorais 2016 Maria Paula Meneses

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Perspectiva, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN print 0102-5473, ISSN 2175-795X.

Recomendamos o uso do browser Firefox_Mozilla como navegador do portal .

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.