Conhecimento matemático para o ensino de escala apresentada em gráficos nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental

Milka Rossana Guerra Cavalcanti, Gilda Lisbôa Guimarães

Resumo


Este estudo buscou estabelecer Conhecimentos Matemáticos para o Ensino de escala (Mathematical Knowledge for Teaching – MKT, Ball e colaboradores 2008) apresentada em gráficos estatísticos. A partir da revisão da literatura e de uma pesquisa diagnóstica com crianças e adultos dos anos iniciais, estabelecemos as habilidades necessárias para a compreensão de escala nos anos iniciais para cada tipo de Conhecimento Matemático para o Ensino. O Conhecimento Matemático para o Ensino de Escala não deve ser apenas teórico/epistemológico, mas deve instrumentalizar o professor para reconhecer uma resposta errada, dimensionar a natureza do erro, ter familiaridade com os erros comuns cometidos pelos alunos, planejar uma abordagem de ensino capaz de superar o erro, conhecer o livro didático e o currículo e também compreender que tipo de complexificação pode ser feita ao trabalhar este conceito no evoluir da escolaridade.


Palavras-chave


Estatística; Escala; Anos Iniciais; Conhecimentos dos professores

Texto completo:

PDF/A

Referências


Ainley, J. (2000). Exploring the transparency of graphs and graphing. Proceeding 24nd Annual Meeting of the International Group for the Psychology of Mathematics Education, (1) South Africa.

Ainley, J.; Pratt, D.; Nardi, E. (2001). Normalising: children's activity to construct meanings for trend. Educational Studies in Mathematics, v. 45, n. 1-3, p. 131-146.

Araújo, L. C. (2007). Concepções e competências de um grupo de professores polivalentes relacionadas à leitura e interpretação de tabelas e gráficos. Dissertação (Mestrado Profissional) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), São Paulo.

Arteaga, P.; Batanero; Ruiz, B. (2008). Complejidad semiótica de gráficos estadísticos en La comparación de dos distribuciones por futuros profesores. Trabajo presentado en el Grupo de Probabilidad y Estadística. XII Simposio de la Sociedad Española de Educación Matemática. Badajoz.

Arteaga, P., Batanero, C. y Cañadas,G. (2011). Evaluación del conocimiento especializado de la estadística en futuros profesores en una tarea abierta. En M. Marín, G. Fernández, L. Blanco y M. Palarea (Eds.), Investigación en Educación Matemática XV. (pp. 267-275). Ciudad Real: SEIEM.

Ball, D.; Bass, H. (2003).Toward a Practice-Based Theory of Mathematical Knowledge for Teaching. In: DAVIS, B.; SIMMT, E. (Ed.). Proceedings of the 2002 Annual Meeting of the Canadian Mathematics Education Study Group, p. 3-14

Ball, D. L.; Thames, M. H.; Phelps, G. (2008). Content Knowledge for Teaching: what makes it special? In: Journal of teacher educacion, v. 59, n. 5, p. 389-407.

Brasil. (1997). Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática, Ensino de 1ª à 4ª série. Brasília, MEC/ SEF.

Brasil. (2015). Guia de livros didáticos: PNLD 2016: Alfabetização Matemática e Matemática: ensino fundamental anos iniciais. Brasília: Ministério da Educação, Secretária de Educação Básica.

Brasil. (2018). Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC.

Cavalcanti, M. (2010). Como adultos e crianças compreendem a escala representada em gráficos. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática e Tecnológica) – UFPE, Recife.

Cavalcanti, M.; Natrielli, K. R.; Guimarães, G. (2010). Gráficos na mídia impressa. Boletim de Educação Matemática – Bolema, v. 23, p. 733 -752.

Cavalcanti, M ; Guimarães, G. L. (2016). Compreensão de Adultos e Crianças sobre Escala Representada em Gráficos. Perspectivas da Educação Matemática, v. 9, p. 849-868.

Díaz, D.; Batanero, C.; Arteaga, P.; Serrano, M. (2015). Análisis de gráficos estadísticos em libros de texto de educación primaria española. Revista Iberoamericana de Educação Matemática – UNIÓN. n. 44, p. 90-112.

Evangelista, M. B.; Guimarães, G. (2013). Análise de atividade de livros didáticos de matemática do 4º e 5º ano que exploram o conceito de escala. VII Congreso Iberomericano de Educación Matemática – CIBEM. Montevideo.

Evangelista, M. B. (2014). Aprendendo a representar escalas em gráficos: um estudo de intervenção. 2014. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática e Tecnológica) - UFPE. Recife.

Friel, S.; Curcio, F.; Bright, G. (2001). Making Sense of Graphs: critical factors influencing comprehension and instructional implications. Journal for Research in Mathematics Education, v. 32, n. 2, p. 124-158.

Gal, I. (2002). Adults statistical literacy: meanings, components, responsibilities. International Statistical Review, v. 70, n. 1, p. 1-25.

Guimarães, G. L. (2016). Aprendizagens na vida e na escola: estatística nos anos iniciais. Anais do Simpósio Internacional de Pesquisa em Educação Matemática - SIPEM, São Paulo.

Guimarães, G. L. (2010). Formação de professores: trabalhando com gráficos e tabelas na educação infantil. Revista Iberoamericana de Educação Matemática – UNIÓN, n. 21, p. 87-101.

Guimarães, G. L.; Gitirana, V.; Roazzi, A. (2001). Interpretando e construindo gráficos. Anais da 24ª Reunião Anual da ANPED, Caxambu.

Guimarães, G. L.; Gitirana, V.; Cavalcanti, M.; Marques, M. (2007). Livros didáticos de matemática nos anos iniciais: análise das atividades sobre gráficos e tabelas. Anais do IX Encontro Nacional de Educação Matemática. Belo Horizonte.

Inaf (2016). Indicador nacional de alfabetismo funcional. São Paulo: Ação Educativa.

Lemos, M. P.; Gitirana, V. (2007). Interpretação de gráficos de barras: analise a priori enquanto recurso na formação de professores. Anais do Encontro Nacional de Educação Matemática. Belo Horizonte.

Lima; Magina, S. (2004). A leitura de gráficos com crianças da 4ª série do Ensino Fundamental. Anais do Encontro Nacional de Educação Matemática.

Lima, A. P.; Silva, E; Rodrigues, J.; Feitoza, L. (2006). Interpretação e construção de gráficos de barras. Pôster apresentado na disciplina Metodologia do Ensino de Matemática I do Curso de Pedagogia.

Lima, I. B. (2010). Investigando o desempenho de jovens e adultos na construção e interpretação de gráficos. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática e Tecnológica) - UFPE. Recife.

Monteiro, C.; Selva, A. (2001). Investigando a Atividade de Interpretação de Gráficos entre Professores do Ensino Fundamental. Anais da 24ª Reunião Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação – Anped. Caxambu/MG.

Pagan, A.; Leite, A. P.; Magina, S.; Cazorla, I. (2008). A leitura e interpretação de gráficos e tabelas no Ensino Fundamental e Médio. Anais do 2º Simpósio Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (SIPEMAT). Recife.

Patrocínio, A.; Guimarães, G. (2007). Relação entre representações gráficas e escolarização. Anais do Encontro Nacional de Educação Matemática, Belo Horizonte.

Rossine, R. (2006). Saberes docentes sobre o tema Função: uma investigação das praxeologias. Tese (Doutorado em Educação Matemática) - Pontifícia Universidade Católica. São Paulo.

Selva, A. (2003). Um experimento de ensino sobre a resolução de problemas de estrutura aditiva a partir de gráficos de barras. Anais da 26ª Reunião Anual da ANPED. Caxambu, MG.

Shaughnessy, J.; Garfield, J.; Greer, B. (1996). Data Handling. Bishop, A. et al. (eds.), International handbook on mathematics education. Netherlands: Kluwer, p. 205-237.

Silva, F.; Amaral, F.; Albuquerque, J.; Oliveira, L. (2006). Gráficos: importante ou determinante, eis a avaliação do professor. Pôster apresentado na disciplina Metodologia do Ensino de Matemática I, do Curso de Pedagogia.

Tierney, c.; Nemirovsky, r. (1991). Children’s spontaneous representations of changing situations. Hands on!, v. 4, n. 2, p. 7-10.

Tierney, c.; Weinberg, a.; Nemirovsky, r. (1992). Telling Stories Plant Growth: Fourth Grade Students Interpret Graphs. XVI Proceedings of de Annual Meeting of the International Group for the Psychology of Mathematics Education (PME, N. H., USA).

Vanin. (2009). Gráficos, Proporções e Variações Proporcionais. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/2565417/mod_resource/content/3/TExto%20complementar%201.pdf. Acesso em: 18 maio 2017.




DOI: https://doi.org/10.5007/1981-1322.2019.e62664

Indexadores, diretórios e base de dados:

                                                                     

 

REVEMAT: R. Eletr. Educ. Mat., UFSC/MTM/PPGECT, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 1981-1322.
 
 

 Licença Creative Commons
Está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.