Projetos de aprendizagem sob as lentes da neurociência cognitiva: possibilidade para a construção de conceitos estatísticos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1981-1322.2019.e62797

Palavras-chave:

Educação Estatística, Neurociência cognitiva, Projetos de aprendizagem

Resumo

Estudos da Neurociência Cognitiva tem demostrado que o estudante aprende aquilo que o emociona, motiva e tem sentido para ele, pois o cérebro seleciona e foca a atenção nas informações mais próximas do que já domina e perde o interesse naquilo que não tem sentido para ele. Desta forma, planejar estratégias didáticas que partam do interesse e contexto do estudante, auxilia no fortalecimento das sinapses da rede neural, e consequentemente, na aprendizagem. Com este entendimento, no presente artigo, apresentamos a metodologia de Projetos de Aprendizagem como uma possibilidade para a construção dos conceitos estatísticos. Todo o processo investigativo envolvido na realização de um Projeto de Aprendizagem, desde a escolha do tema até a análise dos dados, conduz o estudante a uma atitude mais ativa e promove alterações das relações mantidas pelos neurônios distribuídos por várias áreas do cérebro do estudante, o que interfere nos fatores psicológicos e emocionais e conduz a comportamentos favoráveis ao aprendizado dos conceitos estatísticos.

Biografia do Autor

Suzi Samá, Universidade Federal do Rio Grande - FURG

Graduação em Matemática Licenciatura (1997), mestrado em Engenharia Oceânica (2001) e doutorado em Educação em Ciências pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG). Professora Adjunta do Instituto de Matemática, Estatística e Física na área de Estatística da FURG. Professora do Programa de Pós-graduação em Educação em Ciências associação ampla entre UFRGS, UFSM e FURG. Professora do Mestrado em Administração da FURG. Participa do grupo de pesquisa em Educação a Distância e Tecnologia e do Grupo de Pesquisa em Educação Estatística. Desenvolve pesquisa na área de Educação Estatística, implantação de tecnologias na educação e Educação a Distância. Autora dos livros de Estatística I e II desenvolvido durante as disciplinas ministradas na modalidade a distância, onde atuou como professora e tutora a distância.

Laerte Fonseca, Instituto Federal de Sergipe/Campus Aracaju

Prof. Titular de Ed. Matemática/IFS. Pós-Doutorado em Ed. Matemática/UNIAN-SP. Doutor em Ed. Matemática/UNIAN-SP com sandwiche na Université Claude Bernard Lyon 1/FR. Mestre em Ensino de Ciências e Matemática/UFS. Mestre em Ed./UFS. Esp. Em: Neuroaprendizagem/IS-DF, Neuropsicologia/UNIFESP, Ed. Matemática/FA, Psicopedagogia Clínica/FPD, Psicopedagogia Institucional/FPD, Ensino de Matemática/UFS, Gerência e Tec. da Qualidade/CEFET-MG. Lic. em Matemática/UFS. Graduando em Psicologia/FASE. Pesquisa em: Neurociência Cognitiva, Engenharia Didática, Teoria Antropológica do Didático. Docente do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática/UFS. Líder do Grupo de Pesquisa em Desenvolvimento Neurocognitivo da Aprendizagem Matemática/IFS. Editor Chefe de Caminhos da Educação Matemática em Revista.

Referências

Bartoszeck, A. B.; Bittencourt, D. F. (2017). Alfabetização em Neurociência e Educação para Professores do Ensino Fundamental e Médio: um estudo exploratório. Revista Paidéi@. Unimes Virtual. v.9, n.15, jan. Recuperado de: <http://periodicosunimes.unimesvirtual.com.br/index.php?journal=paideia&page=index>

Becker, F. (2008). A Epistemologia do Professor: o cotidiano da escola. 13ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes.

Becker, F. (2012). Educação e Construção do conhecimento. 2. ed. Porto Alegre, RS: Penso Editora Ltda.

Bortoli, B.; Teruya, T. K. (2017). Neurociência e Educação: Os Percalços e possibilidades de um caminho em construção. Imagens da Educação, 7(1), 70-77.

Cazorla, I. M.; Silva, A. V.; Santana, E. R. S. (2018). Reflexões sobre o ensino de variáveis conceituais na Educação Básica. REnCiMa, 9(2), 354-373.

Cosenza, R., Guerra, L. (2011). Neurociência e educação: como o cérebro aprende. Porto Alegre: Artmed.

Fagundes, L. C. (2004). [O professor deve tornar-se um construtor de inovações]. Entrevista concedida a Midiativa - Centro Brasileiro de Midia para Crianças e Adolescentes. Disponível em: <http://www.midiativa.tv/index.php/educadores/content/view/full/1053/>. Acesso em: setembro de 2011.

Fagundes, L. C.; Sato, L. S.; Laurino, D. P. (1999). Aprendizes do futuro: as inovações começaram! Brasília: Secretaria da Educação a Distância, Ministério da Educação. Disponível em: < http://pa2009b2.pbworks.com/f/aprender.pdf>. Acesso em: 20 jun. 2018.

Fonseca, L.; Samá, S.; Soares, K.; Pontes, L. (2017). Uma ecologia dos mecanismos atencionais fundados na neurociência cognitiva para o ensino de matemática no século XXI. Caminhos da Educação Matemática em Revista. 1 (X), 19-30.

Garfield, J. (2013). Cooperative Learning Revisited: From an Instructional Method to a Way of Life. Journal of Statistics Education. 21(2), 1-9.

Guerra, L. B. (2011). O diálogo entre a neurociência e a educação: da euforia aos desafios e possibilidades. Revista Interlocução, 4, 3-12.

Izquierdo, I. (2006). Memória. Porto Alegre: Artmed.

Kanno, M. (2013). Infografe: Como e porque usar infográficos para criar visualizações e comunicar de forma imediata e eficiente. São Paulo: Edição eletrônica.

Mendonça, L. O.; Lopes, C. E. (2015). Planejamento de Atividades de Modelagem Matemática: um caminho possível. EM TEIA - Revista de Educação Matemática e Tecnológica Iberoamericana, 6(1), 1-24.

Markova, D. (2000). O natural é ser inteligente. São Paulo: Summus.

Maturana, H. (1993). Uma Nova Concepção de Aprendizagem. Revista Dois Pontos: Ed. UFMG, Belo Horizonte, 2(15), 28-35, out./inv.

Maturana, H. (2002). Emoções e linguagem na educação e na política. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Maturana, H. (2006). Cognição, ciência e vida cotidiana. Belo Horizonte: Ed. UFMG.

Maturana, H. R.; Varela, F. (2005). A árvore do conhecimento: as bases biológicas da compreensão humana. 5a ed. São Paulo: Palas Athena.

Metring, R. A. (2011). Neuropsicologia e aprendizagem: fundamentos necessários para planejamento do ensino. Rio de Janeiro: Wak Editora.

Ortiz de Haro, J.J. (2002). La probabilidad en los libros de texto. (Tese de doutorado). Universidad de Granada, Departamento de Didáctica de la Matemática.

Peirce, C.S. (2005). The Collected Papers of Charles Sanders Peirce. Semiótica: Charles S. Peirce (1839-1914). São Paulo: Perspectiva, p. 341.

Porciúncula, M.; Samá, S. P. (2014). Teaching Statistics Through Learning Projects. Statistics Education Research Journal, 13, 177 - 186.

Porciúncula, M.; Samá, S. P. (2015). Projetos de Aprendizagem. In: Porciúnucla, M.; Samá, S. P. (Org). Educação Estatística: Ações e estratégias pedagógicas no Ensino Básico e Superior. Curitiba: CRV, pp. 133-141.

Prado, M. E. B. B. (2006). A mediação pedagógica: suas relações e interdependências. In Anais do 17o Simpósio Brasileiro de Informática na Educação. Brasília, DF.

Relvas, M. P. (2012). Neurociência na Prática Pedagógica. Rio de Janeiro: Wak Editora.

Rodrigues, P. F. S. (2016). Processos Cognitivos Visuoespaciais e Ambiente Visual Circundante: Implicações Educacionais. Psicologia: Teoria e Pesquisa. 32(4), 1-10.

Samá, S. P.; Porciúncula, M. (2017). Percepção dos Estudantes em Relação ao Ensino de Estatística Fundamentado no Modelo Pedagógico Relacional. In Anais do 20o ENFOPE, 11o FOPI. Aracaju, SE. Recuperado de <https://eventos.set.edu.br/index.php/enfope/article/view File/5029/1487>. Acesso em: 25 jun. 2018.

Silva, P. F.; Menezes, C. S.; Fagundes, L. C. (2017). Avaliação processual no Contexto de Projetos de Aprendizagem. Informática na Educação: teoria & prática. Porto Alegre, v.20, n.1, jan./abr.

Silva, C. R.; Samá, S. P. (2016). Percepções de estudantes do ensino superior sobre a infografia na divulgação da informação. Educ. Matem. Pesq., São Paulo, 18(3), 1429-1447.

Silva, C. R.; Samá, S. P. (2018). Infografia com Gráficos: um estudo semiótico da percepção e do processamento da informação Estatística. REnCiMa, 9(2), 127-146.

Souza, A. C. S.; Souza, L. O.; Mendonça, L. O.; Lopes, C. E. (2013). O Ensino de Estatística e Probabilidade na Educação Básica: atividades e projetos gerados a partir de pesquisas de Mestrado Profissional. Vidya, 33(1), 49-65, jan./jun., Santa Maria.

Perin, A. P.; Wodewotzki, M. L. L. (2018). Contribuições da Modelagem Matemática para o Desenvolvimento da Literacia Estatística: uma experiência em um curso superior tecnológico. In Anais do 7ª Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática da SBEM. Foz do Iguaçu, PR. Recuperado de http://www.sbemparana.com.br/eventos/index.php/SIPEM/VII_SIPEM/paper/view/393/274

Downloads

Publicado

2019-09-27

Edição

Seção

Edição Especial: Educação Estatística