Investigação-histórica-com-tecnologia para a unidade de álgebra e geometria no 8º ano

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1981-1322.2021.e72811

Palavras-chave:

Investigação-histórica-com-tecnologia, Unidades de Álgebras e Geometria, Plano cartesiano, Simetria

Resumo

A História da Matemática (HM), as Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação (TDIC) e Investigação Matemática (IM), dentre outras, são tendências em educação matemática cujas pesquisas tem apontado para argumentos favoráveis de uso no ensino-aprendizagem de matemática. Há ainda a possibilidade de uni-las em prol do ensino e aprendizagem. Em se tratando do ensino básico, recomenda-se que as propostas sejam apoiadas nos documentos oficiais, dentre eles a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) que igualmente recomenda essas tendências e ainda sua conexão. Deste modo, nesse artigo, propomos a aliança entre HM, TDIC via IM mediante a apreciação de parte de um produto educacional, para abordagem das unidades temáticas de Álgebra e Geometria mediante os objetos de conhecimentos de plano cartesiano e transformações geométricas como simetria, tratados com abordagem histórica de personagens, obras e documentos como Nicole Oresme, La Géométrie de Descartes, o Problema de Pappus, a pintura rupestre do Abrigo de Rock El Buey, observação das esfinges esmaltadas do palácio de Dario em Susa, entre outros. Para isso, nossa pesquisa adota abordagem qualitativa com objetivo exploratório de modo a introduzir constructos que fundamentam a proposta e apresentar exemplo específico que caracteriza a aliança supracitada. Como resultado encontramos objetos de conhecimentos comuns as unidades temáticas supracitadas podendo ser abordados numa investigação-histórica-com-tecnologia mediante produto educacional, concluindo que esta proposta consiste numa alternativa para abordagem matemática na educação básica na direção da conjunção entre HM, TDIC e IM.

Biografia do Autor

Giselle Costa de Sousa, UFRN

Doutora em Educação (linha Educação Matemática) pela UFRN. Professora do Departamento de Matemática, do PPGECNM e coordenadora do PIBID de Matemática da UFRN.

Alison Luan Ferreira da Silva, Secretaria Estadual de Educação e Cultura do Rio Grande do Norte

Licenciado em matemática e mestre em ensino de ciências naturais e matemática. Professor da educação básica.

Referências

Brasil. Ministério da Educação. (1997). Parâmetros Curriculares Nacionais – PCN. Versão final. Brasília, DF.

Brasil. Ministério da Educação. (2017). Base Nacional Comum Curricular – BNCC. Versão final. Brasília, DF, 466p.

Borba, Marcelo de Carvalho & Penteado, Miriam Godoy. (2012). Informática e Educação Matemática. 3. ed. 2. reimp. Belo Horizonte: Autêntica.

Carvalho, U. W. (1997). PIGEONHOLE: qual é o significado e a tradução? Tecla sap. Recuperado de http://www.teclasap.com.br/pigeonhole-qual-e-o-significado-e-traducao/. Acesso em: 02 nov. 2018.

Castel de Saint-Pierre, Charles irénée. (1737). Ouvrajes de morale et de politique, Rotterdam, J. Berman; et Paris, Briasson.

Hanzelet, J.A. (1624). Récréation mathematicque composee de plusieurs problemes plaisants et facetieux. Jean Appier Hanzelet Recuperado de https://books.google.fr/books?id=QsY5AAAAcAAJ&printsec=frontcover&hl=pt-BR&source=gbs_ge_summary_r&cad=0#v=onepage&q&f=false. Acesso em: 19 out. 2018.

Gil, Antonio Carlos. (2007). Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas.

Hefez, A. (2007). Indução Matemática. Programa de Iniciação Científica da OBMEP, 2007. Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Matemática.

Leurechon, J. (1622). SelectæPropositiones in Tota Sparsim Mathematica Pulcherrimæ. Gasparem Bernardum. Recuperado de https://www.e-rara.ch/doi/10.3931/e-rara-10537. Acesso em: 19 out. 2018.

Ludke, M & Andre, M.E.D.A. (2013). Pesquisa em educação: uma abordagem qualitativa. 2.ed. São Paulo: EpU.

Miguel, A. & Miorim, M. A. (2017). História na Educação Matemática: proposta e desafios. 2.ed. 1. Reimp. - Belo Horizonte: Autêntica Editora.

Pereira, A.S. et al. (2018). Metodologia da pesquisa científica. [e-book]. Santa Maria. Ed. UAB/NTE/UFSM. Recuperado de https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/15824/Lic_Computacao_Metodologia-Pesquisa-Cientifica.pdf?sequence=1. Acesso em: 24 março 2020.

Ponte, J. P., Brocardo, J. & Oliveira, H. (2016). Investigações matemáticas na sala de aula. 3 ed. Ver. Ampl.- Belo Horizonte: Autêntica Editora.

Radford, L. (2020). Um percurso pela teoria da objetivação. Em S. Takeco Gobara e L. Radford (Eds.), Teoria da Objetivação: Fundamentos e aplicações para o ensino e aprendizagem de ciências e matemática (pp. 15-42). São Paulo, Brasil: Livraria da Física.

Saito, F. (2016). Construindo interfaces entre história e ensino de matemática. In: Ensino de Matemática em Debate, vol; 3, n. 1. Recuperado de https://revistas.pucsp.br/emd/article/view/29002/20273. Acesso em: 03 abr. 2020.

Silva, Alison Luan Ferreira da. (2019). História da matemática, tecnologias digitais e investigação matemática no ensino de unidades temáticas de matemática da BNCC para o 8º ano. 247f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências Naturais e Matemática), Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal.

Downloads

Publicado

2021-03-09

Edição

Seção

Artigos