Formação continuada de professores de matemática para uso de tecnologias digitais: uma análise a partir de um curso de extensão sobre o software scratch

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1981-1322.2021.e74500

Palavras-chave:

Formação continuada, Formação de professores, Tecnologias Digitais, Scratch, Matemática

Resumo

As tecnologias digitais podem representar novas possibilidades metodológicas para os processos de ensino e aprendizagem de Matemática. Para que tais possibilidades sejam benéficas aos processos pedagógicos, os docentes envolvidos com o uso de tais recursos devem conhecer suas potencialidades e funcionalidades. Com o objetivo de analisar as possíveis contribuições de um curso de formação continuada para professores de Matemática sobre o software Scratch, realizou-se uma investigação qualitativa do tipo estudo de caso. A partir da observação de um curso de extensão desenvolvido em um Grupo de Pesquisas sobre Tecnologias na Educação Matemática, que teve 14 participantes, efetuou-se o registro dos dados de cada encontro do curso, bem como da participação dos cursistas. Um ano após a conclusão do curso, os participantes foram entrevistados novamente para verificar  como estava a prática profissional atual, buscando-se indícios das contribuições do curso. Foi possível identificar que o curso, mais do que contribuir para que os participantes conhecessem um recurso diferenciado para a sala de aula,  possibilitou que os professores se tornassem mais autônomos na busca de tecnologias digitais que contribuíssem com o aprimoramento da aprendizagem de seus alunos . O aprendizado coletivo, vivenciado em um grupo de pesquisa, possibilitou que esses professores permanecessem em formação e compartilhamento de conhecimentos.  

 

Biografia do Autor

Flavia Sucheck Mateus da Rocha, PPGECM - UFPR

Mestre em Educação em Ciências e em Matemática, pela UFPR.

Doutoranda em Educação em Ciências e em Matemática (PPGECM), pela UFPR. 

Professora do Centro Universitário Internacional Uninter.

Tânia Teresinha Bruns Zimer, UFPR

Doutora em Educação

Professora Associado na niversidade Federal do Paraná, Curitiba, PR. 

Sérgio Camargo, UFPR

Doutor em Educação para a Ciência

Professor Associado na Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR. 

Marcelo Souza Motta, UTFPR

Doutor em Ensino de Ciências e Matemática

Professor Adjunto na Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, PR. 

Referências

Belloni, M. L. (1999). Mediatização – Os desafios das novas tecnologias de informação e comunicação. In: Belloni, M. L. Educação a Distância. (pp. 53-77). Campinas: Editora Autores Associados.

Borba, M. C., Silva, R. S. R. & Gadanidis, G. (2016). Fases das tecnologias digitais em Educação Matemática. 1 ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora.

Fiorentini, D., Souza Junior, A. J. & Melo G. F. A. de (2003). Saberes docentes: um desafio para acadêmicos e práticos. In: Geraldi, C. M. G., Fiorentini, D. & Pereira, E. M. de A. (orgs.) Cartografia e trabalho docente: professor(a)-pesquisador(a). 2 ed. Campinas, SP: Mercado das Letras.

Garcia, C. M. (1999). Formação de professores: para uma mudança educativa. Porto: Porto Editora.

Gil, A. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas.

Godoy, A. S. (1995). Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de administração de empresas, v. 35, n.2, 57 - 63.

Imbernón, F. (2009). A. formação do professorado deve potencializar a identidade docente. In.: Imbernón, F. Formação permanente do professorado: novas tendências. (pp. 72-78). São Paulo: Cortez.

Imbernón, F. (2010). Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e incerteza. 8 ed. São Paulo: Cortez.

Kenski, V. M. (2011). Educação e tecnologias: O novo ritmo da informação. 8 ed. São Paulo: Papirus.

Moreira, D. A. (2002). O método fenomenológico na pesquisa. São Paulo: Pioneira Thomson.

Mizukami, M. G. N. (2006). Aprendizagem da docência: conhecimentos específicos, contextos e práticas pedagógicas. In: Nacarato, A. M. & Paiva, M. A. V. A formação do professor que ensina matemática. (pp. 213 – 231). Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

Nóvoa, A. (2012). Para una formación de profesores construída dentro de la profesión. Revista de Educación, 350. Septiembre-diciembre, 203 - 218.

Pimenta, S. G. (2012). Formação de professores: identidade e saberes da docência. In. Pimenta, S. G. (org.). (pp. 15 – 72). Saberes pedagógicos e atividade docente. 8 ed. São Paulo: Cortez.

Resnick, M. et al. (2009). Scratch: Programming for All. Communications of the ACM. Vol. 52 N. 11, 60-67. .

Richit, A., Mocroski, L. F. & Kalinke, M. A. (2016). Tecnologias e prática pedagógica em Matemática: tensões e perspectivas evidenciadas no diálogo entre três estudos. In: Kalinke, M. A & Mocroski, L. F (orgs.). Lousa digital & outras tecnologias na Educação Matemática. (pp. 117 – 140). Curitiba: CRV.

Romanowski, J. P. (2007). Formação e profissionalização docente. 3 ed. Curitiba: Ibpex.

Tardif, M. (2014). Saberes Docentes e formação profissional. 17 ed. Petrópolis, RJ: Editora Vozes.

Downloads

Publicado

2021-03-09

Edição

Seção

Artigos