Uma proposta de ensino de relações trigonométricas em ângulos notáveis por meio do material concreto Prédio Trigonométrico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1981-1322.2021.e76836

Palavras-chave:

Educação Matemática, Ensino. Trigonometria, Material concreto

Resumo

É importante que o professor promova o desenvolvimento de uma aprendizagem ativa e significativa, buscando métodos que visam a partir do concreto chegar no abstrato. Neste sentido, foi planejado e aplicado uma proposta de aula envolvendo este material concreto denominado Prédio Trigonométrico. A proposta utiliza da manipulação do objeto para obtenção de resultados do seno, cosseno e tangente dos ângulos notáveis, para então, por meio de
questionamentos, desenvolver resultados relativos aos valores desta relação. Após a atividade, foi aplicado um outro questionário perguntando sobre a efetividade do material para os alunos. Em grande maioria, os alunos elogiaram a aplicação, mostrando que foi um facilitador em sua aprendizagem. Além disso, percebemos que os alunos foram capazes de abstrair resultado como o valor das relações trigonométricas para o ângulo de 90°. Com isso, vemos um potencial na aplicação de tal metodologia, que pode auxiliar o professor no ensino de trigonometria no Ensino Fundamental e Médio.

Biografia do Autor

Gustavo Gonçalves, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS)

Eduardo Boff Ribeiro

Gregor Dimitri Teixeira Karoleski

Kelen Berra de Mello

http://lattes.cnpq.br/4422136761763598

Referências

Araújo, M. S. T. & Abib, M. L. V. S. (2003). Atividades Experimentais no Ensino de Física: diferentes enfoques, diferentes finalidades. Revista Brasileira de Ensino de Física. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/rbef/v25n2/a07v25n2

Bauer, M. W. & GASKELL, G. (orgs.) (2012). Pesquisa Qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes.

Chavante, E. & Prestes, D. (2016) Quadrante matemática, 1º ano: ensino médio. São Paulo: Edições SM.

Fiorentini, D.; Lorenzato, S. (2012) Investigação em Educação Matemática: percursos teóricos e metodológicos. Campinas: Autores Associados.

Gil, A. C. (2010). Como Elaborar Projetos de Pesquisa. São Paulo: Atlas.

Iezzi, G., Dolce, O., Degenszajn, D., Périgo, R. & Almeida, N. (2016). Matemática: ciência e aplicações: ensino médio. São Paulo: Saraiva.

Lorenzato, S. (2012). Laboratório de ensino de Matemática e materiais didáticos manipuláveis. In: Lorenzato, S. (Org.), O Laboratório de Ensino de Matemática na Formação de Professores. (pp 3-38). Campinas: Autores Associados.

Marandino, M (2002). Tendências Teóricas e Metodológicas no Ensino de Ciências. São Paulo: USP. Recuperado de https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/349832/mod_resource/content/1/Texto18%201%20-%20Marandino%20Tend%C3%AAncias%20no%20Ensino%20de%20ci%C3%AAncias%20final.pdf

Oliveira, M. B. (2017). Material manipulativo na prática em matemática: percepções dos bolsistas do Pibid. (Trabalho de Conclusão de Curso). Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, campus Caxias do Sul, Caxias do Sul. Recuperado de http://matematica.caxias.ifrs.edu.br/wp-content/uploads/2018/10/2017-12-04-MICHELE-BRANCAGLIONE-DE-OLIVEIRA.pdf

Paiva, M. R. (2015). Matemática: Paiva. São Paulo: Moderna.

Passos, C. L. B. (2012). Materiais manipuláveis como recursos didáticos na formação de professores de matemática. In: Lorenzato, S. (Org.), O Laboratório de Ensino de Matemática na Formação de Professores. Campinas: Autores Associados.

Ribeiro, J. (2012). Matemática: ciência, linguagem e tecnologia, 1: ensino médio. São Paulo: Scipione.

Silva, M. N. M. (2010, agosto). O Papel Atual da Experimentação no Ensino de Física. In.: Anais do XI Salão de Iniciação Científica (pp. 903-905). Porto Alegre: Pontifícia Universidade Católica. Recuperado de: http://www.pucrs.br/edipucrs/XISalaoIC/Ciencias_Exatas_e_da_Terra/Fisica/84372-MAURICIONOGUEIRAMACIELDASILVA.pdf

Silveira, F. L. & Ostermann, F. (2002). A Insustentabilidade da Proposta Indutivista de “Descobrir a lei a partir de resultados experimentais”. Caderno Brasileiro de Ensino de Física. Recuperado dehttps://periodicos.ufsc.br/index.php/fisica/article/download/10052/15382

Souza, J. R. & Pataro, P. R. M. (2015). Vontade de Saber Matemática, 9º ano. São Paulo: FTD.

Vasconcelos, C. S. (2002) Construção do conhecimento em sala de aula. São Paulo: Liberdad.

Vale, I. (1999) Materiais manipuláveis na sala de aula: o que se diz, o que se faz. In: APM (Eds.), Actas do ProfMat 99 (p. 111-120). Lisboa: APM. Recuperado de http://www.academia.edu/1493722/Materiais_manipul%C3%A1veis_na_sala_de_aula_o_que_se_diz_o_que_se_faz

Downloads

Publicado

2021-03-09

Edição

Seção

Relatos de Experiências