Abordagem da estatística em livros didáticos de matemática do ensino médio do PNLD 2018: o letramento estatístico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1981-1322.2021.e79174

Palavras-chave:

Livro didático, Ensino Médio, Letramento Estatístico

Resumo

Este artigo apresenta o resultado de uma pesquisa de mestrado que teve como objetivo verificar como duas coleções de livros didáticos de matemática do ensino médio recomendados pelo Plano Nacional do livro didático (PNLD) 2018 – 2020 abordam o conteúdo de Estatística e se esta abordagem promove o letramento estatístico. Durante a análise também verificou-se se nas coleções já havia alguma correspondência com orientações da Nova Base Nacional Curricular Comum (BNCC, 2018). Consistindo em um estudo documental qualitativo, sob a perspectiva de estudo de caso, definimos critérios para descrever a abordagem do conteúdo conceitual e descritores para a classificar as tarefas constantes nos blocos de exercícios. A partir do referencial teórico adotado constatamos que a coleção Conexões com a Matemática possibilita o aluno atingir o nível consistente não-crítico do letramento estatístico, enquanto a coleção Matemática: Contexto & Aplicações desenvolve o nível inconsistente. Notamos, assim, lacunas de formação que seriam preenchidas se os autores de livros didáticos atendessem ao que é recomendado pelos pesquisadores da área de Educação Estatística. Sugerimos aos autores de livros didáticos que sigam às orientações dos especialistas da área e das normativas oficias.

Biografia do Autor

Mônica França da Silva, UFAL

Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática (PPGECIM/UFAL), possui Especialização em Estatística voltada para a Educação (2012) pela Universidade Estadual de Alagoas e graduação em Licenciatura em Matemática (2007) pela mesma instituição. Foi professora efetiva da Secretaria Municipal de Educação de Anadia(AL) e professora-monitora das disciplinas de Física e Matemática pela Secretaria Estadual de Educação(AL). Atualmente é Técnica em Assuntos Educacionais do Instituto Federal de Alagoas.

Givaldo Oliveira dos Santos

Possui graduação em MATEMÁTICA pela Universidade Federal de Alagoas (1991), mestrado em Matemática pela Universidade Federal do Ceará (1996) e doutorado em Engenharia Elétrica pela Universidade Estadual de Campinas (2003). Atualmente é professor efetivo associado, com dedicação exclusiva, do Instituto Federal de Alagoas - Campus Maceió. Professor do curso de Licenciatura em Matemática, além disso, é professor colaborador do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática da Universidade Federal de Alagoas. Tem experiência na área de Matemática, com ênfase em Matemática, atuando principalmente nos seguintes temas: meio ambiente, educação ambiental, ensino aprendizagem, proteção ambiental e algoritmo. Também tem experiencia em Engenharia Eletrica, atuando prinicipalmente em Codificação e Decodificação de Códigos.

Referências

Almouloud, S. Ag. (2015). Teoria Antropológica do Didático: metodologia de análise de materiais didáticos. Revista Iberoamericana de Educación Matemática, n. 42, p. 9-34, ISSN 1815-0640. Recuperado de https://www.researchgate.net/publication/283715937_Teoria_Antropologica_do_Didatico_metodologia_de_analise_de_materiais_didaticos

Bastos, Charles L. de. (2014). As TIC fazem alguma diferença no ensino e na aprendizagem? TIC NA MATEMÁTICA (Homepage). Recuperado de https://www.ticsnamatematica.com/2014/12/TICs-fazem-diferenca-ensino-aprendizagem.html

Batanero, C.; Arteaga, P.; Contreras, J. M. (2011). El currículo de estadística em la Enseñanza obligatoria. EM TEIA – Revista de Educação Matemática e Tecnológica Iberoamericana, v. 2, n. 2, 20 p. Recuperado de https://periodicos.ufpe.br/revistas/emteia/article/view/2151

Brasil. Ministério da Saúde. (2020). Sobre a doença: o que é COVID-19. Brasília: MS. Recuperado de https://coronavirus.saude.gov.br/sobre-a-doenca

Brasil. Ministério da Educação. (1997). Parâmetros Curriculares Nacionais para o ensino fundamental. Brasília, MEC/SEF. Brasília, MEC/SEF/COEJA.

Brasil. Ministério da Educação. (1998). Parâmetros Curriculares Nacionais para o terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental. Brasília, MEC/SEF. Brasília, MEC/SEF.

Brasil. Ministério da Educação. (2000). Parâmetros Curriculares Nacionais para o ensino médio. Brasília, MEC/SEB. Brasília, MEC/SEB.

Brasil. Ministério da Educação. (2006). Orientações curriculares para o ensino médio: ciências da natureza, matemática e suas tecnologias, v. 2. Brasília, MEC/SEB.

Brasil. Ministério da Educação. (2018). Base Nacional Comum Curricular: ensino médio. Brasília - DF. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=85121-bncc-ensino-medio&category_slug=abril-2018-pdf&Itemid=30192

Brasil. Ministério da Educação. (2015). Edital de convocação nº 04/2015 – CGPLI. Inscrição e avaliação de obras didáticas para o PNLD 2018. Brasília, DF: Ministério da Educação, 75 p. Recuperado de https://www.fnde.gov.br/index.php/programas/programas-do-livro/consultas/editais-programas-livro/item/13106-edital-pnld-2021

Carreta, Cecy Leite Alves. (2017). O programa nacional do livro didático. Do conceito de função à função logarítmica: um olhar sociocrítico. (Dissertação de Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática). Universidade Cruzeiro do Sul, São Paulo, 107 p.

Cazorla, I.M.; Castro, F. C. (2008). O papel da estatística na leitura do mundo: o letramento estatístico. Publicatio UEPG Ciências Humanas, Linguística, Letras e Arte, 16 (1), pg. 45-53. Recuperado de http://www.revistas2.uepg.br/index.php/humanas/article/view/617/605

Cazorla, I. M.; Silva Júnior, A. V.; Santana, E. R. dos S. (2018). Reflexões sobre o ensino de variáveis conceituais na educação básica. Revista de Ensino de Ciências e Matemática - REnCiMa, v. 9, n. 2, p. 354-373.

Chevallard, Yves. (1999). L'analyse dês pratiques enseignantes em théorie anthropologique du didactique. Recherches en didactique des mathématiques, v. 19, n. 2, p. 221-266.

Dante, Luiz Roberto. (1996). Livro didático de matemática: uso ou abuso? Em Aberto, v. 16, n. 69. Brasília.

Estados Unidos da América. (2020). The Pre-K–12 Guidelines for Assessment and Instruction in Statistics Education II (GAISE II). American Statistical Association. 126 p. Recuperado de https://www.amstat.org/asa/files/pdfs/GAISE/GAISEIIPreK-12_Full.pdf

Feres, G. G. (2014). A Constituição e Institucionalização de uma Ciência sob a Ótica da Teoria de Bourdieu: uma contribuição para a área de Educação em Ciências no Brasil. In: A pós-graduação em ensino de ciências e matemática no Brasil: memórias, programas e consolidação da pesquisa na área. NARDI, R. e GONÇALVES, T. V. O. (Orgs.). São Paulo: Editora Livraria da Física, p. 140-204.

Fonseca, J. J. S. da. (2002). Metodologia da Pesquisa Científica (apostila). Curso de Especialização em Comunidades Virtuais de Aprendizagem – informática educativa. Centro de Educação, Universidade Estadual do Ceará (UECE), 127 p. Recuperado de ia.ufrrj.br/ppgea/conteudo/conteudo-2012-1/1SF/Sandra/apostilaMetodologia.pdf

Freire, Paulo. (1987). Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, ed. 17.

Gal, Iddo. (2002). Adults' Statistical Literacy: Meanings, Components, Responsibilities. International Statistical Review, 70, p. 1 – 51. Recuperado de https://doi.org/10.1111/j.1751-5823.2002.tb00336.x

Giordano, C. C. (2016). O desenvolvimento do letramento estatístico por meio de projetos: um estudo com alunos do ensino médio. 154 f. (Dissertação de Mestrado em Educação Matemática), Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC), São Paulo. Recuperado de https://sapientia.pucsp.br/handle/handle/19154

Giordano, C. C.; Araújo, J. R. A.; Coutinho, C. De Q. e S. (2019). Educação Estatística e a Base Nacional Comum Curricular: o incentivo aos projetos. Revista Eletrônica de Educação Matemática – REVEMAT. Florianópolis (SC), v. 14, ed. especial, p. 1-20. Recuperado de http:// doi.org/105007/1981-1322.2019.e62727

Gurgel, M. D. (2018). Uma proposta para o ensino-aprendizagem de estatística no ensino médio sob a perspectiva da pedagogia histórico-crítica. 91 p. (Dissertação de Mestrado Profissional em Matemática), Universidade de Brasília (UnB), Brasília. Recuperado de https://repositorio.unb.br/handle/10482/32790

Imenes, Luiz Márcio. (2020). Livro Didático: uma abordagem da Matemática no contexto do Ensino Médio. Youtube. (Live da Campanha #ficaemcasa. Sociedade Brasileira de Educação Matemática Regional Bahia (SBEM-BA)). Recuperado de https://www.youtube.com/watch?v=VbPT0fK-DvI.

Leonardo, F. M. de. (2016). Conexões com a Matemática (Coleção). Editora Moderna, São Paulo, ed. 3. v. 3. (Obra Coletiva)

Ody, M. C.; Viali, L. (2016). Uma avaliação da literacia estatística e probabilística no ensino médio. Revista Educação Matemática Pesquisa, São Paulo, v. 18, n. 2, p. 923-949. ISSN 1983-3156. Recuperado de https://revistas.pucsp.br/emp/article/view/24407

Poubel, Martha W. (2013). Os primeiros processos censitários brasileiros e o desenvolvimento da Matemática-Estatística no Brasil de 1872 a 1938. (Tese de Doutorado em Educação) – Centro de Educação da Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória (ES). Recuperado de http://repositorio.ufes.br/handle/10/2170

Resolução nº 3, de 26 de junho de 1998. (1998). Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação, Brasília, DF.

Resolução nº 2, de 30 de janeiro de 2012. (2012). Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação, Brasília, DF.

Resolução nº 3, de 21 de novembro de 2018. (2018). Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação, Brasília, DF. Recuperado de http://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/51281622

Ruiz, Jesús del Pino. (2019). Las medidas de dispersión en la educación secundaria obligatoria: análisis de libros de texto y de la comprensión de los estudiantes. (Tese de Doutorado em Didática da Estatística) – Departamento de Didática das Ciências, Universidad de Jaén, Jaén (ES). Recuperado de https://iase-web.org/documents/dissertations/19.JessDelPinoRuiz.Dissertation.pdf

Sá, D. L. (2015). Elaboração e análise de um instrumento para verificar informações acerca do letramento estatístico de estudantes concluintes do ensino médio. 102 f. (Dissertação de Mestrado em Educação em Ciências: Química da Vida e da Saúde). Universidade Federal do Rio Grande (FURG), Rio Grande. Recuperado de http://repositorio.furg.br/handle/1/5007

Santana, M. de S. (2011). A educação estatística com base num ciclo investigativo: um estudo do desenvolvimento do letramento estatístico de estudantes de uma turma do 3º ano do ensino médio. 196 f. (Dissertação de Mestrado Profissional em Educação Matemática). Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto. Recuperado de http://www.pucrs.br/ciencias/viali/tic_literatura/dissertacoes/Santana_Mario_Souza.pdf

Santos, Wagner Dias. (2017). Letramento Estatístico nos Livros de Ensino Médio e a Base Nacional Comum Curricular. 149 f. (Dissertação de Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional – PROFMAT). Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. Recuperado de http://www.repositorio-bc.unirio.br:8080/xmlui/handle/unirio/11067

Senhoras, Eloi M. (2020). Coronavírus e Educação: análise dos impactos assimétricos. Boletim de Conjuntura (BOCA)/UFRR, Roraima: Boa Vista, a.II, v. 2, n. 5, p. 128-136. ISSN: 2675-1488. Recuperado de http://dx.doi.org/10.5281/zenodo.3828085

Skovsmose, Ole. Desafios da reflexão em educação matemática crítica. Sociedade Brasileira de Educação Matemática: Papirus, ed. 2, 2017, 144p.

Silva, M. A. (2012). A fetichização do livro didático no Brasil. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 37, n. 3, p. 803-821. Recuperado de https://www.scielo.br/pdf/edreal/v37n3/06.pdf

Watson, J.; Callingham. R. (2003). Statistical Literacy: a complex hierarchical construct. statistics education research journal. international association for statistical education (iase/isi), v. 2, n. 2, p. 3- 46. Recuperado de https://www.stat.auckland.ac.nz/~iase/serj/serj2(2)_watson_callingham

Downloads

Publicado

2021-03-09

Edição

Seção

Artigos