Variações semânticas de valoração em reinstanciações portuguesas e brasileiras de Things Fall Apart e Arrow of God

Célia Maria Magalhães, Cliver Gonçalves Dias

Resumo


Este artigo expande a investigação realizada em Autor (2018), sobre variações semânticas de valoração em traduções brasileiras de dois romances de Chinua Achebe, Things Fall Apart (1994[1959]) e Arrow of God (1969[1964]), para traduções portuguesas destes textos. O objetivo é identificar variações semânticas da valoração nas retraduções. Trabalhos empíricos sobre a tradução de textos literários estudam a valoração, descontextualizada do seu significado no desdobramento dos textos, usando a metodologia de análise de corpora. Autor (2018) usa um modelo semântico-discursivo para estudar a tradução como reinstanciação, considerando o desdobramento das narrativas literárias. Neste trabalho, foram usados excertos das reinstanciações portuguesas Tudo se desmorona (2008), de Things fall apart, e A flecha de Deus (1979), de Arrow of God. O estudo utiliza o método de análise da valoração, da semântica-discursiva, para investigar padrões de configurações valorativas de atitude, comprometimento e gradação nos textos do corpus. Os resultados, comparados aos resultados de Autor (2018), sugerem que há variações semânticas entre os pares de reinstanciações relativas ao modo de realização, ao acoplamento e à calibragem, bem como à não reinstanciação de valores ou instanciação de novos valores. Estes resultados sugerem que as duas reinstanciações são paráfrases distintas dos texto-fontes, confirmando a hipótese da retradução.

Palavras-chave


Variações semânticas; Valoração; Reinstanciação; Retradução; Things Fall Apart; Arrow of God

Texto completo:

PDF

Referências


ACHEBE, C. A flecha de Deus. Tradução de Maria Helena Morbey. Lisboa: Edições 70, 1979. Título original: Arrow of God.

______. Arrow of God. 2nd ed. New York: Anchor Books, 1989.

______. Tudo se desmorona. Tradução de Eugénia Antunes e Paulo Rêgo. Lisboa: Mercado de Letras Editores, 2008.

______. O mundo se despedaça. Tradução de Vera Queiroz da Costa e Silva. São Paulo: Companhia das Letras, 1983.

______. Things Fall Apart. New York: Anchor Books, 1994.

______. O mundo se despedaça. 2. ed. Tradução de Vera Queiroz da Costa e Silva. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

______. A flecha de Deus. Tradução de Vera Queiroz da Costa e Silva. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

ALVSTAD, C.; ROSA, A. Voice in Retranslation: An Overview and some Trends. Target, Amsterdam, v. 27, n. 1, p. 3-24, 2015.

BERMAN, A. La retraduction comme espace de la traduction. In : BENSIMON, P.; COUPAYE, D. (Ed.). Retraduire. Paris: Sorbonne Nouvelle, 1990.

BLAUTH, T. A paisagem indizível em duas traduções brasileiras de Heart of Darkness: uma análise de estilo com base em corpus. 2015. 138 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2015.

CHANG, C. Modelling translation as re-instantiation. Perspectives, London, v. 25, n.1, p. 1-14, 2017.

CRISTÓFARO, N. Variações semânticas em duas reinstanciações de Eveline e The dead para o português: um estudo baseado no sistema da VALORAÇÃO. 2018. 224f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2018.

HONG, Q. Investigating translator’s positioning via the Appraisal Theory: a case study of the Q&A part of a speech delivered by the U.S. Vice President Cheney. Sino-US English Teaching, New York, v. 2, n 9, p. 1775-1787, 2012.

SOUZA, C. L. Itens lexicais estrangeiros como traço estilístico em things fall apart: um estudo em corpus paralelo. Belas Infiéis, Brasília, v. 4, n. 1, p. 39-52, 2015.

MACKEN-HORARIK, M. Appraisal and the special instructiveness of narrative. Text, Adelaide, v. 2, n. 23, p. 285-312, 2003.

MACKEN-HORARIK, M.; ISAAC, A. Appraising Appraisal. In: THOMPSON, G; ALBA-JUEZ, L. (Ed.). Evaluation in context. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins Publishing Company, 2014. cap. 4, p. 67-92.

MARTIN, J. Genre, ideology and intertextuality: a systemic functional perspective. LHS, Sheffield, v. 2, n. 2, p. 275-298, 2006.

______. Semantic variation: modelling system, text and affiliation in social semiosis. In: BEDNAREK, M.; MARTIN, J. R. (Org.). New Discourse on Language: Functional Perspectives on Multimodality, Identity, and Affiliation. London/New York: Continuum, 2010. p. 1-34.

MARTIN, J.; ROSE, D. Working with discourse: meaning beyond the clause. 2nd ed. London: Continuum, 2007.

______. Genre relations: mapping culture. London: Equinox, 2008.

MARTIN, J.; WHITE, P. The Language of Evaluation: Appraisal in English. New York: Palgrave MacMillan, 2005.

MUNDAY. J. Evaluation in translation: critical points of translator decision-making. London and New York: Routledge, 2012.

PAGANO, A. A contextual approach to translation equivalence. In: LAVIOSA, S. et al. Textual and contextual analysis in empirical translation studies. Singapore: Springer, 2017. p. 73-128.

PAPOLOSKI, O.; KOSKINEN, K. Reprocessing texts: the fine line between retranslating and revising. Across Languages and Cultures, Budapest, v. 11, n. 1, p. 29–49, 2010.

ROSA, A. Narrator Profile in translation: work-in-progress for a semi-automatic analysis of narratorial dialogistic and attitudinal positioning in translated fiction. Linguistica Antverpiensia, Antwerp, n. 7, p. 227-248, 2008.

______. Interlingual re-instantiation: a new systemic functional perspective on translation. Text&Talk, Berlin, v. 33, n. 4/5, p. 575-594, 2013.

VANDEPITTE. S; VANDENBUSSCHE, L.; ALGOET, B. Travelling certainties: Darwin’s doubts and their Dutch translations. The translator, London, v. 11, n. 2, p. 275-299, 2011.

WHITE, P. Constructing the “Stranger” in Camus’ L’Étranger: registerial and attitudinal variability under translation. The Journal of Translation Studies, Seoul, v. 17, n. 4, p. 1-32, 2016.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7968.2018v38n3p319



Cadernos de Tradução, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 2175-7968.