A tradução de humor no teatro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7968.2020v40n1p91

Palavras-chave:

Tradução de humor, Estudos da tradução, Tradução teatral, Reflexão crítica

Resumo

Este artigo pretende trazer reflexões acerca da correspondência entre os Estudos da Tradução, a Dramaturgia e a linguagem humorística. Para tanto, será necessário que se levantem problemas acerca da transposição da linguagem humorística de um código linguístico a outro, e especificamente, serão feitas considerações acerca dessa correspondência com a linguagem cênica, no tocante à produção de comicidade, por meio das reflexões de Susan Bassnett (2005), Luciana Kaross (2007), Valentín García Yebra (1983), Sirkku Aaltonen (2000), Patrice Pavis (2008), Marlene Fortuna (2000;2010;2011), entre outros nomes do campo dos Estudos da Tradução e da Dramaturgia. Como prelúdio dessas reflexões, considera-se que haja criatividade por parte do ator/tradutor e demais agentes do teatro para que a linguagem humorística presente no texto-fonte tenha o mesmo efeito no espectador da língua-alvo em que se encena o texto dramático, ou seja, provoque o riso.

Biografia do Autor

Tiago Marques Luiz, Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, Mato Grosso do Sul

Possui graduação em Letras Licenciatura/Habilitação Português/Inglês pela Universidade Federal da Grande Dourados (2009), especialização em Tradução de Inglês pela Universidade Gama Filho (2011), Mestrado em Estudos da Tradução pela Universidade Federal de Santa Catarina (2013) e Doutorado em Estudos Literários pela Universidade Federal de Uberlândia (2019). Atualmente é professor substituto na Universidade Federal da Grande Dourados, lotado na Faculdade de Comunicação, Artes e Letras (FACALE-UFGD).

Referências

Aaltonen, S. Time-sharing on stage. Drama Translation in Theatre and Society. Topics in Translation 17. Clevedon/Bufffalo/Toronto/Sydney: Multilingual Matters Ltd., 2000.

Bassnett, S. Estudos de tradução. Tradução de Sonia Terezinha Gehring, Letícia Vasconcelos Abreu e Paula Azambuja Rossato Antinolfi. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2005(a).

Bassnett, S. Translation. The New Critical Idiom. New York: Routledge, 2013(b).

Corrigan, R. W. “Translating for actors”. In: Arrowsmith, William; Shatuck, Roger (eds). The craft and context of translation: A critical symposium. New York: Anchor Books, 1964, p. 129-146.

Dusi, N. “Tradução, Adaptação, Transposição”. In: Aguiar, D.; Queiroz, J.. Tradução, Transposição e Adaptação Intersemióticas. São Carlos: Pedro e João Editores, 2016, p. 53-68.

Fortuna, M. A performance da oralidade teatral. 1ª edição. São Paulo: Annablume, 2000(a).

Fortuna, M. Intertextualidade para a Comunicação Eficiente: do texto dramatúrgico à performance do ator em cena. Trabalho apresentado no DT 6 – Interfaces Comunicacionais do XV Congresso de Ciências da Comunicação. Anais do XV Congresso de Ciências da Comunicação, Vitória, ES, 2010(b), p. 1-15. Disponível em: http://www.intercom.org.br/papers/regionais/sudeste2010/resumos/R19-0170-1.pdf. Acesso em 10 jun. 2019.

Fortuna, M. “KALLÍOPE: a musa grega da palavra transformada. Do texto escrito do dramaturgo à performance viva do ator em cena. Diálogos Entre-Mentes”. In: Simões, D. (org). Diálogos Intersemióticos. Volume 1. Rio de Janeiro: Dialogarts, 2011(c), p. 196- 207.

Gorlée, D. L. “Metacriações”. In: Aguiar, D. and Queiroz, J. Tradução, Transposição e Adaptação Intersemióticas. São Carlos: Pedro e João Editores, 2016, p. 69-134.

Helbo, A. Theory of Performing Arts. Collection Critical Theory – Interdisciplinary Approaches to Language, Discourse and Ideology. Volume 5. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins, 1987.

Heliodora, B. “Meus motivos para traduzir Shakespeare/ My reasons for translating Shakespeare”. In: Martins, M. A. P. and Guerini, A. Palavra de Tradutor: Reflexões sobre tradução por tradutores brasileiros/The Translator’s Word: Reflections on Translation by Brazilian Translators. Tradução de Thelma Christina Ribeiro Côrtes. Edição bilíngue. Florianópolis: Editora da UFSC, 2018, p. 177-193.

Guimarães, Maria Helena. “A tradução para teatro”. Polissema, revista de Letras do ISCAP, Porto, nº 4, 2004, p. 59-70.

Kaross, L. A tradução da comédia teatral em The Importance of Being Earnest: tradução comentada e anotada. 2007. 239f. Dissertação (Mestrado em Estudos da Tradução) – Centro de Comunicação e Expressão, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2007.

Luiz, Tiago Marques. “Tradução de humor: Algumas considerações”. Transversal – Revista em Tradução, Fortaleza, vol. 2, núm. 1, p. 19-34, 2016(a).

Luiz, Tiago Marques. “O interlúdio de Pedro, o bobo em Romeu e Julieta: uma proposta de tradução”. Transversal – Revista em Tradução, Fortaleza, vol. 4, núm. 8, 2018 (b), p. 89-95.

McLeish, K. “Translating Comedy”. In: Johnston, D. (ed.). Stages of Translation. Bath: Absolut Press, 1996, p. 153-159.

Pavis, P. O teatro no cruzamento de culturas. Tradução de Nanci Fernandes. São Paulo: Perspectiva, 2008

Rosas, Marta. “Por uma teoria da tradução do humor”. D.E.L.T.A., São Paulo, vol. 19, núm. especial, 2003, p. 133-161.

Vandaele, Jeroen; Luiz, Tiago Marques. “O humor na Tradução”. Cadernos de Tradução. 39.2 (2019): 326-338. Portal de Periódicos da UFSC. 18/07/2019. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/traducao/article/view/2175-7968.2019v39n2p326/40017. Acesso em: 18. Out. 2019

Yebra, V. G.. Polisemia, ambigüedad y traduccion. In: YEBRA, V. G.. En torno a la traducción: teoría, crítica, historia. Madrid: Gredos Editorial, 1983, p. 70-90.

Downloads

Publicado

2020-01-22