Poesia religiosa e tradução: leitura de um poema de Jean Grosjean

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7968.2020v40n2p174

Palavras-chave:

Jean Grosjean, Poesia religiosa, Tradução

Resumo

Este artigo propõe analisar a tradução de um poema de Jean Grosjean publicado em La lueur des jours (1991), questionando, a partir de seu vocabulário, estrutura, musicalidade e ritmo, e, igualmente, a partir do que assinala Henri Meschonnic em Poétique du traduire (1999) quanto às suas traduções de textos religiosos, o possível lugar de tradução de um poema de dimensão religiosa.

Biografia do Autor

Pablo Simpson, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita”, São José do Rio Preto, São Paulo,

Bacharel e Licenciado em Letras pela Universidade Estadual de Campinas (1998), Mestrado (2001) e Doutorado (2006) em Teoria e História Literária pela Universidade Estadual de Campinas, com sanduíche na Université Marc Bloch de Strasbourg, e Pós-doutorado pela Université Paris III - Sorbonne Nouvelle/ Fondation Maison des Sciences de lHomme e pela Universidade de São Paulo (2010). Especialista em literatura brasileira e francesa, tem parte de sua produção crítica dedicada à poesia brasileira do século XIX, especialmente Castro Alves, à poesia brasileira do século XX, com ensaios dedicados a Mário de Andrade e à poesia da geração de 1930, e à poesia francesa do século XX, sobretudo voltados à obra de Yves Bonnefoy. Além disso, traduziu poetas como Pierre Jean Jouve, Max Jacob e Jean Grosjean, além de romancistas como Georges Bernanos, Michel Henry e Louis-René des Forêts, cuja edição de Le Bavard prepara atualmente. Publicou também livros sobre a poesia árcade brasileira e o gênero da crônica. Foi Leitor de Literatura e Civilização Brasileira na Université de Yaoundé I nos Camarões por dois anos. É professor do Departamento de Letras Modernas do Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas (IBILCE) da Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", São José do Rio Preto.

Referências

La Bible, nouveau testament, introduction par Jean Grosjean, textes traduits, présentés et annotés par Jean Grosjean et Michel Léturmy avec la collaboration de Paul Gros. Bibliothèque de La Pléiade. Gallimard, 1971.

A Bíblia de Jerusalém. São Paulo: Paulus, 1980.

La Bible. Paris: Bayard, 2001.

Congregação para Doutrina da Fé. Normas para procedimento na redução ao estado laical. AAS 63 (1971): 303-308. Disponivel em http://www.vatican.va/ roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19710113_ dispensatione-oblig_po.html. Acesso em: 17 de abril de 2019.

Refugar, Dicionário Aulete Digital. Disponível em http://www.aulete.com.br/ refugar. Acesso em: 17 de abril de 2019.

Andrade, Carlos Drummond de. Poesia completa. Fixação de texto e notas de Gilberto Mendonça Teles. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2006.

Azevedo, Domingos de. Grande dicionário francês/português. Lisboa: Livraria Bertrand, 1964.

Amaral, Glória Carneiro do. (Org) Navette literária França-Brasil: textos de crítica literária de Roger Bastide. São Paulo: Edusp, 2010.

Claudel, Paul. Cinq grandes odes: suivies d’un Processionnal pour saluer le siècle nouveau; La cantate à trois voix. Préface de Jean Grosjean. Paris: Gallimard, 1966.

Grosjean, Jean. “… Regarde passer” In: Simpson, Pablo. O Rumor dos cortejos: poesia cristã francesa do século XX. Tradução de Pablo Simpson. São Paulo: Ed. Unifesp, 2012.

Guardini, Romano. O Espírito da liturgia. São Paulo: Cultor de Livros, 2018.

Heidegger, Martin. Ser e tempo, parte 1. Tradução de Márcia de Sá Cavalcante. Petrópolis: Vozes, 2000.

Labbé, Yves. “Le ‘religieux’ après le christianisme. Perspectives philosophiques contemporaines”. Revue des sciences philosophiques et théologiques. 2010/1 (Tome 94): 97-120. Disponível em : https://www.cairn.info/revue-des-sciencesphilosophiques-et-theologiques-2010-1-page-97.htm. Acesso em: 8 de maio de 2019.

Maulpoix, Jean-Michel. Du lyrisme. José Corti, 2000.

Meireles, Cecília. Obra poética. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1967.

Meschonnic, Henri(a). Critique du rythme: anhtropologie historique du langage. Paris: Verdier, 1982.

Meschonnic, Henri(b). Poética do traduzir. Tradução de Jerusa Pires Ferreira e Suely Fenerich. São Paulo: Perspectiva, 2010.

Meschonnic, Henri(c). “Traduire: écrire ou désécrire”. Scientia Traductionis. nº.7, (2010b): 2-21. Disponível em: http://hdl.handle.net/10316.2/33098. Acesso em: 20 de abril de 2019.

Musil, Robert. O papel mata-moscas e outros textos. Tradução de Marcelo Backes. São Paulo: Carambaia, 2018.

Pascal, Blaise. Pensées. Texte établi par Léon Brunschvicg. Présentation par Dominique Descotes. Paris: Flammarion, 1976.

Reverdy, Pierre(a). Main d’oeuvre. Paris: Gallimard, 2000.

Reverdy, Pierre(b). Plupart du temps. Paris: Gallimard, 2004.

Reverdy, Pierre(c). Le Gant de crin, notes, appendice par Stanislas Fumet, Flammarion, 1968.

Downloads

Publicado

2020-05-19