Tradução e ceticismo.

Autores

  • Helena Franco Martins Pontifícia Universidade Católica - RJ

DOI:

https://doi.org/10.5007/%25x

Palavras-chave:

tradução, manipulação, anti-imanentismo, ceticismo.

Resumo

Este artigo examina os limites entre tradução e manipulação, no contexto mais amplo do debate sobre a presença do ceticismo em perspectivas contemporâneas da linguagem e do sentido. Mostra-se como a disseminação do ideário anti-imanentista funciona como convite ao ceticismo, explorandose, por outro lado, a possibilidade de uma resposta anti-imanentista ao cético, apoiada sobretudo nas reflexões wittgensteinianas de Stanley Cavell. À luz dessa discussão, analisa-se o impacto da dúvida cética sobre o campo específico da tradução, sustentando-se que o ceticismo quanto à distinção entre o traduzir e o manipular não é decorrência necessária da renúncia à crença no significado imanente e transcendental.

Biografia do Autor

Helena Franco Martins, Pontifícia Universidade Católica - RJ

Possui graduação em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (1987) , mestrado em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (1991) e doutorado em Letras pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1999) . Atualmente é Professor assistente da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Tem experiência na área de Lingüística , com ênfase em Filosofia da Linguagem. Atuando principalmente nos seguintes temas: semântica lexical, metáfora, polissemia, Wittgenstein.

Mais informações: Currículo Lattes - CNPq.

Downloads

Publicado

2005-01-01

Edição

Seção

Artigos